Perseguições automóveis: O Top do AutoSport


Sétima Arte. Vasculhámos os arquivos de Hollywood e elegemos aquelas que achamos serem as cinco melhores perseguições da história do cinema. Cenas de tirar o fôlego que apaixonaram os fãs e geraram gigabytes de discussão ao longo dos anos.
Se gosta de carros mas ainda não viu algumas destas passagens, há sempre a palavra mágica “Youtube” para remediar o caso. Aperte o cinto e boa viagem! De referir que só foram considerados os ‘clássicos’ com mais de 10 anos. De qualquer forma, duvidamos que algum mais recente seja melhor que qualquer um dos cinco escolhidos…

1º Bullitt
Ano: 1968
As máquinas: Ford Mustang GT 390, Dodge Charger
O protagonista: Steve McQueen
É a escolha clássica quando se fala em perseguições cinematográficas. Ao contrário dos artifícios acrobáticos em Matrix, ou dos cenários apocalípticos de Mad Max, a célebre perseguição em Bullitt apenas é “pintada” pelo som musculado do Mustang GT 390 (guiado por McQueen) e do rival Dodge Charger (Bill Hickman). A cena foi filmada nas ruas de São Francisco (com saltos espectaculares nos característicos declives da cidade) e demorou duas semanas a concluir. São quase 10 minutos de acção motorizada – pura e dura.
Curiosidades: McQueen fazia questão de se inclinar sobre a janela para que o espectador visse que era ele quem guiava e não um duplo. Contudo, as cenas mais arriscadas foram feitas pelo famoso ‘stuntman’ americano, Carey Loftin. Ao que consta, McQueen comprou o Mustang depois do filme.

2º Ronin
Ano: 1998
As máquinas: BMW M5, Peugeot 406, Audi S8, Citroën XM
Os protagonistas: Robert De Niro, Jean Reno, Natascha McElhone
Ronin não tem uma das melhores perseguições da história: tem duas. Coincidência ou talvez não, ambas opõem um modelo alemão a um modelo francês: um BMW contra um Peugeot por entre ruas, túneis e auto-estradas de Paris; e um Audi contra um Citroën nas vielas e paisagens rurais de Nice. Tudo com um realismo incomparável, sem efeitos computadorizados. Apenas o notável trabalho de coordenação e coreografia ao volante.
Curiosidades: O filme estava em exibição quando a Princesa Diana morreu num túnel semelhante ao que é utilizado na perseguição de Paris. Com consequência, várias pessoas pediram que Ronin fosse reeditado ou retirado das salas de cinema. Um dos duplos do filme é o antigo piloto de Fórmula 1, Jean-Pierre Jarier.

3ª Mad Max 2
Ano: 1981
As máquinas: Mack R-600, Ford Falcon, Holden Monaro, Ford F-100, Yamaha 1100 XSE, veículos especiais, entre outros.
O protagonista: Mel Gibson
Se está a ler o AutoSport e tem mais de 35 anos é muito provável que já tenha visto e revisto Mad Max nas saudosas cassetes VHS. Talvez seja aquela ambiência anárquica do Fim dos Tempos, ou a maquinaria infernal que parece nunca ter visto uma estação de lavagem automática, ou simplesmente o “appeal” de Mel Gibson. O certo é que a perseguição final de Mad Max 2 capta a nossa atenção como se Carla Matadinho que estivesse dentro daquele camião Mack. Na longa e dramática cena, uma parafernália de “aparelhos com rodas” tenta deter um peso-pesado guiado por Gibson. De cortar a respiração.
Curiosidades: Mad Max é uma das mais célebres produções australianas. Mas havia um ligeiro senão: o sotaque pronunciado tornava os diálogos praticamente incompreensíveis para o público americano e inglês. A famosa perseguição final quase não tem diálogos – só carnificina automóvel.



