/formula1/f1/photo-finish-perder-um-cabelo-na-f1/
 

Photo Finish: Perder por um ‘cabelo’ na F1


Ganhar é sempre bom. Perder, nunca – mas é muito pior quando se perde por um… cabelo. Para gáudio da emoção, houve muitos casos assim. Comecemos pela Fórmula 1…

Na F1, a menor diferença entre ganhar e perder foi no GP de Itália de 1971, quando Peter Gethin venceu a sua única corrida na competição maior do automobilismo desportivo. 0,10s separou o britânico de Ronnie Peterson. Essa distância – o ‘nariz’ de um carro de F1, ou talvez menos, dada a velocidade média desse GP, 242,615 km/h, que o tornou na corrida de F1 mais rápida de sempre durante três décadas – manteve-se sem concorrente até ser batida, por 0,011s, por Rubens Barrichello, quando o brasileiro ganhou ‘por engano’ de Michael Schumacher o GP dos Estados Unidos de 2002 – uma corrida de infame memória e de desgosto para quem verdadeiramente gosta de automobilismo e de emoção.

Mas, com 31 anos de distância entre as duas provas e todo um mundo diferente de medir o tempo, até aos milésimos de segundo, coisa que não existia em 1971, fica a dúvida de qual terá sido, realmente, o GP que foi ganho com a menor distância entre vencedor e vencido. Uma certeza, porém, existe, nítida: enquanto o GP norte-americano foi uma nódoa na F1, o de Itália, em 1971, foi dos mais belos e renhidos de uma História que começou a 13 de maio de 1950, em Silverstone, Inglaterra. Dentro de uma semana, falaremos das outras ‘coisas’ – do WRC, do ‘Nacional’ de Ralis, de Le Mans, das Indy 500… , também, de algumas das maiores distâncias entre 1º e 2º – só para que conste.

AS MENORES DIFERENÇAS NA F1
1 GP Itália 1971 – 0,010s (Peter Gethin bateu Ronnie Peterson)
2 GP Estados Unidos 2002 – 0,011s (Rubens Barrichello bateu Michael Schumacher)
3 GP Espanha 1986 – 0,014s (Ayrton Senna bateu Nigel Mansell)
4 GP Áustria 1982 – 0,050s (Elio de Angelis bateu Keke Rosberg)
5 GP Itália 1969 – 0,080s (Jackie Stewart bateu Jochen Rindt)
6 GP França 1954 – 0,100s (Juan Manuel Fangio bateu Karl Kling)
GP França 1961 – 0,100s (Giancarlo Baghetti bateu Dan Gurney)
7 GP Áustria 2002 – 0,182s (Michael Schumacher bateu Rubens Barrichello)
8 GP Grã-Bretanha 1955 – 0,200s (Stirling Moss bateu Juan Manuel Fangio)
GP Itália 1967 – 0,200s (John Surtees bateu Jack Brabham)
9 GP Espanha 1981 – 0,211s (Gilles Villeneuve bateu Jacques Laffite)
10 GP Bélgica 1974 – 0,35s (Emerson Fittipaldi bateu Niki Lauda)