LEMBRA-SE DE BERND ROSEMEYER: O homem sem medo


Depois da sua morte, Rudolf Caracciola, um dos seus mais coriácios adversários, rendeu-lhe a maior homenagem possível: «Literalmente, o Bernd não sabia o que era o medo. E, por vezes, isso não é bom. Em todas as corridas, sentíamos todos medo por ele. Mais cedo ou mais tarde, isto tinha que acontecer!»

“Isto”, foi a sua morte, a 28 de Janeiro de 1938, aos 28 anos, num troço da auto-estrada Frankfurt-Darmstadt, junto do cruzamento de Langen-Morfelden, onde hoje exite um singelo monumento em sua memória. Nesse dia, os homens da Mercedes, comandados por Alfred Neubauer e que incluia os pilotos Caracciola e Manfred von Brauchitsch, e os da Auto Union, com Rosemeyer como piloto, encontraram-se para bater o recorde mundial de velocidade em terra.

Na véspera, Caracciola tinha estabelecido a marca de 432 km/h. Rosemeyer, manhã cedo do dia 28, foi um dos primeiros a felicitar o seu rival: «Agora, é a minha vez.» Depois das duas primeiras tentativas – o recorde era homologado pela média de três “runs” – Rosemeyer regressou, deu a volta com o seu Streamliner e preparou-se para a tentativa final.

Os homens da Mercedes ainda procuraram dissuadi-lo, pois o vento estava cada vez mais forte; Bernd negou-se a desistir e partiu. O ruído do motor do Auto Union afastou-se… e deixou de se ouvir. Toda a gente correu ao longo da estreita faixa de cimento esbranquiçado e, junto à saída nº 5, depararam-se com os restos do Auto Union, num barranco. Mais longe, estava o corpo do piloto. Estima-se que o acidente tenha acontecido quando seguia a cerca de 440 km/h. Este foi o final esperado para aquele que foi um dos mais rutilantes e efémeros diamantes das provas de GP antes da Segunda Guerra. Filho do dono de uma oficina, cedo Bernd se familiarizou tanto com motos como com automóveis. Começou, por isso, a correr em duas rodas, mas depressa se juntou à equipa oficial da Auto Union. A sua maestria em dominar aqueles monstros de mais de 500 cv só encontrava paralelo em Tazio Nuvolari. Rosemeyer venceu o seu primeiro GP em 1935, em Brno e, no ano seguinte, foi Campeão Europeu de GP.