/formula1/f1/f1-a-ferrari-e-um-grupo-de-pessoas-assustadas/
F1: “A Ferrari é um grupo de pessoas assustadas” | AutoSport

F1: “A Ferrari é um grupo de pessoas assustadas”

Por a 12 Outubro 2016 12:19

Luca Baldisserri, antigo chefe dos engenheiros da Ferrari, em declarações ao Corriere dello Sport foi muito duro com a sua antiga equipa ao referir que a Ferrari já não é uma equipa de Fórmula 1, mas sim “um grupo de pessoas assustadas”. Palavras muito duras relativas a uma equipa onde já ninguém consegue esconder os problemas que existem. Baldisserri, que saiu da Scuderia o ano passado, diz que a Ferrari está perdida: “Nem o Sergio Marchionne (presidente) nem o Maurizio Arrivabene (diretor da equipa) têm experiência nas corridas, e por isso a cultura da equipa perdeu-se. Já não são uma equipa, mas um grupo de pessoas assustadas. Há um clima de medo, ninguém corre riscos por medo de falhar e cair em desgraça”, começou por dizer antes de se referir à famosa liderança ‘horizontal’: “A cadeia de comando na Fórmula 1 tem que ser mais do que vertical, tem que ser ‘militar’. Os número um estão lá para mostrar o caminho, motivar as pessoas, decidir, e se alguém comete um erro, não deve ser despedido e isso aconteceu a James Allison, que é uma grande perda na equipa” terminando a falar de Mattia Binotto, que substituiu Allison no departamento técnico: “O Mattia sabe como motivar as pessoas, tem grande experiência mas não é um diretor técnico. Ele sabe que não pode desenhar um carro e não tem os conhecimentos dos chassis, aerodinâmica e mecânica. Mas seria um bom chefe de equipa”, disse Baldisserri, falando também dos pilotos; “A Ferrari tem que recuperar o Vettel, o Raikkonen está a fazer melhor este ano”.

Cronologia
O ano de 2015 foi de autêntica revolução na Ferrari, com a chegada a Maranello de Maurizio Arrivabene, James Allison e Sebastian Vettel. Isso permitiu à Scuderia ter desde logo um ano de 2015 muito promissor, mas como é habitual na Ferrari a pressão que vem de cima, é cega, surda e muda, e sendo Sérgio Marchionne um puro homem de negócios, cometeu o erro de achar que a Fórmula 1 se gere como um outro qualquer negócio, e sem uma verdadeira consciência das dificuldades que é vingar neste mundo super competitivo, colocou uma enorme pressão em todos os elementos de Maranello.

Neste momento, com a época de 2016 quase cumprida já é perfeitamente claro que só por milagre as coisas se invertem ao ponto dos homens de vermelho passarem a ganhar. Não é preciso ser uma sumidade na Fórmula 1 para saber que a vantagem que a Mercedes conseguiu em 2014 com a fabulosa unidade motriz que construiu, a que juntou um chassis sem mácula, só com muito melhor trabalho é possível reduzir essa diferença a zero com alguma rapidez, e sendo certo que a Ferrari tem vindo a recuperar um pouco, chegando ao final do ano de 2015 a cerca de sete décimos por volta dos Mercedes, a verdade é que a equipa de Maranello entrou numa espiral de problemas e azares que têm condicionado muito toda a sua prestação.

Não restam dúvidas a ninguém que tanto a Ferrari como a Red Bull trabalharam bem nos seus carros deste ano, deram um salto qualitativo, mas esse salto só se faria notar muito se a Mercedes tivesse ficado a marcar passo, o que esteve longe de acontecer em Brackley. Por isso se a Ferrari cresceu dez, a Red Bull cresceu vinte, a Mercedes também cresceu e atenuou ou reduziu mesmo a zero a recuperação dos seus adversários.

No que às unidades motrizes diz respeito, a Ferrari aproximou-se da Mercedes, partiram bem atrás dos homens de Brackley, mas evoluíram bem no seu conhecimento e perceção do que é a tecnologia híbrida, e aprenderam depressa. Neste aspeto, a margem ainda não foi toda colmatada, mas para lá caminham. O problema está longe de ser aí.

