F1, Nico Rosberg: “Kimi (Räikkönen) podia ter mais títulos se tivesse trabalhado mais”

Por a 17 Julho 2019 13:01

Nico Rosberg é de opinião que Kimi Räikkönen podia ter sido ainda melhor se tivesse trabalhado mais. O alemão elogiou o piloto da Alfa Romeo, e admitiu que ficou espantado quando o finlandês deu os seus primeiros passos na F1. Porém, admite que esperava que este tivesse mais títulos por esta altura: “Tenho que dizer que o Kimi podia ter alcançado mais títulos se tivesse trabalhado mais”, disse o piloto alemão.

Nico diz não criticar a ética de trabalho do finlandês: “Ele está a ser ele próprio. Não é uma forma correta ou errada de trabalhar. Ninguém diz que tens que trabalhar que nem um doido (…) simplesmente não foi a forma como eu abordei o desporto”, disse Nico Rosberg.

Curiosamente, Nico Rosberg tem o mesmo número de títulos mundiais que Räikkönen (um) e retirou-se do desporto relativamente cedo, com 31 anos, após bater Lewis Hamilton em 2016.

A grande diferença entre Nico Rosberg e Kimi Raikkonen é precisamente essa. Enquanto o alemão teve que ir buscar forças onde não as tinha para bater Hamilton, e conseguiu-o, abandonando logo de seguida, pois percebeu que dificilmente faria o mesmo que ali tinha conseguido, Kimi Raikkonen sempre foi um piloto com classe pura, onde tudo lhe sai naturalmente. Tem uma personalidade muito própria, e para quem como nós, acha que tinha classe para ter alcançado mais títulos, simplesmente dificilmente o veríamos a sair do seu registo ‘normal’ para o conseguir. E não é por isso que deixa de ter a admiração quase geral dos adeptos.

16
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
ecs
Membro
ecs

Uma das maiores virtudes do Kimi é não falar por tudo e por nada. Um dos muitos defeitos do filho do Keke Rosberg é falar por tudo e por nada. Mas percebe-se, precisa de falar para não cair no esquecimento.

asfalto
Membro
asfalto

O Rosberg tem razão, nos tempos da McLaren quando o Kimi desistia por avaria no carro, quando a corrida acabava, já o Kimi estava em casa. Quem não se lembra no Mónaco, quando depois de desistir, o que ele andou apé até chegar ao Iate onde depois se o via a beber uns copos. Mas isso como bem diz o Rosberg, não é um defeito, apenas uma forma de estar na vida. Se não fosse um talento natural dispensá-lo-iam a meio do campeonato.

últimas F1
últimas Autosport