F1: Mattia Binotto excluí possibilidade de voltar ao carro de 2019

Por a 18 Outubro 2020 14:30

Em 2020 a Ferrari não está a ter uma época positiva, com o seu monolugar, o SF1000, a não ser o melhor. Para 2021, devido à pandemia da COVID-19, a FIA só permite dois ‘tokens’ em termos de atualizações nos monolugares.

Assim, ao Corriere dello Sport, Simone Resta, designer da Ferrari, foi questionado sobre o que a equipa italiana se vai debruçar. O italiano respondeu: «Estamos a redesenhar a traseira porque pensamos que há áreas promissores onde aumentar o desempenho»

Contudo, tem havido rumores de desacordos entre o Resta e o chefe da equipa, Mattia Binotto. À Sky Deutschland Binotto afirmou: «Temos de esquecer o que vem do exterior e concentrar-mos no nosso trabalho».

Uma questão que também tem corrido pelo paddock é a de que a Ferrari poderia revertar para a máquina de 2019, mas Binotto explica que «mesmo que fosse uma evolução o carro de hoje é diferente. Não se pode colocar peças de um carro para outro, é impossível».

4 comentários

  1. jo baue

    18 Outubro, 2020 at 22:07

    “Estamos a redesenhar a traseira”= curioso e surpreendente, então agora que o Seb se vai embora…
    Interessante a entrevista ao Simone Resta – que o Binotto trouxe de volta da Alfa Romeo e a quem incumbiu de projectar o Ferrari de 2021- que devia fazer ver a todos como são profundamente anti-desportivo estes campeonatos de F1, porque dá a vantagem não a quem trabalha melhor ou mais mas a quem parte em vantagem, a qual é impossível de ser eliminada, pois há um exercício de abuso de poder dominante impedindo os outros de alcançar o mesmo nível. Certo que há liberdade na parte aerodinamica, no entanto em 2021 são limitadas as simulações aerodinamicas por computador (CFD), há limitaçao também no número de vezes que podem utilizar o tunel de vento, o tempo de utilização dos fluxos (wind on time) e o número de horas. Uma farsa esta f1.

  2. Frenando_Afondo™

    18 Outubro, 2020 at 23:49

    Não vejo como podem “revertar” para o carro de 2019 se tem o mesmo problema do de 2020: foi desenhado para um motor mais potente, o tal do acordo secreto. Logo voltar ao carro de 2019 vai dar ao mesmo.

    • jo baue

      19 Outubro, 2020 at 14:12

      És capaz de nos informar da diferença entre o de 2019 e de 2020? Talvez começando pelo “nariz”.

  3. N Jorge

    19 Outubro, 2020 at 1:34

    Hein… Então a crise é da frame traseira?! Têm a certeza que a unidade motriz não tem um greve problema de power?

Deixe aqui o seu comentário

últimas F1
últimas Autosport