Tem sido um padrão a Ferrari ser conservadora no design dos seus carros, competentes, mas não tão agressivos quanto a Red Bull, e nem sequer, mais recentemente, que a Mercedes. Há neste ponto uma clara prova de falta de inovação e pensamento criativo, e James Allison não conseguiu tocar todos os instrumentos. Há na sua equipa demasiado conservadorismo.

Outro ponto muito importante são os pneus Pirelli. Tanto a Mercedes como a Red Bull investiram na ciência de perceber depressa as suas anomalias, depressa constituíram equipas específicas para perceber e estudar a fundo o que acontecia e porque acontecia, e a Ferrari demorou muito a reconhecer a importância disto. Nos últimos tempos foi buscar pessoal para o fazer, mas continua a ser a Ferrari a equipa que mais sofre com as mudanças de temperatura das pistas. Se repararem, até pode estar a andar bem e quando as coisas mudam, quase sempre é a Ferrari a mais surpreendida.

Contudo, há alguns detalhes que fazem pensar que as coisas poderiam estar a ser muito diferentes em corrida, caso algumas escolhas táticas tivessem sido diferentes e se a fiabilidade do monolugar italiano não tivesse dado tantos problemas como tem dado. Tudo isto acabou por desmotivar Vettel, que, com um carro igual nem sequer tem sido claramente melhor que Raikkonen, o que não pode acontecer nesta fase da carreira de cada um. Vettel está numa encruzilhada.

 

Ferrari entrou bem, mas caiu…
No início do ano não restava a mais pequena dúvida que James Allison tinha tido nas mãos boa parte da responsabilidade de projetar um bom carro, o que fez, tal como se viu em Melbourne, com Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen a terem um carro ganhador, num resultado que só mesmo os estrategas da equipas trataram de estragar. Aliás, na altura pensou-se que a Ferrari poderia bater o pé à Mercedes, e só mesmo a escolha tática não o permitiu em Melbourne. Mas o problema é que esta questão da má estratégia não ficou por aqui. Melbourne foi um caso e Montreal outro, e ambos custaram possíveis triunfos a Sebastian Vettel. E daí para cá muitas outras sucederam. Ainda agora no Japão, com Vettel. Logicamente que há fatores que podem ajudar a justificar as decisões, mas a sensação que fica é que os estrategas da Ferrari são pouco flexíveis na sua análise, parece que confiam cegamente nos números e não fazem muito uso do instinto e do bom senso.

As coisas andaram num limbo durante diversos Grandes Prémios, pois com tantos problemas mecânicos e estratégias que correram mal, havia a esperança que quando tudo se juntasse, as coisas pudessem ser diferentes e a vitória lá apareceria, mas não foi nada disso que sucedeu nos últimos tempos. Bem antes pelo contrário, já que o que foi notório é uma clara evolução da Red Bull ao ponto de ser hoje em dia, claramente, a ‘força’ que mais oposição dá à Mercedes. Há uns meses, a crítica italiana andava a escrever coisas como “Vettel não pode fazer muito com um carro lento” escreveu a La Gazzetta dello Sport, o Corriere dello Sport refere “Será que decisões como a de dispensar o grande expert em aerodinâmica, Nicholas Tombazis, foi correta?” O La Repubblica acrescenta: “A crise da Ferrari adensa-se com a Red Bull a ganhar asas. A performance dos homens de Maranello esteve cinzenta como os céus de Silverstone” leu-se na imprensa. Imagine-se agora.

Falta de sorte
O patrão da equipa, Maurizio Arrivabene tem um entendimento mais esotérico da questão e diz que no campeonato da má sorte, a Ferrari está destacada na frente, o que é verdade pois tanto Sebastian Vettel como Kimi Raikkonen têm tido uma boa dose de problemas mecânicos, mas isso está muito longe de explicar tudo. Recentemente, na Malásia, uma pista em que a Ferrari era normalmente competitiva, venceu lá o ano passado, veja-se o que sucedeu este ano. E Pelo que se percebe quando se olha para o ‘filme’ todo, parece claro que a próxima época também está comprometida, a não ser que James Allison tenha deixado um trabalho bom, e muito adiantado, pois quem lá está agora não parece que possa fazer melhor. Claro que ficará sempre a dúvidas e só quando se vir o Ferrari em pista se saberá, mas muito poucos acreditam nisso…

