F1: Guenther Steiner cético quanto ao teto orçamental

Por a 13 Novembro 2019 15:30

O teto orçamental é uma das grandes novidades para 2021, concebido para diminuir as diferenças entre as equipas. Com as equipas grandes a gastar significativamente mais do que as restantes, esta limitação pretende tornar o grid mais compacto, evitando que as equipas gastem em demasia em busca de mais performance exacerbando as diferenças.

Guenther Steiner não acredita que as diferenças serão eliminadas:

“Acho que no começo o tecto orçamental – como está definido agora – diminuirá a diferença, mas não eliminará a diferença. Estamos longe de gastar 175 milhões neste momento, e as grandes equipas estão bem acima desse valor. As grandes equipes precisam diminuir e chegarão aos 175 milhões, mas a maioria das outras equipas está dentro desse valor. Espero que isso diminua a diferença para começar, e depois veremos. Talvez haja um segundo passo tecto orçamental”.

O responsável da equipa Haas falou também do uso de peças standardizadas por parte de todas as equipas, não se mostrado contra o seu uso, defendendo que a grande maioria do desenvolvimento na F1 é feito na parte aerodinâmica do carro:

“O desenvolvimento, quaisquer que sejam os regulamentos, está sempre na aerodinâmica”, explicou. “Essa é a principal parte a desenvolver. Ainda há liberdade suficiente para desenvolver o carro para torná-los diferentes uns dos outros. Vamos tentar obter um pouco mais de desempenho do que nossos concorrentes. O fundo plano é sempre uma das coisas mais importantes num carro de Fórmula 1. Sempre foi importante e continuará, por isso não mudará muita coisa a esse respeito.”

A menor rapidez dos carros (3 – 3.5 seg. mais lentos) não preocupa também Steiner que considera que este “atraso” é motivado pela incerteza na aerodinâmica dos carros e não pelo peso, que tanto tem sido falado:

“Ninguém quer carros mais pesados ​​nas corridas em geral, e mais ainda na Fórmula 1”, ele admitiu. “Não faz os carros parecerem tão suaves quando andam por aí. Com toda a tecnologia, os aspectos de segurança e a tecnologia híbrida, não podemos prescindir disso. Não acho que os 25 quilos sejam o maior factor para tornar os carros mais lentos – é mais a aerodinâmica. Talvez no começo não estejamos onde queremos estar, mas tenho certeza de que os carros voltarão a ser tão rápidos quanto agora. Depende muito dos pneus também. ”

1
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
jo16061702
Membro
jo16061702

Estão a querer matar a F1 atual que vinha a ser bem interessante até. Lutas boas na frente, natural distância para os mais pequenos que também nos davam boas lutas entre so . Mas sempre foi assim e assim é que faz sentido. F1 não é para ser um troféu. Além de que vão mitigar uma das componentes da F1 que é o desenvolvimento constante e as inovações de ponta

últimas F1
últimas Autosport