/ralis/wrc/top-5-os-melhores-carros-do-rali-de-portugal/
 

TOP 5 – OS MELHORES CARROS DO RALI DE PORTUGAL


Puxados ao limite e guiados por verdadeiros artistas, alguns dos melhores e mais emblemáticos carros que já passaram pelo Rali de Portugal até ao fim do Século passado…

1 – Fiat 131 Abarth – Sempre ganhador
Dos 25 modelos diferentes que já venceram o Rali de Portugal, o Fiat 131 Abarth foi o único que ganhou sempre que participou: em 1977, 1978 e 1981 com Markku Alen e em 1980 com Walter Rohrl. Apresentado no Salão de Genebra de 1976, conduziu a marca italiana a 18 vitórias no Campeonato do Mundo, das 21 que a Fiat conseguiu em todo o seu historial, totalizando ainda 46 pódios. A primeira vitória aconteceu no Rali da Finlândia de 1976 e a última precisamente no Rali de Portugal de 1981, já contra os poderosos Audi Quattro de tracção total.

2 – Lancia Delta Integrale – O mais emblemático
Seis vezes Campeão do Mundo, o Delta Integrale é lendário na história, tendo totalizado 35 vitórias, das 73 conquistadas pela Lancia na disciplina. Sucessor do Delta HF 4WD, o Integrale não facilitou a vida a ninguém no final da década de 80, permitindo, por exemplo, que Miki Biasion se sagrasse duas vezes Campeão do Mundo de Pilotos e assinasse um inédito ‘hat-trick’ na prova portuguesa.

3 – Audi Quattro – Tracção total
Em 1981, a Audi fez história no Mundial de Ralis ao introduzir o inovador sistema Quattro, a palavra italiana escolhida para representar o sistema de tracação integral permanente. O sucesso foi imediato, com o Audi Quattro a conquistar três vitórias consecutivas na sua época de estreia (Suécia, Sanremo e Grã-Bretanha). Por cá, o primeiro triunfo aconteceu em 1982 e logo por Michèle Mouton, na primeira e até agora única vitória feminina no Rali de Portugal. No ano seguinte, a Lancia ainda dominou no asfalto, mas quando chegaram as classificativas de terra foi novamente a Audi a ditar a lei, impondo mesmo uma ‘dobradinha’, com Mouton a secundar agora Mikkola, o finlandês que repete a vitória para a Audi em 1984.

4 – Toyota Celica – Ofensiva japonesa
A par do Audi Quattro, Mitsubishi Lancer e Subaru Impreza, o Toyota Celica, nas variantes GT Four (1988 a 1992) e Turbo 4WD (1992 a 1995) foi outro dos modelos a conquistar por três vezes o Rali de Portugal. Em 1991, com Sainz ao volante, interrompe um ciclo de quatro vitórias consecutivas por parte da Lancia e, em 1994, consegue mesmo a ‘dobradinha’, com Kankkunen à frente de Auriol. Finalmente, em 1996, com a prova a contar apenas para o Campeonato de Fórmula 2, devido ao sistema de rotatividade imposto pela FIA, Rui Madeira, num Celica alugado à italiana Grifone, bate o outro Toyota do belga Freddy Loix.

5 – Subaru Impreza – Diabo azul
Empatado em número vitórias com o Lancer Evolution, o Subaru Impreza acaba por conquistar o último lugar à conta dos sete pódios que somou em Portugal, além de que apresenta também melhor folha de serviço no Mundial, contabilizando 46 vitórias no currículo, contra 25 do rival “vermelho”. Em solo nacional, foi Sainz (1995) o primeiro a mostrar o que valia o Impreza ainda na sua primeira versão – 555. Depois foi preciso esperar três anos para McRae voltasse a fazer render a superioridade do Subaru, mas aqui já na versão WRC. Finalmente, o malogrado Richard Burns foi o último a inscrever o modelo nipónico no álbum de ouro do rali, em 2000.