Cronologia dos títulos
Fala-se agora em crise da Ferrari, mas a verdade é que depois das fabulosas épocas de Michael Schumacher, só por uma vez alcançou um título de pilotos, Kimi Raikkonen em 2007 e dois de Construtores, precisamente em 2007 e no ano seguinte. Desde aí a ‘seca’ de títulos em Maranello tem sido constante, ainda que por várias vezes tivesse estado perto do conseguir. Como se recordam, em 2008, Felipe Massa perdeu para Lewis Hamilton após quase um ‘milagre’ na última volta do GP do Brasil, isto depois duma época com oito vitórias e o 16º título de construtores, batendo a McLaren por 21 pontos.

Em 2009 o Mundial foi um descalabro para a Ferrari e em 2010, já com Fernando Alonso, a luta pelo título chegou a pender muito para o homem da Ferrari – foi o tempo de polémica “Felipe, Fernando é mais rápido que tu, percebeste a mensagem?” e no final do ano, uma escolha estratégica totalmente errada na ‘marcação’ a Mark Webber, esquecendo Sebastian Vettel foi fatal ao espanhol e aos homens de Maranello, acabando por ser o jovem alemão, que era terceiro à entrada da última prova, a ser Campeão. Em 2011 as coisas voltaram a correr muito mal para a Scuderia, mas em 2012, Alonso levou novamente a decisão do campeonato até à última prova, perdendo outra vez para Vettel. Em 2013, Alonso nada pode fazer face ao poderio da Red Bull, e quando terminaram os quatro anos de domínio Red Bull e Sebastian Vettel, começou o da Mercedes. 2014 foi o último ano de Fernando Alonso em Maranello, desmotivado por não conseguir o almejado terceiro título Mundial com a Ferrari a cair para o quarto lugar dos Construtores, pela primeira vez desde 1993. No final do ano, Sebastian Vettel rumou a Maranello. No ano seguinte, apesar das promissoras três vitórias a diferença para a Mercedes continuou a ser muito grande e esperava-se que em 2016 as coisas mudassem para melhor. Longe disso, apesar de alguns sinais contraditórios, a Ferrari parece estar cada vez mais longe das vitórias…

Subscribe
Notify of
38 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
RedDevil
RedDevil
5 anos atrás

O Jean Todt e o Ross Brawn deixaram uma herança muito pesada e os sucessores nunca conseguiram estar ao nível deles… Na altura da substituição, a Ferrari (Montzemollo) pensou que a “estrutura” estava montada e que qualquer um conduzia a Scuderia, e fez o pior que podia fazer, que foi… meter um “tótó”, e ainda por cima italiano, a comandar a equipa. Depois, para agravar mais a coisa, mantiveram o tótó 6 anos (+ ou – isso …acho eu). Entretanto, o “xerife” Marchionne ganha peso e força no grupo FIAT e armado em “chefe da Ferrari” põe Montzemollo a andar,… Ler mais »

Kimi Iceman
Kimi Iceman
Reply to  RedDevil
5 anos atrás

Domenicali… não foi um toto, foi um imbecil! Em 2008 conseguiu estragar o campeonato ao Massa, com aquele episódio da mangueira em Singapura.
Não deixa de ser curioso que desde o Todt saiu a Ferrari não ganha nenhum titulo de pilotos, e em 2008 ganharam o de constructores porque a McLaren estava com o Kovalainen.

Lagaffe
Lagaffe
Reply to  Kimi Iceman
5 anos atrás

Vamos ser mais concretos. pode sempre acontecer, Não vejo como um erro num sistema electrónico pode ser considerado uma imbecilidade do Director de Equipa. Se é assim a F1 está cheia de gente imbecil.

Kimi Iceman
Kimi Iceman
Reply to  Lagaffe
5 anos atrás

Sistema eletrónico que só era usado pela Ferrari. Deu-lhes na cabeça «vamos usar um semáforo com luzinhas para sermos os “porreiros” do paddock» e pronto. Resultado: Mangueira arrancada, teve de desistir e perdeu uns quantos pontos, que poderiam ser úteis no fim.

