/formula1/f1/gp-azerbaijao-f1-o-filme-da-corrida/
GP Azerbaijão F1: O filme da corrida | AutoSport

GP Azerbaijão F1: O filme da corrida

Por a 12 Junho 2022 17:53

Os 20 pilotos perfilaram-se na reta da meta para o arranque da oitava jornada do campeonato do mundo de F1. Charles Leclerc largava da pole e tinha como companhia Sergio Pérez, com Max Verstappen e Carlos Sainz na segunda linha. George Russell e Pierre Gasly estavam na terceira fila. O calor  que se fazia sentir na hora do arranque seria um dos fatores a ter em conta nesta prova, com as borrachas a sofrerem mais  nestas condições.

Todos os carros no top 10 escolheram pneus médios para o arranque. De todo o pelotão, apenas Daniel Ricciardo, Esteban Ocon, Valtteri Bottas, Lance Stroll e Mick Schumacher escolheram os pneus duros para iniciarem a corrida, tentando uma estratégia diferente, com um primeiro stint longo, à espera que algum Safety Car permita subir posições.

Charles Leclerc largou bem, mas falhou a entrada na curva 1 e viu Sergio Pérez, que largou melhor, passar para a liderança da corrida. Leclerc conseguiu segurar o segundo lugar, pressionado por Max Verstappen, com Carlos Sainz a ficar um pouco para trás, sob pressão de George Russell e Pierre Gasly. Pérez ganhou mais de um segundo logo na primeira volta. Na largada, Sebastian Vettel ganhou o oitavo lugar a Yuki Tsunoda, Alex Albon ganhou dois lugares (15º) enquanto Kevin Magnussen e Valtteri Bottas perderam lugares, tal como Nicholas Latifi, que foi penalizado com 10 seg. Stop & Go por uma infração no procedimento de arranque (mecânico tocou no carro depois do tempo permitido).

Na volta 3, o DRS foi ativado e Verstappen começou o seu ataque a Leclerc. Mais atrás, Daniel Ricciardo atacava Lando Norris pelo 11º posto, mas Norris estava com pneus médios e Ricciardo estava com os pneus duros. 

Verstappen aproximava-se perigosamente de Leclerc, com a ajuda do DRS, enquanto Carlos Sainz ficava para trás. Pérez tinha já 2.5 seg de vantagem para o duo que lutava entre si, isto na volta 5. Leclerc aguentava a pressão de Verstappen e conseguia aproximar-se de Pérez, numa luta em que estava sozinho, sem a ajuda de Sainz. George Russell mantinha-se em quinto com alguma vantagem sobre Pierre Gasly, que se ia defendendo de Lewis Hamilton.

A corrida piorou drasticamente para a Ferrari, com Sainz a aparecer parado na escapatória da curva 4, o que motivou um Virtual Safety Car. Charles Leclerc aproveitou para entrar nas boxes e colocar os pneus duros, tal como fez George Russell, Pierre Gasly, Sebastian Vettel, Lewis Hamilton, Yuki Tsunoda. Pérez ficou em pista seguido de Verstappen, ambos com pneus médios ainda. 

No final do Virtual Safety Car a ordem era Pérez, Verstappen, Leclerc, Russell. Alonso, Norris, Ricciardo, Gasly, Ocon e Vettel.

Leclerc ficou a 15 segundos de Verstappen e a Ferrari tinha de escolher se forçava o andamento ou geria para levar os pneus até ao fim da corrida. 

Sebastian Vettel, na luta com Ocon, ficou a perder, falhando a travagem para a curva 3 perdendo apenas duas posições com esse erro. Era a vez de Hamilton pressionar Ocon. 

Na frente, Verstappen aproximou-se de Pérez e na volta 15 o #1 passou para a frente da corrida. Leclerc estava a pressionar e a apostar numa estratégia de duas paragens e em quatro voltas ganhou seis segundos a Verstappen, que respondeu ao desafio de Leclerc e ganhou 3 segundos em apenas uma volta.

Na volta 17, Pérez entrou para colocar pneus duros, numa paragem algo demorada. Leclerc assumiu o segundo lugar e Pérez tinha de se defender de Russell.  Um pouco mais atrás, Lando Norris começava a pressionar Fernando Alonso, com Daniel Ricciardo atento ao que se passava e com Gasly por perto. Alonso parou algumas voltas depois e caiu para a 15ª posição.

Na volta 18 Hamilton conseguiu passar Ocon pelo nono lugar e tentava agora aproximar-se de Gasly. Na volta seguinte, Verstappen parou para colocar os pneus duros e entregava a liderança a Leclerc.  A diferença entre Leclerc e Verstappen era agora de 13 segundos.

A luta pelo quinto lugar aquecia, com Ricciardo a pressionar Norris, mas o australiano parecia não ter autorização para atacar o seu colega de equipa. 

Mas na volta 20 o drama abateu-se sobre a Ferrari. O motor de Charles Leclerc cedeu e o monegasco ficou fora da corrida. A Red Bull ficava assim com via aberta para uma vitória fácil e Russell era promovido a terceiro. Lando Norris parou nessa altura e Ricciardo assumiu o quarto lugar, mas sob pressão de Gasly. O francês levou a melhor e passou Ricciardo.

