F1: O sonho de Albon e o pesadelo de Gasly

Por a 12 Agosto 2019 13:45

Mais uma vez a Red Bull é o palco dos sonhos de uns e do pesadelo de outros. Pierre Gasly foi do sonho ao pesadelo em meia época enquanto Albon viu a sua carreira dar um salto de forma exponencial no mesmo espaço de tempo.

A saída de Ricciardo da Red Bull abriu uma vaga para colega de equipa de Max Verstappen. O programa de jovens pilotos da marca de bebidas energéticas atravessa uma fase de menor fulgor e a substituição de do australiano, embora simples no papel, não deixou a estrutura à vontade. Pierre Gasly, estreante em 2018 tinha feito excelentes prestações na Toro Rosso, mas ficou no ar a ideia de que os responsáveis achavam que o francês estava ainda algo “verde”. Ainda assim, era a única opção disponível, pois Brendon Hartley desiludiu e não mostrou capacidade para assumir o lugar da Red Bull.

Gasly é um jovem talento que acusou demasiado a pressão de chegar à Red Bull. O sucesso que teve nas categorias de iniciação era uma excelente amostra do que o jovem poderia fazer e os brilharetes na Toro Rosso, em especial no GP do Bahrein, no Mónaco e na Hungria davam a entender que com tempo e paciência, Gasly poderia afirmar-se na F1.

Mas a época do francês começou logo a correr mal em Barcelona. O ritmo estava muito longe do de Max Verstappen (comparação injusta) e os incidentes em pista retiraram a confiança necessária para assumir este novo desafio. As quatro primeiras corridas do ano foram pobres e a pressão começou a subir. Foi logo aí que a sua época começou a ficar comprometida. Seguiu-se uma série de seis corridas nos pontos, sempre a alguma distância de Verstappen mas com alguma evolução. As provas austríacas e britânicas pareciam mostrar um Gasly finalmente no rumo certo, mas na Alemanha e na Hungria voltaram as más exibições.

Gasly não é inocente neste processo. O francês não conseguiu encontrar soluções para dar a volta à situação, nem pareceu ter força mental para superar-se. Na F1 apenas os melhores e os mais fortes conseguem ter sucesso. O talento está lá, mas se faltar a parte mental o resto dificilmente se evidencia.

O percurso de Albon é diametralmente oposto. Um piloto que chegou a pertencer ao programa de jovens da Red Bull, foi dispensado e começava a ver o sonho da F1 cada vez mais distante, tendo já acertado um contrato com a Renault na Fórmula E no início de2019. A Red Bull voltou a apostar nele e trouxe-o para a Toro Rosso onde desde cedo confirmou o talento que todos lhe atribuíam. Apesar de não ter um título nas categorias de iniciação (excluindo os karts, onde teve uma carreira recheada de sucessos) Albon sempre foi respeitado pelos seus adversários. Na Toro Rosso, apesar de alguns erros iniciais, surpreendeu pela maturidade e velocidade, ele que não tinha testado com um F1 antes de chegar a Barcelona para os testes de inverno. Tem evoluído de forma muito positiva e merecido a oportunidade que lhe foi dada.

Será a despromoção de Gasly justa?

Pelos resultados apresentados sim. A diferença de andamentos em comparação com Verstappen é gigante e embora ninguém lhe exigissem andar ao mesmo nível, devia ter estado mais próximo do seu colega. No entanto esta despromoção é demasiado dura e pode complicar a vida do francês na F1. Daniil Kvyat é o melhor exemplo disso, ele que sofreu na pele a mesma situação e apenas a fase menos profícua no programa de jovens da Red Bull permitiu o regresso. Será preciso uma força mental muito grande para conseguir recuperar deste golpe e neste momento não é certo que Gasly o consiga. A Red Bull deveria ter aprendido com os erros dando liberdade ao francês para errar e evoluir ao seu ritmo e no fim do ano tomar uma decisão. Despromover um jovem piloto a meio de uma época parece ser um golpe demasiado rude. O talento de Gasly merecia um pouco mais de paciência. A paciência que se exige a quem aposta em jovens. É que Albon não é a garantia de pontos que a equipa procura nesta fase.

É a chamada de Albon justa?

Pelo que mostrou, Albon tem tudo para ser um dos mais sólidos talentos da F1 no futuro, se evoluir bem. Mas esta chamada à Red Bull parece chegar um pouco cedo demais. Daniil Kvyat era também outra opção, até já tem experiência na Red Bull e conquistou um pódio este ano. Com esta decisão a Red Bull consegue desmotivar dois pilotos de uma vez, o despromovido e o colega do promovido que está 11 pontos acima. O comunicado de imprensa diz que a estrutura está a optar por um esquema de rotatividade entre pilotos, mas todos sabem que está agora nas mãos de Albon ficar na Red Bull e que as esperanças de Gasly e Kvyat são menores agora.

Mas por outro lado esta chamada de Albon traz alguma justiça pelo talento do jovem e mostra que na F1 ainda é possível (muito raramente) que pilotos que estiveram na porta de saída cheguem ao topo. É uma espécie de conto de fadas à velocidade de uma volta de qualificação. Veremos é se o sonho não passa a ser um pesadelo daqui por seis meses.