Lagaffe
Lagaffe
Reply to  Kimi Iceman
5 anos atrás

A Honda também esteve interessada em fazer um sistema similar. Não resultaram. Como muita coisa na F1. Não vejo por isso razão para chamar a alguém idiota. Mais importante seria o Piquet não ter batido. Atenção não acho que o Domenicali tenha feito um bom trabalho na Ferrari mas não por aí. Era muito difícil a qualquer um substituir o Todt. Provavelmente qualquer um seria queimado excepto o Brawn que não o quiseram promover ao topo e este respondeu com grande classe na Brawn e na Mercedes. Aliás faz na Mercedes a planificação que a Ferrari não permite que seja… Ler mais »

gillesi
gillesi
Reply to  Kimi Iceman
5 anos atrás

A lei que diz que o material tem sempre razão também se aplica aqui. O problema n foi o sistema, foi ele ser controlado por um convidado da Ferrari, cujo nome n retenho e que nem sequer estva na boxe a acompanhar o processo, estava sentado junto ao staff no muro das boxes.

Pity
Pity
5 anos atrás

Este senhor disse aquilo que está à vista de todos, menos do sr. Marchione, que acha que basta mandar e ter bons pilotos, para ter sucesso.

Kimi Iceman
Kimi Iceman
Reply to  Pity
5 anos atrás

Pois é. Se fosse assim a Manor também ganharia campeonatos, pois têm (agora) uma boa dupla de pilotos.

2fast4u
2fast4u
5 anos atrás

Tirando os anos “dourados” do Schumi e companhia a Ferrari nunca foi verdadeiramente uma equipa vencedora, como no passado. Que me lembre nunca foram verdadeiramente competitivos, ao ponto de se dizer que tinham o carro vencedor, a não ser enquanto a equipa foi dirigida pelo Sr. Ferrari, como uma verdadeira equipa. Teve um rasgo nos tais anos dourados, mas a verdade é que parece reinar a desordem há muito muito tempo… Acrescido o facto que acabaram os testes privados, que ajudavam a equipa na evolução das máquinas, e quando foram introduzidos os túneis de vento e simuladores ainda ficou mais… Ler mais »

Lagaffe
Lagaffe
Reply to  2fast4u
5 anos atrás

O Enzo Ferrari era um idiota conservador mas dotado de um grande carisma. Nunca ganharia nada nos tempos modernos. A história da Ferrari está repleta de erros desse senhor com foque especial na avareza e mau trato aos pilotos.
Os êxitos da Ferrari devem-se aos períodos em que confiam a gestão a equipas competentes de engenharia e pilotos.
Nos anos 70 Montezemolo, Forghieri e Lauda. Nos anos 2000 Todt, Brawn e Schumacher.

*RPMS*™
*RPMS*™
5 anos atrás

Mais um a afirmar que a Ferrari está a “ferro e fogo”! Neste momento só mesmo alguém muito faccioso e intelectualmente desonesto pode continuar dizer que não se vive um mau ambiente dentro da equipa. As causas podem ser muitas mas há uma que parece saltar à vista, a equipa está desmotivada. Mas desmotivada porquê? Aconteceu algo que não correspondeu às expectativas? Será normal ser Raikkonen o actual líder da equipa? O melhor mesmo é deixar os números falarem. Neste aspecto, deixo-vos um pequeno exercício que pode explicar o motivo desta súbita desmotivação da equipa…senão vejamos: Dois primeiros anos de… Ler mais »

Pity
Pity
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

Claro que o problema é o Vettel, não é a liderança, não são os projectistas, não são os estrategas. Haja paciência.

sr-dr-hhister
sr-dr-hhister
Reply to  Pity
5 anos atrás

O problema é tudo, mas penso que até o Massa no auge era mais forte que o Vettel. O Massa até 2009 era uma máquina e eu choro todos os dias pelo campeonato de 2008 e porque poucos se lembram do que era de facto o Massa, batendo-se com Shumi e Kimi numa equipa que privilegiava o primeiro piloto. Shumi dispensa apresentações e Kimi foi o Max da altura dele. Caraças, choro todos os dias! O Vettel não é um mau piloto, mas comparando com os outros, a nível de resultados e equilíbrio, tem sido um flop. Devo lembrar que… Ler mais »

