MEMÓRIA, Duelos para a eternidade: Sébastien Loeb X Marcus Grönholm (2006-2007)


O desporto motorizado proporcionou algumas batalhas que ficarão para sempre gravadas na memória dos adeptos. Duelos onde dois homens superaram o limite das máquinas e, acima de tudo, superaram os seus próprios limites… e regressaram para contar. Rivais durante uma corrida, uma época ou a vida inteira, apaixonaram multidões nos ralis, na Fórmula 1 ou no motociclismo. No fundo, acederam à imortalidade pela sua coragem, talento e carisma.  Na maior parte dos casos, o AutoSport estava lá.

Quando Sébastien Loeb participou na sua primeira temporada completa do Mundial de Ralis com a Citroën, em 2002, Marcus Grönholm já corria pela equipa oficial da Peugeot há cinco temporadas. Talvez por isso o caminho de ambos só se juntou verdadeiramente nas temporadas de 2006 e 2007, quando o finlandês trocou a equipa Peugeot pela Ford. Como diz o ditado, mais vale tarde do que nunca e dois anos depois o mínimo que se pode dizer é que valeu a pena a espera. Em duas temporadas, Loeb e Grönholm discutiram a vitória em 18 dos 32 ralis do WRC, com o duelo no Rali da Nova Zelândia 2007 a ficar na memória de todos.

Foi aí que a luta entre ambos teve direito a honras de entrada no Guiness Book, já que nunca na história do Mundial uma diferença de 0,3s (ou, figurativamente, sete metros em linha recta) após 353 quilómetros de especiais tinha separado as palavras “vitória” e “derrota”. Dessa vez, foi Grönholm a festejar no tejadilho do Focus WRC. Mas, num balanço final, o finlandês perde para Loeb em toda a linha.