História do SimRacing

Por a 22 Julho 2017 13:17

Ciente que o SimRacing ganha importância acrescida a cada dia que passa, o AutoSport vai abrir mais os seus conteúdos a esta ‘disciplina’, que junta no mesmo ‘sítio’ adeptos e pilotos, pois muitos deles há muito utilizam as versões mais profissionais que existem hoje em dia, para se prepararem para as suas corridas ou ralis. Mas como tudo na vida, há um princípio, e por isso hoje vamos conhecer um pouco melhor, de forma resumida a história do SimRacing, recordando os principais jogos (simuladores) ao longo dos tempos.

Num futuro próximo, os temas vão passar pelo que é necessário para fazer Simracing (Consolas, PC, volantes, cockpits e outros acessórios), desde o mais barato até ao material mais ‘profissional’. Depois faremos uma descrição geral dos principais simuladores existentes neste momento no mercado. Vamos dar também a conhecer, de uma maneira geral, as comunidades existentes em Portugal e Autódromos Virtuais, bem como o ‘estado’ do Simracing em Portugal. Falaremos depois sobre as principais competições que existem em Portugal e também no estrangeiro, e por fim falaremos também com uma equipa portuguesa, de pilotos virtuais portugueses, bem como os ‘reais’ que utilizam os simuladores para se prepararem…

A evolução

Antes de falamos um pouco da história do Sim Racing, convém dizer que se entende por Sim Racing a simulação de uma corrida de automóveis, em que se tenta simular uma corrida de automóveis, principalmente em relação às físicas de um carro. Mas tendo em atenção muitas mais características, como o total controlo do carro, desgaste, pistas o mais real possível em temos de traçado e comportamento da pista ao longo de uma corrida.

Qual é que se pode considerar o primeiro simulador? Existem várias opiniões, uma delas é que o Pole Position de 1982 e que tinha como características um volante e pedais (jogo que se podia encontrar em salões de jogos), competíamos com outros carros, tínhamos que fazer a qualificação antes de uma corrida com carros de Fórmula1. Já tinha colisões entre carros, e usava pela primeira vez uma pista real, a pista Japonesa de Fuji Racetrack. Alguns consideram que o primeiro foi o REVS de 1984 e onde já se podia fazer alterações aerodinâmicas aos carros de Formula 3 e que foi desenvolvido por Geoff Crammond (um dos nomes mundiais do SimRacing). Outro simulador que trouxe algumas novidades foi o WEC Le Mans de 1987, que era baseado nas 24 horas de Le Mans e onde tínhamos a passagem de dia para noite durante a corrida, ressaltos do carro na pista, e ênfase na aceleração e travagem, e já tínhamos mudanças. Além do inicio do ForceFeeback no volante (força no volante transmitida pelo carro em função de ressaltos da pista, ou saídas de pista ou mesmo em relação à aceleração e travagem do carro).

Mas o jogo que é considerado como primeiro simulador é o Indianapolis 500 de 1989, como novidade tinha a hipótese de podermos acertar e testar o carro antes de ir para a qualificação e para a corrida de 200 voltas à pista de Indianapolis. Neste simulador já tínhamos altura do carro variável, drag (apoio aerodinâmico), efeito de cone de aspiração, combustível e pressão dos pneus.

Depois temos que destacar o Formula One Grand Prix de 1992, onde tínhamos a hipótese de pode correr contra outro piloto, ligando dois computadores um ao outro. Além de ter as 16 pistas oficiais do campeonato real, com cada vez mais opções de afinação do carro, além de vários níveis de condução, com possibilidade de ligar e desligar várias ajudas. Em 1996 é lançado o Grand Prix 2 com mais algumas novidades. Além destes existiu também o GP3 e o GP4 todos desenvolvidos por Geoff Crammond.

Em 1998 a Papyrus Design Group (Empresa que lançou o Indianapolis 500), voltou a fazer ‘magia’ e lançou o Grand Prix Legends, um simulador com carros e pistas históricas de Fórmula 1, este simulador já usava o multiplayer através da internet, um nível de física dos carros muito avançado e começou também com a exigência de placas gráficas cada vez melhores. Apesar da idade deste simulador ainda continua a ser usado nos dias de hoje. Por esta altura nasceu também um título que 18 anos depois continua a fazer furos, o Gran Turismo.

Nos Rallys o simulador de maior sucesso, e que continua a ser, é o Richard Burns Rally, lançado em 2004. O grande sucesso deste simulador deve-se às físicas exemplares e a uma grande comunidade que desenvolve carros modernos que podem ser integrados neste simulador de maneira a podermos usar os carros mais recentes.

Outros simuladores que tiveram grande impacto e que começaram a exigir cada vez computadores mais avançados temos, Live for Speed (2003), rFactor(2005), GTR2 (2006), NetKar Pro (2006) e Race 07 (2007). Estes simuladores têm a particularidade dos próprios utilizadores poderem criar carros e pistas para os simuladores o que fazia prolongar o tempo útil e ao mesmo tempo termos sempre novidades.

Atualmente temos vários simuladores, pois é um mercado em crescimento e vemos várias empresas a apostar neste tipo de jogos. Além de diferenças entre eles em termos de físicas, gráficos, sons, conteúdo e características de uma corrida (ciclo dia/noite, chuva, pista dinâmica, etc etc), várias têm modelos de negócio diferentes. Entre os simuladores podemos destacar: Assetto Corsa, Automobilista, Dirt Rally, iRacing, Project Cars, RaceRoom e rFactor2.

Nota: A Fotogaleria não pretende ser extensiva, mas simplesmente ilustrar a evolução dos jogos

 [soliloquy id=”323369″]

Subscribe
Notify of
2 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Miguelgaspar
Miguelgaspar
3 anos atrás

Portanto, segundo o JLA, o Gran Turismo não é um simulador… a Nissan não parece concordar.

V8_scars
V8_scars
3 anos atrás

Este artigo, além das memorias que despertou, mostrou-me como a idade já vai avançada.
Tendo jogado a maioria deles, sem duvida que dos títulos mais recentes os que mais me entusiasmaram e ainda hoje o fazem foram os títulos da Sim Bin – Race 07, GTR2 – com as suas dezenas de MOD’s que ainda hoje permitem manter “actuais” os simuladores, e Grand Prix Legends, que só com muita paciência e vontade consegui “dominar”.
E concordo com a ausência dos títulos de consola, nenhum deles simulador na sua essência, mesmo sendo grande adepto da saga Forza.

últimas Newsletter
últimas Autosport
newsletter
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x