/velocidade/cnv/pedro-salvador-temos-tantas-classes-e-querem-se-dar-tantas-tacas-que-se-acaba-por-viver-uma-ilusao/
Pedro Salvador: “Temos tantas classes e querem-se dar tantas taças, que se acaba por viver uma ilusão”. | AutoSport

Pedro Salvador falou da caminhada que fez para criar a Speedy Motorsport. O piloto falou do gosto por passar o conhecimento e a sua abordagem e do trabalho que tem desenvolvido com pilotos jovens e menos jovens:

“A vontade de trabalhar nas corridas já vem há algum tempo, a de ter a equipa nem por isso. Sempre tive o gosto por poder passar o meu conhecimento a miúdos, ou a malta mais graúda. Gosto de ganhar corridas que eles ganhem corridas e sejam competitivos. Esse era um trabalho que já fazia e o aparecimento da Speedy Motorsport foi a resposta a um desafio proposto por alguns dos pilotos com quem já trabalhava. Lembro-me do Paulo Sá Silva que correu com a Speedy em 2015 e o Paulo em 2014 estava a fazer Fórmula Ford e perguntou-me ´porque não fazes uma equipa? Se fizeres eu estou contigo´. Esse voto de confiança foi-me dado também pelo Nuno Couceiro, na altura quando o Rafael Lobato tinha feito Radicais e queria fazer protótipos. Tive essa conversa com ele, que me disse ´se o fizeres sei como o vais fazer por isso estou cá para te apoiar´ Esses votos de confiança deram um empurrão fundamental para a criação da Speedy e para o sucesso que tivemos logo no primeiro ano, que se deve às pessoas que trabalharam e ainda trabalham na equipa, à abordagem que temos, à vontade que temos de fazer bem sermos competitivos sempre. Não somos os melhores, nem os piores do mundo, mas em vontade de vencer não há quem tenha mais que nós.”

Mas Salvador começou por apontar um dos problemas que existe na nossa competição e que por vezes pode levar a ilusões:

Acho que hoje em dia desvirtuou-se um pouco o que é a competição. Temos tantas classes e querem-se dar tantas taças para manter as pessoas contentes, que se acaba por viver uma ilusão em muitas competições. Eu entendo que haja as mais diversas categorias que permitam às pessoas montarem projetos diferentes. Agora ser campeão, ganhar corridas ou ir ao pódio em competições em que há três concorrentes não acho que seja a coisa mais dignificante do mundo. Todos têm direito a montar os seu projetos, mais cria-se uma ilusão nas pessoas e quando batem de frente com uma competição a sério, percebem. Por isso é que eu digo que é importante não nos deslumbrarmos, para estarmos conscientes do que estamos a fazer e entender o nível que temos. Todos querem ir evoluindo e fazendo categorias mais competitivas, mas há malta que se deslumbra imenso e depois quando são confrontados com a realidade, apanham um choque. É muito comum hoje em dia ver pessoas que querem correr e que procuram a categoria onde há menos gente para poderem levar a taça para casa. Não acho que seja esse o caminho. O outro é mais duro, mas estamos prontos mais rapidamente.”

Pedro Salvador: “Temos tantas classes e querem-se dar tantas taças, que se acaba por viver uma ilusão”.

Destaques