Albon na RedBull é um risco controlado ou um capricho?

Por a 14 Agosto 2019 08:13

“Para nós, apenas o principio da performance é que conta!” Foi com estas palavras que Helmut Marko justificou a troca de Daniil Kvyat por Max Verstappen em 2016, foi da mesma maneira que anunciou a promoção de Pierre Gasly à Red Bull (quando Daniel Ricciardo acreditou que ia para a Mercedes ou Ferrari e acabou na “inimiga” Renault) e é assim que o responsável da Red Bull justifica a permanente convulsão quando chega a altura de encontrar talento para ocupar os quatro lugares da Red Bull e da Toro Rosso.

Porém, a troca de Pierre Gasly por Alexander Albon é muito diferente daquela que foi feita entre Daniil Kvyat e Max Verstappen: em 2016 Helmut Marko tinha à mão um jovem carregado de talento que hoje, ele e Christian Horner, consideram ser o melhor piloto da Fórmula 1. Hoje… a cantera da Red Bull está vazia e depois do afastamento de Dan Ticktum, a solução mais à mão é Juri Vips, segundo do Campeonato de Fórmula 2. Por isso mesmo é que o ataque de fúria de Helmut Marko acabou na promoção do piloto escorraçado da Red Bull em 2012, pelo mesmo Helmut Marko.

Que por falta de opções já tinha sido forçado a recuperar Daniil Kvyat – outro proscrito e que quase acabou a carreira depois da troca com Max Verstappen – e deitou mão ao piloto tailandês nascido no Reino Unido há 23 anos, que estava a caminho da Fórmula E (contrato com a equipa Nissan) quando recebeu um telefonema de Helmut Marko. Isto depois de um ano na F2 onde entrou, in extremis, na DAMS e acabou a fazer a temporada completa de 2018 sendo o único que deu que fazer a George Russell na luta pelo título.

Apesar das exibições do ano passado e de em 2017 ter sido um dos maiores rivais de Charles Leclerc, perdendo as hipóteses de ser campeão ao abandonar na última jornada devido a um desentendimento com Jack Aitken, Alexander Albon passou ao lado dos blocos de apontamentos dos “olheiros” da Fórmula 1.

Como disse acima, esta não é a primeira vez que a Red Bull baralha e dá de novo. Porém, Helmut Marko e Christinan Horner deviam saber que o resultado certeiro aquando da troca de Daniil Kvyatt por Max Verstappen – o holandês chegou à Red Bull no GP de Espanha e… ganhou!, enquanto o russo se afundou em idiossincrasias próprias e acabou fora da Red Bull no final de 2017 – se deveu ao enorme talento que tinha em carteira. Um Max Versatappen é como um Cristiano Ronaldo ou um Lionel Messi, não aparecem aos molhos!

Ainda por cima, os responsáveis da Red Bull arriscam, embora não pareçam preocupados, a carreira não de um, mas de dois pilotos: Alexander Albon e Pierre Gasly, não esquecendo Daniil Kvyat.

Sim, é verdade que Albon fez uma excelente primeira parte de campeonato e pouco ficou a dever ao seu colega de equipa russo que, para já, aparafusou mais um pouco o seu lugar na Toro Rosso com o pódio na Hungria. Mas, não foi ele o escolhido para o lugar de Gasly, o que faria muito mais sentido, não só porque tem muito mais experiência e já está numa idade em que se for engolido pelas diatribes da Red Bull a sua carreira não será afetada. Além disso, o russo teve a sua chance na Red Bull em 2015 e 2016, fez 23 provas e nada provou ou fez de entusiasmante. Ele que ficou com o lugar que estava destinado a António Félix da Costa na Toro Rosso.

Os homens da Red Bull pensaram de outra forma e, na minha leitura dos factos, tendo a cantera vazia e quatro lugares para preencher, entendem que o futuro passa por Albon. E o raciocínio é simples: recuperaram-no, atiraram-no para a arena sem dó nem piedade com um Toro Rosso e um russo já vivido e matreiro como colega de equipa, deu-se muito bem e assim têm em mãos mais um talento que pode motivar, mais ainda, Max Verstappen e caso este decida mudar de ares – esteve quase a ter essa oportunidade na mão não fosse a vitória na Alemanha – ter ali uma opção para chegar ao título nos próximos anos.

Porém, este pode ser um presente envenenado! Porque saiu Pierre Gasly da Red Bull depois de todos os elogios e das certezas que nada o faria sair da equipa principal?

Em primeiro lugar, não é fácil ser colega de equipa de Max Verstappen – é um bocadinho o calvário que vários pilotos de enorme qualidade passaram, ao lado de Ayrton Senna e Michael Schumacher. Depois, ninguém esperava que o pacote Red Bull/Honda se desenvolvesse tão depressa e cm resultados tão expressivos. Depois, os brilhantes desempenhos de Verstappen “obrigaram” Gasly a acompanhar o holandês na marcação de pontos suficientes para pressionar Mercedes e Ferrari. Verstappen tem feito o seu trabalho – já tem duas vitórias – Gasly não fez. E lá vem à memória a frase de Helmut Marko, “para nós, apenas o principio da performance é que conta!”

