assinaturas

Ricardo Moura vence Rali dos Açores

Por a 4 Junho 2016 18:36

Ricardo Moura fez história ao vencer pela primeira vez o Rali dos Açores, agora Azores Airlines Rallye. O piloto açoriano ganhou ‘asas’ e voou na Tronqueira, batendo Alexey Lukyanuk por 5.3s terminando o rali com 26.8s de avanço para o russo.

Kajetan Kajetanowicz (Ford Fiesta R5) foi terceiro e minimizou as perdas no Europeu de Ralis, pois Lukyanuk ficou ‘apenas’ na posição imediatamente à sua frente.

Na competição nacional, Ricardo Moura vence, claro, 5:44 na frente de Pedro Meireles, com José Pedro Fontes na terceira posição. Ricardo Teodósio foi quarto na frente de Miguel Barbosa.

Grande rali realizaram Ricardo Moura e António Costa. Tiveram a sorte de ver os seus principais adversários terem problemas mecânicos que os atrasou, mas quando foi preciso puxar dos galões, o piloto açoriano deu tudo o que tinha e bateu Alexey Lukyanuk, um fabuloso piloto, o melhor dos russos que vemos em algum tempo. Moura teve azar em Fafe, num rali que estava na luta pela vitória até que um problema mecânico o deixou fora de prova, não foi a castelo Branco, mas venceu convincentemente nos Açores onde o triunfo seria normal, mas não pelos números exibidos. Isto provou que Moura não olhou muito para o CNR, preferiu lutar pelos lugares do pódio, mas quando o CNR ficou resolvido (salvo algum imponderável, claro), nunca deixou de lutar na frente mantendo-se sempre a uma distância em que poderia aproveitar algum erro ou problema mecânico dos adversários. Foi exatamente o que aconteceu.

Também o popular ‘Kajto’ Kajetanowicz fez um bom rali, mas o russo está neste momento num nível que o polaco já tem alguma dificuldade em acompanhar, pois Alexey Lukyanuk demorou a sair do eixo Rússia-Estónia, para correr no ‘estrangeiro’, mas o que tem vindo a fazer mostra que pode ir mais longe. Só que já não é muito novo. Tem 36 anos. David Botka foi quarto na frente de Jaroslav Orsák com Pedro Meireles a terminar numa bela posição tendo em conta o campeonato português, já que na prática, e se Moura não disputar muitas mais provas (pelo menos à Madeira parece que vai), somou bons pontos. Luis Rego , agora com o seu novo Ford Fiesta R5 foi sétimo e segundo no Regional dos Açores. Quanto a José Pedro Fontes não teve um rali nada feliz, cheio de problemas mecânicos no seu DS3 R5, e cometeu alguns erros.

Quanto a Ricardo Teodósio, não sabemos se não tem carro ou já não anda o mesmo, mas a verdade é que não consegue chegar muito mais à frente. Miguel Barbosa esta em clara evolução nos ralis, o mesmo se pode dizer do rápido Carlos Vieira, que como ‘rookies’ nos Açores, saíram-se mesmo muito bem. Grande prestação de Rúben Rodrigues com o melhor do Grupo N nacional e o terceiro classificado na prova do campeonato açoriano.

Manuel Castro passou mais uma etapa na adaptação ao Skoda fabia S200, mas ainda não o guia como fazia com o Mitsubbishi. Grande Diogo Gago, grande prova, mostrando que era no Europeu que devia estar pois na competição das duas rodas motrizes nacionais, simplesmente não tem adversários e já mais nada pode aprender, só somar vitórias, mas essas são fáceis demais dentro de portas. Neste rali é que se viu com quem tem Gago que andar a lutar. E não só nos Açores. Chris Ingram foi um digno derrotado, e Marjan Griebel foi pressionado até cometer um erro. Qualquer um dos três se tivesse ganho nos Açores teria sido merecido, mas se noutros ralis os pilotos da Opel bateram Diogo Gago, desta feita foi a vez do português chegar e sobrar para eles. Joaquim Alves fez uma boa prova com o Ford fiesta R5, ainda que com um despiste pelo meio.

Notas finais para Ralfs Sirmacis que abandonou com a direção partida quando era quarto e já tinha tirado o pé na luta com Ricardo Moura pelo pódio, depois de perceber que em condições normais ainda é muito ‘verde’ para se bater com Moura. S. Miguel não é a Acrópole. É bem mais difícil. João Barros bateu forte com o Fiesta R5, mas enquanto andou, fê-lo bem e depois do triunfo em Castelo Branco, vai voltar à carga no Rali do Centro, onde pode vencer novamente. Fernando Peres teve um rali complicado, andou muito bem no início, mas quando cometeu um, erro e apanhou uma especial com nevoeiro a mais, passou a andar muito menos, acabando por desistir a na penúltima especial. Inglório e imerecido. Diogo Salvi teve problemas no carro nos dois dias, desistindo definitivamente na PE14. Carlos Martins também ficou pelo caminho perto do fim.

