F1: Alterações à curva Parabólica serão avaliadas

Por a 11 Setembro 2019 09:30

Depois do incidente de Spa na corrida de F2, o regresso das caixas de gravilha voltou a ser falado, sendo olhada como uma solução que, aplicada de forma correcta, pode aumentar a segurança. A anulação do tempo de Sebastian Vettel em Monza voltou a dar mais força a este tema com o regresso da caixa de gravilha à curva Parabólica, para evitar exageros dos pilotos.

Michael Masi, director de corrida da F1, acredita que o regresso da gravilha à curva Parabólica poderá resolver a questão dos limites de pista:

“Pelo que entendi, costumava ser assim há muito tempo atrás”, disse ele. “Nós temos que olhar para tudo. Trazer de volta a gravilha, usar um limitador duplo e gravilha, relva… Todas as várias soluções que temos disponíveis devem ser olhadas. ”
Masi disse que outra solução poderia ser manter a pista como está, mas adicionar um loop electrónico de tempo semelhante ao usado no Raidillon em Spa, para detectar automaticamente se um piloto ultrapassou os limites.

“Não é tão simples quanto dizer” sim, vamos resolver isso “. Há vários factores que devem ser analisados. “

Uma nova solução será vista antes da corrida do próximo ano, acrescentou Masi. “Provavelmente para o próximo ano, se houver alterações, analisaremos o assunto com nosso departamento de segurança e os inspectores de circuito, faremos várias simulações e também discutiremos com o circuito. Para mim a solução passa por uma espécie de área nobre em que você possivelmente colocaremos loops de tempo semelhantes aos que temos no Spa. Dessa forma, é automático. Qualquer coisa que possa ser automatizada torna todas as nossas vidas muito mais fáceis“, acrescentou.

A questão dos limites de pista é já antiga. Se por um lado, por motivos de segurança, as escapatórias de asfalto são a solução preferencial, os pilotos são unânimes em defender pistas com limites de pista bem definidos, quer seja com relva ou gravilha. Foi assim quando em 2014 a Parabólica foi alterada para esta nova configuração, sem asfalto.

Filipe Albuquerque vive a realidade de uma competição FIA em que os limites de pista são preferencialmente em asfalto e de uma competição americana, tradicionalista, em que os limites de pista são normalmente em relva. O português não tem duvida em dizer que prefere a solução americana, que elimina exageros e dúvidas, além de favorecer os melhores pilotos, pois assim só os melhores conseguem ir buscar aquele último décimo, sem medo de errar e sair de pista.

4
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
jcmr
Membro
jcmr

limites com relva

jem
Membro
jem

Se têm solução, como parece, não compliquem nem estraguem.

Pity
Membro
Pity

Têm um ano para estudar as alterações nestas pistas. Noutras, se houver necessidade, talvez tenham menos tempo, mas façam-no com cabeça, não em cima do joelho, como era hábito há uns anos atrás.

el14
Membro
el14

e se colocassem um limitador ao longo de toda a curva

últimas F1
últimas Autosport