TOM-WALKINSHAW
 

De pilotos a patrões… de sucesso

Vamos falar de pilotos que tiveram sucesso com as suas próprias equipas, noutras disciplinas em circuito, que não a Fórmula 1, desde Indianapolis a Le Mans, dos carros de turismos aos protótipos de Can-Am

AJ FOYT
Anthony Joseph Foyt Jr. fundou a sua própria equipa, a AJ Foyt Enterprises em 1965, essencialmente para si próprio como piloto, na qual conquistou todas as suas quatro vitórias na Indy 500 e três dos seus sete títulos de campeão da IndyCar. No entanto, a sua equipa, que geralmente corria com o nome dos patrocinadores (Ansted-Foyt ou Gilmore Racing) também construia os seus próprios carros, de marca Coyote, com motores Ford preparados em casa. Ocasionalmente, tinha colegas, como George Snider, ou vendia carros à equipa de Lindsey Hopkins. A equipa também passou pela NASCAR, mas já depois da sua vitória na Daytona 500. Depois de um período de seca na era CART, a Foyt Enterprises voltou aos lugares cimeiros com títulos de campeão para Scott Sharp e Kenny Bräck.

TOM WALKINSHAW (na foto)
Depois de uma carreira anónima em monolugares, Tom Walkinshaw ganhou fama no BTCC como piloto da Ford e BMW, fundando a sua equipa, a TWR em 1976. Continuou a colecionar sucessos no BTCC, ETCC e 24 Horas de Spa, ao volante de carros da Mazda, Rover e Jaguar, mas o sucesso da estrutura obrigou-o a passar para o outro lado do muro das boxes. Gerindo a equipa oficial da Jaguar, venceu as 24 Horas de Le Mans e as 24 Horas de Daytona, mas também ganhou o BTCC como chefe da equipa da Volvo. Estendendo a sua influência pelo mundo, a TWR também fundou a casa de tuning oficial da GM Australia, a Holden Special Vehicles, com a qual venceu os 1000 km de Bathurst em 1990. Teve até uma breve passagem pela F1, como diretor da Ligier e proprietário da Arrows, mas esta aventura levou ao colapso da TWR.

REINHOLD JOEST
Era comum pilotos inscreverem e prepararem os seus próprios carros em corridas de resistência, mas quando Reinhold Jöst o fez em 1972, com o Porsche 908/03 nº 008, algo era diferente. Jöst tinha um dos carros mais competitivos da Europa, e tinha boas relações com a Porsche, dando-lhe acesso ao novo motor RSR Turbo de 500 cv, que montou no 908 em 1975. No processo, passou a usar o nome Joest Racing, e foi modificando o carro, transformando-o numa cópia do 936 (em 1980, construiu uma réplica oficial, chamada 908/80). Construiu também vários 935, com o qual ganhou em Daytona. Parou de correr em 1982, dedicando-se à gestão, vencendo Le Mans com um 956 privado em 1984 e 1985. Passou pelo DTM para ser campeão com a Opel em 1996, e depois voltou a Le Mans para ganhar em 1996 e 1997. Estes sucessos abriram caminho para uma ligação à Audi, para quem gere a equipa desde 1999.

HENRI PESCAROLO
Triplo vencedor de Le Mans, Henri Pescarolo inscreveu um Courage em Le Mans, com o apoio da escola de pilotage La Filière, em 1998. Mas em 2000, fundou a sua própria equipa, a Pescarolo Sport, começando a modificar um chassis Courage para acomodar um motor Peugeot V6 Turbo, e conquistando vitórias no Campeonato FIA Sportscar. Apoio da Sony permitiu-lhe evoluir em Le Mans, quase dando luta aos imbatíveis Audi nas 24 Horas e ganhando corridas na Le Mans Series, e isso inspirou Henri a tornar-se construtor. O carro Pescarolo 01 chegou a ser vendido a várias equipas, mas com a Audi e Peugeot no campeonato, só ganhou duas vezes. A equipa começou a ter problemas financeiros, especialmente depois de destruir um Peugeot 908 alugado, e teve que interromper as suas operações duas vezes, fechando definitivamente as portas no início de 2014.

BOBBY RAHAL
No final de 1991, Bobby Rahal, até aí duas vezes campeão da IndyCar, juntou-se ao patrocinador Carl Hogan para comprar os restos da Patrick Racing e conquistou o título logo no primeiro ano como proprietário. Um ano depois comprou o chassis à sua equipa a Truesports, transformando o carro no RH001, mas este projeto, mais uma associação falhada à Honda, levaram Hogan a sair. Rahal pendurou o capacete em 1998. David Letterman, estrela da televisão e amigo pessoal de Rahal, tornou-se sócio, permitindo à equipa ganhar corridas com Bryan Herta, Max Papis e Kenny Bräck, este sagrando-se vicecampeão em 2001. Em 2004, a renomeada RLL Racing venceu finalmente a Indy 500, e a equipa expandiu operações para a American Le Mans Series, tornando-se a estrutura oficial da BMW em 2009, uma relação que perdura até hoje, enquanto o seu filho Graham luta pelo título na IndyCar.

