Fórmula 1 e WRC: Oportunidades perdidas?

Por a 4 Julho 2019 14:57

Tanto na Fórmula 1 como nos ralis as entidades que gerem as disciplinas, juntamente com a FIA, federação internacional, estão a pensar nas novas futuras regras de 2021 (Fórmula 1) e WRC (2022).

Apesar de serem competições completamente distintas, há situações comuns, e tanto num caso como noutro, corre-se o risco de se perderem novas oportunidades. Verdade seja dita que a questão é bem mais premente na F1 do que no WRC.

Quanto à Fórmula 1 esta é uma grande oportunidade da Liberty Media chancelar a sua visão para a F1, mas o que está cada vez mais a ficar claro é que existem demasiados interesses instalados para atender.

Como sempre, as equipas olham bem mais para os seus interesses, do que trabalham juntas para tornar a Fórmula 1 um ‘produto’ melhor a todos os níveis. Apesar de tudo o que se tem vindo a falar no último ano e meio, a verdade é que muito provavelmente as mudanças não vão ser tão radicais.
Em primeiro lugar, neste momento já não é possível alterar as motorizações, já que é demasiado tarde para mudar.

Aqui, aceitamos que depois de todo o dinheiro que se gastou antes de 2014 (e daí para a frente), não faria sentido alterar demais as unidades motrizes híbridas, isto apesar de passados cinco anos os diversos construtores ainda estarem bem separados em termos competitivos.
Se entre a Mercedes e Ferrari já não é o motor a diferenciá-los, já Renault e Honda estão mais atrás.

Por outro lado, apesar de se prever a entrada de pneus de mais baixo perfil, não se esperam grandes mudanças no que os pneus significam para a F1.
O seu efeito será mais ou menos o menos que existe hoje. Portanto, motores e pneus não vão mudar muito, resta a aerodinâmica para ajudar a termos melhores corridas. Aqui há tempo para mexer, por nós poderia mexer radicalmente.

A questão do teto orçamental é fundamental. Se for possível impedir as melhores equipas de gastarem muito mais dinheiro que o meio do pelotão, o plantel, naturalmente, equilibra-se um pouco mais.
Apesar de Mercedes, Ferrari e Red Bull poderem continuar a ter os melhores pilotos e os melhores carros, há também gente competente nas restantes sete equipas e sem uma ‘monstruosa’ diferença de meios, os talentos das diversas equipas sobressaem, e sem carros tão radicalmente distintos em termos de performance, haveria resultados bem diferentes no top 5.

Vamos ver o que sucede e o que é possível fazer. Manter tudo, basicamente, na mesma será tempo perdido.
Passando ao WRC, o AutoSport sabe que está longe de haver consenso quanto às novas regras. Há quem pretenda ‘híbridos’ uniformes, iguais para todos, há quem queira utilizar o seu, porque lhes dá mais jeito.
Este é um exemplo, mas há bem mais, e embora acreditemos que as coisas no WRC vão ser mais pacíficas quanto às novas regras, a verdade é que a FIA continua a estar demasiado refém das ‘ameaças’ dos construtores e o resultado disto é que as competições poucas vezes são tão boas quanto poderiam ser.

Sabemos que não é fácil para a FIA gerir os interesses de todas as marcas, mas por vezes um murro na mesa, quando se sabe qual é o caminho mais correto e não vão por lá por ‘medo’ de saídas de alguns construtores das competições, é mau.

Se mandássemos, a F1 não teria aerodinâmica que impedisse os carros de rodar juntos, teria teto orçamental para impedir os gastos ‘pornográficos’ de alguns, e teria carros mais difíceis de pilotar.

No WRC, híbridos, sim, para ligações, mas motores ainda mais potentes, e várias peças comuns a todos, para permitir às equipas gastar menos dinheiro e abrir espaço ao aparecimento de mais construtores.

6
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
mario
Membro
mario

Os carros serem incontroláveis, ou serem falsos não é a forma de aumentar a dificuldade, deve ser pela velocidade e exigência física. Sou contra o trabalho de botões que os pilotos fazem durante corrida, deviam pilotar e não estar a mexer no telemóvel…

Billy Bob
Membro
Billy Bob

Subscrevo, menos botões e mais volante.

RogerM
Membro
RogerM

Vou enunciar algumas das minhas medidas para o regulamento de 2021: Simplificar toda a aerodinâmica do carro; Simplificar e diminuir a largura da asa traseira; Diminuir a complexidade das bargeboards, e aumentar o seu tamanho, de maneira poder haver lutas roda a roda; Manter as motorizações actuais, removendo a MGU-H; Diminuir o comprimento e largura dos monolugares; Manter por duas ou mais temporadas a mesma composição dos pneus; Remover completamente, quase todos os botões de controlo no volante, deixando apenas os essenciais à condução, como do rádio, o limitador no pitlane, o de recuo, o DRS, o de regeneração e… Ler mais »

alexname
Membro
alexname

Proposta mais do que razoavel e inteligente.

mario
Membro
mario

Mesmo assim ainda são muitos botões, podiam voltar a ter o KERS com botão e mandar o DRS às malvas. O que me irrita mais é estarem constantemente a alterar o balanço de travagem, devia ser banido, sempre houve corridas de automóveis com os setups fixos, era capaz de obrigar os pilotos a arranjar mais compromissos entre velocidade e apoio, mais diferenças entre carros em diferentes partes da pista aumentando a imprevisibilidade.

Gilles_27_71
Membro
Gilles_27_71

….carros com 4,8m X 2,0m, sem merdices de aletas e outros pentelhometros, trabalhar mais a aderência mecânica, tirar o chinelo havaiano por uma viseira mais eficiente e retirar o telemóvel do volante, simplesmente ideias simples que melhorava o espectáculo.

últimas Destaque Homepage
últimas Autosport