E de Inglaterra vêm… ralis sem navegadores

Por a 22 Maio 2020 14:54

Esta manhã ficámos a saber que em Itália os adeptos que pretendam ir ver o Rali di Roma têm que se inscrever na internet e dizer para onde querem ir. Enquanto isso da Grã-Bretanha surgem notícias que referem a possibilidade de ralis… sem navegadores. É certo que os ingleses foram durante muito tempo adeptos dos ralis ‘secretos’, mas pode estar a chegar-se a algo muito exagerado.
O organismo que tutela os desportos motorizados em Inglaterra, o Motorsport UK emanou um comunicado em que poderá levantar a suspensão das competições a 1 de julho, mas nos ralis os navegadores não serão permitidos nos carros até que o governo britânico levante as regras de distanciamento social.
De acordo com o que Malcolm Wilson, Diretor da M-Sport, disse ao DirtFish: “Quando se olha para o que se passa em França, Itália, Bélgica, no Europeu de Ralis, as pessoas estão a escolher datas para as provas e não há qualquer menção a ralis sem navegadores. Acho esta afirmação um pouco desconcertante e bastante estranha”, disse Wilson referindo-se ao facto do documento referir “É pouco provável que a partilha de veículos, passageiros ou navegadores seja permitida enquanto se pretende respeitar o distanciamento social”.

Hugh Chambers, Motorsport UK CEO , terá percebido o alcance do que está escrito – algo estranho vir desculpar-se a seguir, será que não leu com atenção o próprio documento? – dizendo que este serve para estimular a discussão e não tem valor regulatório: “Posicionámos este documento muito como orientações, não estamos em condições de estabelecer as regras, é o que o governo faz em termos do que nos é permitido fazer na sociedade. Em termos da interpretação de cada aspeto da sociedade na forma como ela se modifica, é um exercício em constante mudança e estamos abertos a que as pessoas tenham formas criativas de lidar com ela”, disse.
Será que o Sr. Hugh Chambers, viu algo assim?


Este é mais um exemplo que como anda quase tudo um pouco perdido quando ao que fazer. O problema disto tudo é que se não houver bom senso, vai tudo por “água abaixo”…

7
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
z
Membro
z

A Fiat no final dos anos 70 já se estava a preparar para uma situação destas, quando colocou o navegador no banco de trás 😉

lemans1969
Membro
lemans1969

Não foi bem no banco de trás mas sim com o banco do navegador (dianteiro direito até porque o carro não tinha banco traseiro) mais recuado. Foi uma tentativa – frustrada – de transferir peso para o eixo traseiro que, na altura, era o único com força motriz.

Hoje em dia, com a tracção integral e a distribuição de pesos calculada ao grama, não há motivos para que isso aconteça se bem que hajam alguns (poucos) navegadores que continuem a exercer as suas funções numa posição um pouco mais recuada. 👍

z
Membro
z

Eu estava a brincar um pouco, porque até nessa altura não sei como os deixaram correr, pois o navegador já ia fora do roll-bar.

lemans1969
Membro
lemans1969

Claro ! Também não levei o seu comentário para o campo das ‘más intenções’.

Cumps.

lemans1969
Membro
lemans1969

Fora do roll-bar não deveria ir porque naquela altura (finais dos anos ’70) os carros já tinham roll-bar integral.

lemans1969
Membro
lemans1969

E tenho ideia que isto se verificou mais em relação ao Christian Geistdörfer.

christopher-shean
Membro
christopher-shean

O Rohrl experimentou com isso no 131…

últimas Ralis
últimas Autosport
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.