Frenando_Afondo™
Frenando_Afondo™
Reply to  sr-dr-hhister
5 anos atrás

Alonso já lá estava desde 2010, o carro era feito ao estilo do Alonso, esperava que Kimi conseguisse tirar mais de um monolugar mau e ainda por cima feito ao estilo do espanhol? Porque gostam muito de tirar esse factor da mesa e dizer que Alonso foi muita bom e Kimi muita mau, mas qualquer piloto, por mais genial que seja, sempre sofre se o monolugar não está ao estilo dele. Massa sofreu do mesmo, o monolugar não era para ele, era para o primeiro piloto. Mas pronto, para muita gente o Massa era muito mau, já referir que estava… Ler mais »

Pity
Pity
Reply to  sr-dr-hhister
5 anos atrás

Ora bem, comecemos pelo Massa: nunca achei o Massa grande piloto, desde os tempos da Sauber. Não sendo adepta da Ferrari, disse na altura que ele foi para lá, que não era piloto para a Ferrari e não mudei de ideias, nem em 2008.. É um bom piloto, mas para uma equipa média. O facto de ele ter lutado pelo título e quase ter conseguido ser campeão, não muda nada. Em tempos, lancei aqui uma teoria da conspiração, que justificava isso, não a vou repetir, até porque já me deixei de teorias, digo apenas que ele tinha em Schumacher um… Ler mais »

gillesi
gillesi
Reply to  sr-dr-hhister
5 anos atrás

Sr.. Dr. estou em querer que no seu curso se passava com 9. Massa era o preferido do jean todt, como ainda há pouco se podia ler num artigo do AS. Kimi chegou à Ferrari com a fama do maior destruido de colegas de equipa. Foi campeão em 2007 com a sorte que já merecia e não foi em 2008 por causa das politicas da equipa que beneficiaram Massa. Essa do Vettel é sem comentarios.

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  sr-dr-hhister
5 anos atrás

Muitíssimo bem escrito! Cumprimentos

Frenando_Afondo™
Frenando_Afondo™
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

É a herança pesada deixada por Alonso e só alguém faccioso e intelectualmente desonesto não vê isso. Ele chegou e destruiu o trabalho todo dentro da equipa para a tornar a scuderia Alonso. Agora está a fazer o mesmo na Mclaren. Os resultados estão à vista, nem poles, nem vitórias, nada de nadinha quando Alonso habita.

Mas pronto, já sabemos que a culpa é do Vettel né? Inclusivé os maus resultados da mclaren também são do Vettel. lol

Vê que fácil é deturpar as coisas e acusar somente um factor de ser o culpado de todos os males… hihihihi

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  Frenando_Afondo™
5 anos atrás

Eu gosto é de ver a malta animada! Mas olhe que não sou eu que digo que as pessoas andam assustadas na Ferrari…e alguns fãs também. Cumprimentos

gillesi
gillesi
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

Por muito faccioso e intelectualmente desonesto só podes estar a referir-te a ti. Porque só alguém com essas características é que publica um post destes, como, aliás, te explico por A+B noutro post. Esse é que é o teu problema comigo, eu desmonto estas fantasias que tu crias, comparando o incomparável e depois sou eu que não tenho credibilidade, LOLOLOLOL. Antes não a ter que ter a credibilidade demonstrada aqui. For you guidance, em 2011, quando houve um carro dominador ao nível destes Mercedes sabes quantas corridas ganhou a Ferrari? Uma, e foi necessária uma manobra à lá Ballestre da… Ler mais »

