F1: McLaren focada em 2020, não muda os planos apesar do quarto lugar

Por a 11 Setembro 2019 15:45

A McLaren continua a sua caminhada para a recuperação total e o regresso às lutas pelo título. É um caminho longo, mas que para já tem sido positivo com a equipa em quarto lugar do campeonato. Apesar deste ano bem mais positivo, a equipa não muda de objectivo e apenas está focada em melhorar, sem dar grande importância à luta pelo quarto lugar, mais ainda com a reaproximação da Renault nas últimas provas:

“É claro que queremos lutar pela quarta posição o máximo possível, mas ao mesmo tempo para mim é muito mais importante dar o próximo passo com o carro do ano que vem”, disse o chefe da equipe, Andreas Seidl.

“Portanto, não quero comprometer o próximo ano, mudando o foco para este ano novamente. Temos um plano para o que queremos fazer este ano, temos um plano para o próximo ano, e é assim que iremos fazer. Planeamos trazer peças – não grandes actualizações, mas apenas pequenas coisas continuamente – para as próximas duas ou três corridas, pelo menos. Só precisamos ver quando nos focaremos totalmente o carro do próximo ano. Ainda é algo que está aberto. “

A corrida de Monza ficou marcada com o erro na paragem nas boxes de Carlos Sainz, que saiu com uma roda mal apertada, acabando assim com a sua corrida que poderia dar um sexto lugar.

“Acho que a corrida do Carlos correu como esperado, e estávamos prontos para um P6 que seria de limitação de danos, porque vimos em Spa e Monza que estávamos com dificuldades com o nosso pacote de baixo apoio aerodinâmico”, disse Seidl. “Portanto, é obviamente decepcionante acabar apenas com apenas um ponto e com a Renault marcando tantos pontos.

“Agora, como equipa, é importante reagrupar, redefinir, analisar o que aconteceu em detalhes no pit stop e esperar que ao voltar para pistas com maior exigência aerodinâmica, voltem também os níveis de performance que tínhamos antes da pausa”.

6
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
can-am
Membro
can-am

A Mclaren pouco mais pode subir com os motores, pilotos e estrutura que tem.
Realisticamente, é dificil à Mclaren voltar a ser a força dominante que foi décadas atrás na F1.Não se chama Ferrari, chama-se Mclaren !

vitormmrgmail-com
Membro
vitormmrgmail-com

Meu caro a Ferrari é dominante? Segundo a minhas contas a Ferrari já não ganha desde 2007 e desde aí quem dominou foi a Redbull e depois Mercedes. Até a Brawn ganhou. E a única coisa que é dominante é adaptação às regras. Até mudança das novas regras a McLaren tem de fazer o seu trabalho de aproximação para em 2021 poder dar o salto com a mudança das regras.
Mas realisticamente vai ser muito difícil destronar a Mercedes…

Lagaffe
Membro
Lagaffe

A diferença é o orçamento da Ferrari e da Mclaren…

can-am
Membro
can-am

Quero-me referir dominante e não é pouco, no sentido de ter um estatuto previligeado junto da FIA, em termos de regulamentos técnicos, dinheiros, etc.Nunca poderia acontecer à Ferrari o mesmo que aconteceu a uma Mclaren ou a uma Williams.Nunca neste mundo.É muito grande e tem muito “peso”.Tem sempre um colinho protector. Só quem for mesmo desatento não vê esses ” pormenores”.

Eu_não_sou_o_frenando_afondo
Membro
Eu_não_sou_o_frenando_afondo

Hein? Se há equipa na grelha da actual F1 que pode voltar às vitórias e títulos é a Mclaren. Tem tudo para isso. Know-how, estrutura, orçamento e está saudável financeiramente.

Lisboa
Membro
Lisboa

Qual é a equipa com motores cliente, sem parceria e apoio total de fábrica, que tenha vencido um mundial de F1? Brawn em 2009? Era cliente, mas teve apoio da Mercedes e uma ajuda do caraças da FIA/Max Mosley em permitir que andassem com carros à margem dos regulamentos. Bennetton em 1995? Também era uma cliente sem uma verdadeira parceria, mas aqueles motores Renault, eram idênticos aos dos Williams. Provavelmente, temos de recuar aos longínquos finais dos anos 70 e inícios dos anoa 80, para vermos equipas (ou como dizia o Enzo Ferrari, garagistas) a vencerem com motores verdadeiramente clientes,… Ler mais »

últimas F1
últimas Autosport