Classificação Online – CLIQUE AQUI

 

assinaturas

10
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
blurr
Membro
blurr

Grande Moura…

serrote
Membro
serrote

Yeeeesssssssss…

ernie
Membro
ernie

Parabéns ao Ricardo Moura, que decidiu mostrar ao Lukyanuk quem manda na ilha. Geriu o andamento na última SS, como só os grandes pilotos sabem fazer: A FUNDO, ganhando o seu rali, e oferecendo um calendário aos outros contendores do CNR, que definitivamente não têm andamento para o açoreano.
É pena o Ricardo Moura não tentar um projecto europeu, porque estou certo que teria um sucesso semelhante ao de outro açoreano ilustre, mas que gosta da bola: Pedro Pauleta obviamente. Há que “soltar o Açor” para voar nas especiais da Europa.

serrote
Membro
serrote

O Lukyanuk furou no ultimo troço o que não tira absolutamente nenhum mérito à vitória do Ricardo, que fez uma prova isenta de percalços humanos e mecânicos. Em condições normais porém seria díficil dar conta daqueles 2.

fanmotores-ex-useras77931
Membro
fanmotores-ex-useras77931

Exactamente. Fico muito feliz pelo Ricardo e como português, mas estive ontem para escrever ( acabei por não ter tido tempo) o seguinte: tendo em conta que os carros dos 1ºs serão muito semelhantes e sendo todos bons pilotos o factor casa já não conta? Das 2 uma, ou o nível de notas é tão elevado que o conhecimento do terreno pouco conta (o Moura é dos Açores, o russo, por ex. é rookie) ou então os nossos pilotos estão uns furos abaixo, nas unhas, nas notas ou na mecânica !! Ainda bem que o Ricardo me semi-desmentiu, mas dá… Ler mais »

ernie
Membro
ernie

Segundo o Lukyanuk, o furo (lento) não influenciou o seu andamento, penso que deverá ter sido perto do final. Gosto deste Russo, simpático, simples, rápido e muito espectacular, se bem que nos tempos do Lancer era ainda mais espectacular.

rfz
Membro
rfz

Grande vitoria de Ricardo Moura nos Açores mas no entanto, numa análise pragmática e sem bairrismos tacanhos, num projeto europeu o Moura dificilmente teria alguma chance, pois o Lukyanuk (pela 1ª vez nos Açores!!) ou o Kajetanowicz, enquanto não tiveram problemas, estavam sempre na frente do Moura. Os problemas fazem parte dos ralis e não belisca em nada a bela vitoria do açoriano, no entanto tenhamos calma em pensar em projetos europeus pois aí o Moura num qualquer rali fora de Portugal, em disputa com estes dois pilotos nao teria a mínima hipótese. De resto na Madeira é bem flagrante… Ler mais »

jbmotores
Membro
jbmotores

Grande vitória de Ricardo Moura que soube estar no sítio certo à hora certa para beneficiar dos problemas dos dois (únicos) candidatos à vitoria no ERC (que, convenhamos, já teve melhores dias). Mas todo o destaque tem que ir para Diogo Gago que com poucos meios e sempre sem saber se tem orçamento para a prova seguinte, venceu no ERC 3 e Junior, provando que era aí que devia estar. Sem dúvida, Gago é neste momento o único piloto português com andamento para ir longe nos ralis. Porém, como os bons patrocínios continuam a ser entregues na base dos interesses… Ler mais »

goncals
Membro
goncals

Grande Ricardo Moura, no lugar certo a hora certa. Mas como já aqui foi dito penso que fora de portas não tem hipóteses de lutar pelos primeiros lugares, nem ele nem nenhum português, no máximo o bernardo sousa. O destaque deste rali tem que ir para o jovem DIOGO GAGO, mas que piloto, mostrou mais uma vez que se bate com os melhores, sempre em grande ritmo e é o único português que se vê que pode chegar longe e bem longe, espero que a peugeot Portugal ou qualquer equioa oficial nao ande a dormir e se deixem de dar… Ler mais »

rfg
Membro
rfg

Parabéns Moura! Soubeste estar no lugar e hora certa. Desilusão nesta prova foi a “armada de ciclistas” que nem cócegas fizeram. Desculpas e mais desculpas. Um direita ou esquerda “1, 2, 3, 4 ou 5”, são isto mesmo em todos os troços do mundo. Para mim não têm andamento para lugares cimeiros em provas internacionais. Só mesmo nos seus “quintais” do CPR é que vencem. Para a Citroen Portugal deve haver um amargo de boca por no final terem escolhido o Fontes para seu representante, quando estava tudo encaminhado para outro. Falou mais alto outras coisas.

últimas CPR - CAMPEONATO DE PORTUGAL DE RALIS
últimas Autosport