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  gillesi
5 anos atrás

Tu não és intelectualmente desonesto, tu simplesmente não tens intelecto nenhum… Claro que alguém que dizia que o AS censurava os seus comentários e que o Ferrari deste ano foi feito ao “estilo” do Kimi e para prejudicar o Vettel, estamos conversados em termos de credibilidade! Qual é o numero que eu apresentei que está errado? Pois, é mesmo isso que te dói. E vai continuar a doer…eh, eh, eh… Cumpr(i)mentos

gillesi
gillesi
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

A minha falta de intelecto é compensada por ti, um prodígio da inteligência e uma verdadeira dádiva à humanidade, que é como quem diz: presunção e água benta… Mas adiante, mais uma quantidade de pérolas a porcos. Tu és tão intelectualmente honesto, que deves ser um alter ego do João Honesto. Os números, contabilisticamente, mesmo sem confirmar, acredito que estão correctos, ilações a tirar deles zero, bola é pouco, -1 é mais apropriado. Já te expliquei que não era correcto em relação ao carro vice campeão, as coisas agravam-se quando misturas pneus com rasgos, sem eles, motores de várias cilindradas… Ler mais »

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  gillesi
5 anos atrás

Essas “catrafadas” de texto sem nexo que escreves para (tentar) responder aos meus comentários apenas demonstram que andas mesmo nervoso e incomodado… Mas quem é que deixou assim? Eras tão assertivo quando por aqui andavas armado em “especialista” a tentar meter as tuas “petas” ao pessoal, e agora andas tão enxovalhado…credo! Então se confirmas que os números estão certos (numeros não dá para inventar como tu gostas) parece que as duas primeiras épocas de Vettel estão a ser, efectivamente, piores que as duas primeiras épocas de todos os outros, incluindo, Massa… ih, ih, ih…essa dor que não passa… Cumpr(i)mentos

gillesi
gillesi
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

Sim,sim, estou triste e irritado e todos esses estados de espírito que um iluminado como tu consegue inferir nem que seja da receita de um cozido à portuguesa. Em relação à minha credibilidade, se eu considerar que num post recente, o comentário mais sensato (n era meu) tinha 17 pontos negativos, dou pouca importância a isso. Tu pareces mais preocupado com isso que eu, pensavas que tinhas capacidade para que eu virasse as costas ao fórum, não tens, aliás não vejo ninguém a concordar com o teu “raciocinio”, porque será? Porque será que não respondes às minhas peguntas? Perguntei-te porque… Ler mais »

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  gillesi
5 anos atrás

E blá, blá, blá…sempre a mesma “ladainha”… Ainda não reparaste que já ninguém te liga? Passaste de “especialista” a menino chorão e que(i)xinhas. Será nos States que o “heroizinho” consegue, pelo menos, uma vitóriazinha? É que esse melão não pára de inchar… Cumpr(i)mentos

Kimi Iceman
Kimi Iceman
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

E qual é a coisa em comum entre esses quatro pilotos? Todos chegaram numa altura que a Ferrari tinha/estava a preparar-se para ter um carro ganhador. E o Vettel? Em 2015 tinha o 2º melhor carro, ganhou 2 corridas, mas este ano pioraram, e a culpa não me parece ser do Vettel. Ele não é engenheiro, não é director técnico nem nada do género… apenas conduz o carro. A verdade é que a Ferrari este ano não vale uma MERDA, para não dizer outra coisa. Não vale um CAR… com este carro, nem o Schumacher, nem o Senna, nem ninguém… Ler mais »

gillesi
gillesi
5 anos atrás

É quase certo que algumas coisas sejam verdade, mas convém lembrar de que se trata da opinião de alguém despedido a falar do seu antigo patrão. Esta entrevista pode ser o Luca a agradecer ao Sergio, esse sim, um perigo que pode destruir o que resta da equipa. Em relação à liderança horizontal, já.aqui foram dados os exemplos da Mclaren e da Sauber. Os suiços podiam ter uma liderança horizontal, vertical ou até obliqua, sem dinheiro nâo se vai a lado nenhum, mas a Mclaren, com Lowe, Goss e, salvo erro, Oatley foram campeões do mundo e em determinadas alturas… Ler mais »

rodríguezbrm
rodríguezbrm
5 anos atrás

Nesta altura ganhavam praticamente tudo
comment image

V8_scars
V8_scars
5 anos atrás

Antigamente, era usual ver varias equipas a ganhar corridas por época, mais não fosse pela fraca resistência dos bólides, mas a partir de meio dos anos 80 começamos a ver com mais regularidade equipas a dominar por épocas – McLaren Porsche, Williams honda, McLaren honda, Williams Renault, Benneton Ford e Renault, Williams Renault, McLaren Mercedes, Ferrari, Red Bull Renault e agora a Mercedes. O que esta a acontecer com a Ferrari agora já não é novidade, é cíclico, só que se trata da mais antiga e “maior” equipa na F1. Enquanto a liderança for só italiana não vão lá! E… Ler mais »