SATORU NAKAJIMA
Satoru Nakajima, a primeira grande estrela da F1 do seu país, criou a sua própria estrutura técnica, com apoio do projeto Heroes do lendário Tetsu Ikuzawa (primeiro japonês a correr na Europa), em 1983. A ideia era levar Nakajima à F1, mas as suas ligações à Honda permitiram-lhe também montar uma equipa no JTCC, o campeonato japonês de turismo. Mesmo depois de chegar à F1, continuou a apoior novos talentos, incluindo Toshio Suzuki e Shinji Nakano, mas em 1992, Nakajima deixou de correr e criou a Nakajima Planning. A ligação à Honda permitiu-lhe competir como equipa oficial na Fórmula Nippon e JGTC (hoje Super Formula e Super GT), ganhando a primeira quatro vezes, com Tom Coronel, Tora Takagi (que também ajudou a levar à F1), Ralph Firman Jr. e Loïc Duval.

ROGER PENSKE
Antigo piloto nas corridas do SCCA, inclusive com uma participação em F1, Roger Penske estabeleceu a sua equipa, a Penske Racing (hoje Team Penske) em 1966, para participar em Can-Am, onde foi campeã de 1971 a 1973. Estreou-se na IndyCar em 1968, tendo já conquistado 13 títulos de pilotos e 177 vitórias, 16 das quais na Indy 500. Corre na NASCAR desde 1972, onde já ganhou 145 vezes, mas o primeiro título foi só em 2012, vencendo duas vezes a Daytona 500. A Penske também venceu as 24 Horas de Daytona em 1969 e as 12 Horas de Sebring em 2008, colecionando ainda triunfos na Trans-Am, American Le Mans Series e International Race of Champions. Uma breve passagem pela F1, de 1974 a 1976, resultou numa vitória no GP da Áustria de 1975. Penske está habituado a vencer, transformando a sua equipa numa das mais respeitadas do desporto automóvel a nível mundial.

RAY MALLOCK
Ray Mallock herdou do pai, o major Arthur Mallock, o gosto pela engenharia automóvel, ajudando-o na construção dos clubmans Mallock U2. Montou a sua estrutura quando ainda corria na F. Atlantic, ganhando dois títulos britânicos, mas foi depois da passagem para as corridas de resistência que transformou a sua equipa familiar na Ray Mallock Ltd (hoje, RML Group). No WEC, construiu primeiro o Nimrod-Aston Martin da Viscount Downe e depois os Ecosse da categoria C2, com o qual Mallock venceu um título de equipas mas não o de pilotos. A RML teve mais sucesso nas corridas de turismo, ganhando quatro títulos de pilotos e três de construtores no WTCC, como equipa oficial da Chevrolet, e quatro de pilotos e cinco de construtores no BTCC, com a Vauxhall, Nissan e Chevrolet. Voltando à resistência, desenvolveu o Saleen S7-R, e venceu Le Mans à classe duas vezes com o seu MG EX264.

AL HOLBERT
Mais conhecido por ter sido vencedor das 24 Horas de Le Mans num Porsche 962 oficial, Al Holbert começou a dar nas vistas na IMSA Camel GT Series, ganhando com o seu próprio Porsche 911 RSR. Em 1976, vendeu parte da equipa a George Dickinson, o que lhe permitiu conquistar dois títulos IMSA com um Chevrolet Monza Dekon. Em 1980, tornou-se construtor, encomendando um design de Can-Am a Lee Dykstra, pago pela CRC Chemicals e a que chamou CAC-1. Foi vicecampeão, com duas vitórias, o que o inspirou a inscrever, pela primeira vez, dois carros, construindo o novo CAC-2 enquanto o carro antigo foi pilotado por Randy Lewis. Holbert ganhou três corridas em 1981 mas foi só terceiro no campeonato. A sua ligação à Porsche garantiu-lhe um motor do 956 para ser campeão IMSA com o seu March 83G. Também construiu uma réplica oficial do Porsche 962 em 1985, com o qual venceu mais dois títulos.

ROBERTO RAVAGLIA
Antigo campeão mundial de carros de turismo, Roberto Ravaglia retirou-se da competição em 2001 para fundar a sua própria equipa, a Ravaglia Motorsport, inscrevendo dois BMW no novo ETCC, sagrando-se campeã com Peter Kox ao volante. Nos anos seguintes, ajudou a lançar uma nova carreira para Alex Zanardi, construindo comandos especiais para o piloto, que tinha perdido as pernas num acidente na Champ Car. No WTCC, a equipa renomeou-se ROAL (em deferência ao sócio Aldo Preo) e Zanardi conquistou a sua primeira vitória desde o acidente, em Oschersleben. No entanto, raramente tinha hipóteses de lutar pelo título. Em simultâneo, Ravaglia começou a operar programas paralelos, desenvolvendo um M3 para ganhar os Superstars em 2009 com Gianni Morbidelli. Também competiu em GT3 com um Z4, mas desviou-se da sua ligação histórica com o BMW adquirindo dois Chevrolet para o WTCC, em 2014.

MICHAEL BARTELS
A entrada de Michael Bartels no Campeonato FIA GT precipitou a criação de uma equipa, com o apoio do seu patrocinador, a Vitaphone (um serviço de cuidados de saúde). Adquirindo dois Maserati MC12 para 2005, a Vitaphone Racing rapidamente se tornou uma das equipas mais competitivas do plantel, ganhando o título de equipas em 2005, e depois disso a equipa alemã venceu todos os títulos de equipas e pilotos até 2010, com o próprio Bartels a garantir quatro das cinco vitórias na classificação de pilotos. Miguel Ramos integrou o plantel da Vitaphone em algumas épocas. Bartels também levou a equipa a três vitórias nas 24 Horas de Spa. A saída da Vitaphone como patrocinador obrigou Bartels a renomear a equipa como Vita4One, mudando de campeonato e de carros, mas o sucesso já não foi o mesmo.