Penalização relega Bernardo Sousa para o 5º lugar

Por a 8 Junho 2014 17:58

À italiana. Os comissários desportivos do Rali da Sardenha decidiram penalizar Bernardo Sousa e Hugo Magalhães em cinco minutos, devido a uma alegada irregularidade no número de pneus usado pela dupla portuguesa. Segundo os comissários, a equipa do Fiesta RRC usou um total de 26 pneus durante o rali, mais dois do que o número máximo permitido, aplicando uma penalização que fez Bernardo Sousa descer do terceiro ao quinto lugar do WRC2.

Fonte da equipa afirma que a penalização é injustificada pois a dupla de pilotos decidiu pedir a substituição de dois pneus de determinado composto por outros dois de um composto diferente, mantendo no entanto o número de pneus usados. Além disso, e segundo a mesma fonte, a penalização prevista no regulamento para o uso de um número irregular de pneus é a exclusão, e não cinco minutos, o que só torna a situação ainda mais discutível.

Italian job

Só que este foi apenas o episódio que culminou todo um fim-de-semana surreal para Bernardo Sousa e Hugo Magalhães na Sardenha. Na ordem de partida para a etapa de sexta-feira, a dupla do Fiesta RRC foi colocada logo atrás de um Mitsubishi Lancer de Grupo N e com uma diferença de apenas dois minutos. Após reclamação, a diferença entre os dois concorrentes foi aumentada para três minutos mas mesmo assim Bernardo Sousa alcançou o Mitsubishi de Gianluca Linari na PE8 e teve de rodar no pó do italiano durante vários quilómetros, saindo de estrada e quase terminando a sua prova de encontro a uma árvore…

Na PE11 surgiu o capotanço de Yazeed Al-Rajhi que obrigou à neutralização do troço mas que originou uma posterior atribuição de tempos diferentes por parte da organização (decisão tomada já de madrugada), algo que levou Bernardo Sousa a terminar o dia pensando que estava no 2º lugar do WRC2 e a acordar na manhã seguinte a ser informado que estava em 4º… atrás de Abdulaziz Al-Kuwari, que nunca antes tinha sido mais rápido numa classificativa do que o português!

Depois de ter sofrido fortes câimbras num braço logo na primeira passagem pelo troço mais longo do rali (a ‘famosa’ PE11, de 59,1 km), Bernardo Sousa assistiu a mais uma situação surreal já no último dia de prova, quando os controladores colocaram uma hora errada (diferença de 50 minutos) na carta entregue por Hugo Magalhães, perante o desespero do navegador português que tentava a todo o custo convencer o controlador italiano a assumir e rectificar o seu erro.

A vitória foi para o piloto local Lorenzo Bertelli, na frente do novo DS3 R5 de Sébastien Chardonnet e do ucraniano Yuri Protasov, que assim herda o pódio que ‘deveria’ ter sido de Bernardo Sousa.

últimas Ralis
últimas Autosport