Lagaffe
Lagaffe
5 anos atrás

Este texto é a história cíclica da Ferrari. Exceptuando algumas temporadas sempre foi uma equipa instável com tiques ditatoriais a levar à desgraça pilotos e engenheiros. Claro que algumas opções foram erradas mas em geral queimam a carreira de muita gente. O Schumacher foi um excelente piloto mas o grande mérito foi ter esperado e aguentado durante 4 anos até conseguir ganhar o campeonato. O trio Todt, Brawn e Shcumacher representam uma qualidade escassa em Maranello: Estabilidade. Suponho que o Vettel já deva estar a fazer contas à vida para 2018/19.. No fundo o Alonso tinha razão em querer abandonar… Ler mais »

RedDevil
RedDevil
Reply to  Lagaffe
5 anos atrás

O grande mérito do Schumacher não foi esperar 4 anos… o mérito dele era, mesmo sabendo que o Ferrari não era o melhor carro, dar-nos a esperança de ganhar… e ganhava muita vez com um carro inferior…
PS – Embora o período de graça de Schumacher tenha sido 2000-2004, as melhores corridas que vi dele foram em 96-99. No histórico de F1 que acompanhei, desde o inicio dos anos 80, apenas ele e Senna eram capazes de vencer regularmente com um carro inferior.

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  RedDevil
5 anos atrás

E é essa esperança de ganhar que Vettel não tem capacidade para dar… Este alemão, ao contrário do antigo, precisa de um carro meio segundo por volta mais rápido que os outros para dar qualquer tipo de esperança… Cumprimentos

RedDevil
RedDevil
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

Já vi que tem uma “coisinha” com o Vettel… é verdade que não é o Schumacher mas também não precisa de ter o carro mais rápido (lembra-se de Monza 2008… ou 2009… não tenho a data certa)… o problema é que tem um carro que é cerca de 1s mais lento que o Mercedes… e com esse handicap nenhum piloto do actual plantel conseguiria ganhar e muito menos dar luta no campeonato.

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  RedDevil
5 anos atrás

Há aqui muitas “coisinhas”, se calhar também você é capaz de ter alguma por ai… Mas isso agora não interessa, a vitória a que se refere deve ser em 2008 se não me engano. Para isso, apenas lembro que por vezes acontecem “coisas” esquisitas na F1, lembra-se de Panis 96 no Mónaco? Podia ir buscar outros exemplos parecidos… Cumprimentos

RedDevil
RedDevil
Reply to  *RPMS*™
5 anos atrás

Todos temos a nossas “coisinhas” … lol…
A vitória do Panis foi num contexto diferente… ganhou porque houve muitas desistencias… o Vettel fez pole e cumpriu o GP todo no 1º lugar…
Além disso, a seguir o Panis “esfumou-se” e o Vettel ganhou 4 campeonatos. A diferença entre um caso e outro é abissal.

*RPMS*™
*RPMS*™
Reply to  RedDevil
5 anos atrás

Por isso mesmo! Referi o Panis de propósito, um piloto mediano, que numa corrida “especial” conseguiu vencer. Mas se o problema são as desistências e que tal Herbert em 1999 com um Stewart-Ford? São coisas que acontecem… Cumprimentos

Kimi Iceman
Kimi Iceman
5 anos atrás

A hashtag do momento: #etudoculpadovettel

sr-dr-hhister
sr-dr-hhister
Reply to  Kimi Iceman
5 anos atrás

Mas antes não diziam “todos” que ele tinha era que provar fora da RB? Ora, está a provar…
E Pity, a memória deve-lhe falhar, pois o Massa na Sauber provou ser dos pilotos mais agressivos do pelotão e se era protegido pelo Shumi é porque Shumi concordava comigo.

últimas F1
últimas Autosport
f1