12
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
can-am
Membro
can-am

O Gasly nunca enganou ninguém.Repetiu 3 anos a F2 o que não é bom etc.Pelo menos a mim nunca me enganou.Sempre o considerei um piloto mediano.Mas teve a chance dele para mostrar o que valia, o que está correcto.
Na Toro Rosso provavelmente será igualmente batido pelo Kvyat.

obernardo93
Membro
obernardo93

completamente de acordo! deviam ter aposto a uns anos no nosso piloto!

Pity
Membro
Pity

Hoje digo: ainda bem que não o fizeram! Se tem entrado e as coisas não corressem bem, fosse qual fosse o motivo, levava um chuto no traseiro, como o Kvyat e o Gasly. Actualmente, pertencer à estrutura Red Bull, é como entrar numa roleta russa.

RedDevil
Membro
RedDevil

A RedBull oferece um “palco privilegiado” aos seus pilotos. Têm sempre um bom chassis e aerodinâmica de topo, e não tem a pressão de uma Ferrari ou Mercedes. Os “grandes” só precisam de uma “vantagem” para brilhar e quem se senta num RB tem várias. Tal como o Kvyat, este também não mostrou ter aquela “estrelinha” que faça a RB o querer na 1ª equipa, a RB quer pilotos que deem visibilidade à marca e para isso têm de colher “bom barulho” nos media… quem não “produzir” esse “barulho” não tem lugar na estrutura… não se esqueçam que a RB… Ler mais »

Eu_não_sou_o_frenando_afondo
Membro
Eu_não_sou_o_frenando_afondo

Só espero que não queimem o Albon… Estou para ver as declarações do Helmut sobre o piloto a partir de agora. Depois do show de pressão que foi com o Gasly, já o estou a ver a fazer declarações do estilo “ele tem de bater o Max se quer ficar” ou “Ele vem para uma grande equipa, se não acabar no pódio fica em risco de sair” ou o costumeiro “temos vários pilotos para o substituir, tem de trabalhar duro para ficar”. Enfim, declarações sem pressão nenhuma. lol

pedro_speed
Membro
pedro_speed

Na realidade é um promoção demasiado cedo na sua carreira, mas o Albon pode perfeitamente cumprir com os mínimos. É certo que vai ter pressão do Helmut Marko, mas se terminar as corridas regularmente no top 6 e algumas logo atrás do Max, na classificação, mesmo que seja a 20 ou 30 seg já está a cumprir com os mínimos. Agora, terminar em 10º a quase 1 volta do seu colega que terminou em 4º (GP da França), terminar em 7º a 1 volta do Max, quando este ganhou na Áustria, levar um baile de condução do próprio Albon (GP… Ler mais »

Eu_não_sou_o_frenando_afondo
Membro
Eu_não_sou_o_frenando_afondo

Sim, eu percebo a despromoção. Só não percebo as declarações estilo num dia era uma coisa, noutro já era diferente. Por exemplo após a alemanha, em que Gasly bate em Albon e com isso estraga a sua corrida. A RB veio dizer que não iam trocar ninguém. E após a Hungria, mesmo com a boa prestação de Kvyat, lá veio Helmut dizer que “na boa puto, não vamos trocar ninguém, fica tudo na mesma até ao final do ano”. É isso que critico, e é isso que acho que Albon vai ter de saber lidar, porque vai ter pressão de… Ler mais »

sr-dr-hhister
Membro
sr-dr-hhister

Acho que Gasly devia ficar até ao fim do ano, mas pronto, a realidade é que não cumpriu, longe disso. Pode ser um presente envenenado para Albon. Kvyat tem feito uma época muito boa e é muito mais experiente, acho que merecia o lugar de volta e adorava ver o que fazia contra Max.

alexname
Membro
alexname

Estas chicotadas psicológicas decalcadas do futebol metem nojo… A Red Bull tem demonstrado uma criatividade sem precedentes na fórmula 1. Infelizmente fá-lo quase sempre pela negativa. Senão vejamos: 1. Criação do conceito de equipa B 2. Chicotadas psicológicas com trocas e despedimentos de pilotos extemporaneamente 3. Detrimento de pilotos em favor de outros por questões financeiras 4. Constantes ‘alfinetadas’ aos seus parceiros Nem as ameaças cíclicas da Ferrari de abandonar a fórmula 1 chegam aos calcanhares das também já anunciadas pela Red Bul. Apesar de reconhecer o ‘mérito financeiro’ para reter há anos o projectista mais genial que apareceu na… Ler mais »

Koluirty
Membro
Koluirty

Nao ha despedimentos de pilotos, o contrato deles é para pilotar num dos 4 carros patrocioniados pela Red Bull

Brunex717
Membro
Brunex717

Para mim,ainda há alguém que deve estar muito arrependido de ter dispensado o AFC

MP67
Membro
MP67

Desde o início da temporada se percebeu que o Gasly e o Kubica dificilmente se aguentavam. O pior de todos,?, vai aguentar até o pai comprar a Mercedes e ele não sair da Q3.

últimas F1
últimas Autosport