4º The French Connection
Ano: 1971
As máquinas: Pontiac LeMans, metro de superfície (Nova Iorque)
O protagonista: Gene Hackman
Só para variar, aqui a perseguição não é a um carro mas sim a um comboio desviado que circula vários metros acima do chão. Lá em baixo, o fantástico Gene Hackman acumula mais infracções do que um condutor com 3g de álcool no sangue. Mas a intensidade e o realismo da cena tornam-no um clássico do cinema americano.
Curiosidades: “The French Connection” ganhou cinco Óscares em 1972, entre eles de Melhor Filme.

5º The Matrix Reloaded
Ano: 2003
As máquinas: Cadillac Escalade EXT, Cadillac CTS, Pontiac Firebird, Ducati 996
Os protagonistas: Carrie-Anne Moss, Laurence Fishburne
Para os ‘matrixomaníacos’, este é um festim de velocidade sem igual. Na cena escolhida, os tipos “maus” – dois agentes albinos de fato branco e com cabelo ‘rasta’ – perseguem os “bons” – Morpheus e Trinity (que acaba numa Ducati) – deixando pelo caminho uma espécie de pequeno holocausto rodoviário. Ao todo, 17 carros, um SUV, dois Chevrolet Impala da polícia, um Jeep e três camiões são pulverizados na Segunda Circular lá do sítio. E sempre com aqueles momentos “anti-Leis da Física” que fazem Sir Isaac Newton dar voltas na sepultura.
Curiosidades: Com quase 17 minutos, esta é uma das mais longas cenas de perseguição da história do cinema. Foi construída uma via rápida com quase 2,5 km propositadamente para as filmagens.

O universo das corridas no grande ecrã
Le Mans
Ano: 1971
As máquinas: Ferrari 512 S, Porsche 917 K
O protagonista: Steve McQueen

Considerado o melhor filme sobre corridas de automóveis, mesmo sem ter tido grande sucesso comercial. Le Mans foi o realizar de um sonho para o aficionado Steve McQueen. É quase um documentário sobre La Sarthe, sobre os seus pilotos e os espectaculares protótipos da década de 70.

Curiosidades: O piloto inglês David Piper perdeu parte de uma perna num acidente ocorrido durante as filmagens.

Dias de Tempestade
Ano: 1990
As máquinas: Chevrolet Lumina e outros carros da NASCAR
O protagonista: Tom Cruise

Cole Trickle (Cruise) é o esterótipo do jovem lobo no desporto automóvel americano. Os altos e baixos da luta pela afirmação na NASCAR são o argumento de um filme inesquecível que lançou Tom Cruise definitivamente para o estrelato.

Curiosidades: City Chevrolet, o patrocinador do carro verde de Tom Cruise no início do filme, é um concessionário na área de Charlotte pertencente a Rick Hendrick, dono de uma equipa na NASCAR.

Os flops

Numa indústria tão prolífica é inevitável terem surgido “sub-produtos” que nunca atingiram a qualidade de alguns dos filmes que abordámos anteriormente. “Driven”, com Sylvester Stallone, é um desses casos. O actor norte-americano foi visto em Grandes Prémios de F1 e especulou-se que estaria a preparar um filme sobre o Mundial ou até sobre Aytron Senna. No final, o campeonato CART foi o palco de um dos maiores falhanços de bilheteira na carreira de Stallone. Também a saga “Velocidade Furiosa” tem as suas debilidades artísticas, nomeadamente o constante ultrapassar do limite real, seja nas exageradas perfomances dos carros ou simplesmente na sua decoração. E nem os actores são particularmente brilhantes… mas isso não é uma condição ‘sine qua non’ quando se trata de carros!

Caso nacional

Duarte & Companhia, lutar contra o crime num 2CV

A série fez sucesso e aquele 2CV vermelho também. Duarte tinha a companhia de Joaninha, Tó, Átila, Lúcifer e das famosas murraças do Rocha, num dos maiores clássicos da televisão portuguesa dos anos 80.