Zhou Guanyu também foi obrigado a desistir da corrida com problemas na unidade motriz, abdicando do 10º numa corrida que estava a ser muito boa para o chinês. Nessa altura, Vettel voltava a atacar Ocon, um ataque que foi bem sucedido na volta seguinte.

Na volta 25, a meio da prova, o top 10 era constituído por Verstappen, Pérez, Russell, Gasly, Ricciardo (ainda sem ter parado), Hamilton, Tsunoda, Vettel, Ocon (ainda sem ter parado) e Magnussen. Hamilton passou Ricciardo na volta seguinte e assumiu o quinto lugar.  Alonso vinha com um grande ritmo e tratou de passar Magnussen e Ocon em duas voltas, voltando aos pontos. Hamilton queixava-se de dores nas costas, devido ao porpoising, uma situação que provavelmente também perturbava George Russell que estava isolado na terceira posição. 

Na frente, Verstappen liderava como queria, era dois mais rápidos em pista e tinha quase 10 segundos de vantagem para Pérez, que tinha 18 segundos de vantagem para Russell, que por sua vez tinha 21 segundos de vantagem para Gasly.

Na volta 33, o Haas de Magnussen apareceu parado na pista, mais um carro com unidade motriz Ferrari a parar, o que provocou mais um Virtual Safety Car. A Red Bull aproveitou para trocar de pneus nos seus dois monolugares, mantendo os lugares e assegurando a integridade dos pneus até ao fim da corrida. Russell também aproveitou, tal como Gasly e Hamilton. Ricciardo também parou e colocou os pneus médios entrando em pista em nono, à frente do seu colega de equipa. Os Alpha Tauri ficaram em pista e não aproveitaram o VSC para trocar de pneus, tal como Vettel. 

Hamilton despachou Tsunoda na volta 36, uma volta após o fim do VSC e era quinto. Mas o japonês tinha um problema na sua asa traseira, que partiu ao meio e que iria obrigar o #22 a desistir da corrida. Mas a equipa decidiu usar fita cola para segurar a asa, com o japonês a cair para fora dos pontos. 

A dez voltas do fim, Verstappen tinha ordens para não usar o DRS e Lewis Hamilton atacava Gasly, com o britânico a esquecer as dores e a tentar chegar ao quarto lugar, o que conseguiu na volta 44. 

A McLaren usou ordens de equipa e deixou Ricciardo atacar Alonso pelo sétimo lugar, com Norris à espera do que faria Ricciardo. Houve algum desconforto por parte de Norris quanto à decisão da equipa em manter os lugares, pois considerou que tinha mais andamento que Ricciardo. Lance Stroll foi obrigado a desistir devido a vibrações muito intensas.

No final, Verstappen cruzou a linha de meta em primeiro lugar, seguido de Pérez e Russell. Hamilton terminou em quarto, claramente limitado ao sair do carro, com dores nas costas (Canadá é já para a semana) e Pierre Gasly terminou num excelente quinto posto. Seguiram-se Vettel (grande corrida, mas sem aquele erro podia ter sido ainda melhor), Alonso (boa defesa no final), Ricciardo (bons apontamentos para se motivar), Norris (algo desagradado no final da corrida) e Esteban Ocon. 

Caro leitor, esta é uma mensagem importante.
Infelizmente o Autosport não pode continuar a disponibilizar os seus artigos gratuitamente.
Já não é viável ter uma equipa de jornalistas profissionais sem que possamos vender o produto do nosso trabalho.
Tal como os jornais e revistas são pagos, também os conteúdos editoriais digitais terão que ser pagos.
Por favor subscreva o Autosport Exclusivo e ajude-nos a manter esta máquina em andamento!
São apenas 2€ por mês, subscreva agora AQUI
Subscribe
Notify of
2 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
O Costa do Castelo
O Costa do Castelo
1 mês atrás

Li com atenção o filme da corrida descrito pelo Fábio Mendes, mas faltou um pormenor essencial e que por lapso terá passado despercebido ao autor, não se pode reparar em tudo, claro está… faltou relatar as dificuldades enormes que o Sainz, o Leclerc, o Zhou, o Magnussen, o Stroll, o Russel, o Perez e por fim o Verstappen, em sair dos carros, por causa das “costas”… estes foram os que eu pude ver, os outros com excepção do Hamilton não vi se foi fácil ou dificil… ridículo… a que acresce o ridículo daquela declaração pública do Tóto, sobre o pedido… Ler mais »

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  O Costa do Castelo
1 mês atrás

Muitíssimo bem escrito! “hahahaha”

Cumprimentos

Caro leitor, esta é uma mensagem importante.
Infelizmente o Autosport não pode continuar a disponibilizar os seus artigos gratuitamente.
Já não é viável ter uma equipa de jornalistas profissionais sem que possamos vender o produto do nosso trabalho.
Tal como os jornais e revistas são pagos, também os conteúdos editoriais digitais terão que ser pagos.
Por favor subscreva o Autosport Exclusivo e ajude-nos a manter esta máquina em andamento!
São apenas 2€ por mês, subscreva agora AQUI
últimas F1
últimas Autosport
f1
Autosport

GRÁTIS
BAIXAR