WRC, Sébastien Ogier: A rivalidade com Loeb, e a influência de Senna

Por a 22 Maio 2020 11:57

A famigerada rivalidade entre Ogier e Loeb fez pelo WRC aquilo que os duelos entre Senna e Prost tinham feito pela Fórmula 1. Há alguma tempo atrás, falámos com Sébastien Ogier e Sébastien Loeb em Portugal. O alsaciano confirmou que ele e Ogier não são propriamente amigos mas que falam pontualmente: “Sim, eu e o Seb Loeb falamos de vez em quando, desta última vez por causa de uma oportunidade de investimento na área dos helicópteros, e queria saber o que ele achava.”
Voltámos à carga: E os problemas que existiram entre vocês em 2011 foram mais uma questão de personalidade? “Talvez. Não gosto de estar sempre a falar do que aconteceu mas em toda a minha vida sempre fui muito competitivo, precisava de competir com alguém e sobretudo, precisava de ganhar. Há pessoas para quem o 2º ou 3º lugares são bons resultados. Eu não sou assim. Para mim o segundo é o primeiro dos últimos. Quando chegas a um desporto há sempre uma referência e eu acho que deves respeitá-lo mas não temê-lo. Prost estava no topo da F1 quando Senna chegou, foi por isso que se tornou a referência do Ayrton. O Seb Loeb foi muito importante na minha carreira porque obrigou-me a dar o máximo em todos os momentos, em todos os aspetos. Respeitava-o mas não tinha medo dele, achava que o conseguia bater e isso era importante para mim”, apontou Ogier, que apesar de ter apenas 10 anos de idade quando Ayrton Senna morreu em maio de 1994, admite também que o brasileiro exerceu uma enorme influência na sua vida, mesmo depois daquele fatídico GP em Imola.
Quando lhe perguntámos o que recordava daquele Rali de Portugal de 2010, quando venceu a sua primeira prova no WRC, Ogier falou sucintamente da forma como aguentou a pressão de Loeb nos últimos dois dias, preferindo antes apontar uma efeméride curiosa. “O Ayrton ganhou a sua primeira corrida na F1 no Estoril em abril de 1985. Eu também ganhei o meu primeiro rali no WRC em Portugal, 25 anos depois.
Isso deixa-me orgulhoso. As pessoas podem não compreender mas ele era o meu ídolo e ainda hoje me fascina”, confessa Ogier.
Outro facto praticamente desconhecido para a maioria dos adeptos é que Ogier chegou a ser comissário de pista voluntário no GP do Mónaco de F1, em 2004 e 2005. “Era a forma de conseguir estar perto da corrida e de ‘sentir’ o ambiente tão especial daquele Grande Prémio. Como sabes, era ‘a’ pista do Ayrton… Fiquei ainda mais contente quando pude finalmente correr lá, com a Porsche Supercup em 2013. Seja qual for o carro, aquele circuito será sempre especial para qualquer piloto e para mim era uma espécie de troço de asfalto cheio de significado”.

Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
últimas Newsletter
últimas Autosport
Lost your password? Please enter your username or email address. You will receive a link to create a new password via email.