A Red Bull quer lutar pelos títulos em 2020 e não se pode dar ao luxo de ter um carro que chateia os líderes e outro que é engolido pelo segundo pelotão!

Coloquemos as coisas de forma simples: Verstappen “deu” 12-0 em qualificação a Pierre Gasy e a diferença média de tempo na qualificação entre o holandês e o francês é de 0,529s! Pierre Gasly tem apenas 35% dos pontos reclamados por Max Verstappen, ou seja, este tem 181 pontos, o francês apenas 63. Mas o que mais deve ter chocado Helmut Marko e Christian Horner é que se Pierre Gasly tivesse feito o mesmo que Valteri Bottas na Mercedes (75% dos pontos de Hamilton) e Charles Leclerc (85% dos pontos de Vettel), a Red Bull estaria na frente da Ferrari na tabela de construtores.

Finalmente, na Hungria, Gasly não esteve presente e a Red Bull acabou por perder uma prova que caso tivesse um segundo piloto á altura, talvez conseguisse outro resultado. Lembram como foi a prova? A Mercedes e Lewis Hamilton passaram a Red Bull e Max Verstappen devido a uma estratégia arriscada, mas que resultou apenas e só porque o britânico tinha uma enorme vantagem atrás de si. A Ferrari não tinha condições para lutar com a Mercedes e a Red Bull e por isso teria de ser Gasly a fechar esse espaço e a pressionar a equipa de Lerwis Hamilton, impedindo essa segunda paragem. O francês, campeão da GP2 em 2016!, não estava lá e fechou a corrida a uma volta de Verstappen (foi a quinta vez que acabou a uma volta do seu colega de equipa: Austrália, Canadá, França, Áustria e Hungria) num pálido sexto lugar que não serviu de nada á Red Bull. Aliás, Gasly não começou nem acabou nenhuma das corridas já realizadas acima do quarto lugar, enquanto que Verstappen já tem duas vitórias, cinco pódios e uma “pole position”. Um fosso gigantesco que o francês não pode justificar com um encolher de ombros e “não consigo explicar o que se passa!”

Voltemos a Alexander Albon. Acima digo que este pode ser um presente envenenado e a razão radica, exatamente, nos problemas que levaram a Red Bull a recuperar dois proscritos: Kvyat e Albon. Não há mais talento no junior team da Red Bull, os pilotos apoiados pela casa austríaca têm-se revelado fracasso atrás de fracasso e Albon “tem” de dar certo, porque se não derem certo – e há muita coisa que concorre para isso! – o que fará a Red Bull? Joga Albon pela janela, promove Kvyat e coloca um piloto qualquer ex-Red Bull (são tantos!) na Toro Rosso? Acreditem, a decisão terá sido célere e no final do GP da Hungria percebia-se que a paciência tinha acabado quando Helmut Marko disse, repetidamente, para quem o queria ouvir “Verstappen passou pelo McLaren (de Carlos Sainz, ndr) á primeira, o Gasly demorou uma eternidade!” (esteve 70 voltas atrás do McLaren do espanhol, ndr). Gasly vai regressar á Toro Rosso e terá de ser forte mentalmente para não se eclipsar e desaparecer da Fórmula 1 pela porta pequena, entra Alexander Albon na Red Bull após 12 corridas na Toro Rosso com o melhor resultado a ser um sexto lugar na Alemanha, recolhendo 16 pontos, 11 menos que Kvyat.

Contas feitas, Alexander Albon é o piloto que mais depressa subiu à equipa principal, mas a tarefa não será fácil. O piloto tailandês nascido no Reino Unido terá de provar em nove corridas que é digno de ficar com o lugar para 2020 e, como disse acima, não pode falhar!

Ninguém espere que Albon faça o mesmo que Verstappen quando saiu da Toro Rosso para a Red Bull, até porque os dois pilotos não são comparáveis. Mas terá, em nove corridas, que conhecer um carro novo, uma equipa nova, um ambiente competitivo muito mais tenso, terá a espada de Démocles em cima do pescoço no que toca aos resultados e terá de enfrentar aquele que a sua equipa considera o melhor piloto da Fórmula 1 atual. E como a Red Bull quer aproveitar uma Ferrari enleada nos seus próprios atacadores, Albon terá de conseguir resultados… já!

O resto da história adivinha-se… pilotos com outra tarimba afundaram-se debaixo da pressão de obter resultados em equipas que não conheciam. A pressão será absurda sobre os ombros de Alexander Albon.

A Red Bull acredita que o plano vai resultar, mas… o que acontece se Albon ceder à pressão? Se não conseguir, já, os resultados desejados, volta para a Toro Rosso? Ou sai porta fora com um valente pontapé no traseiro, arruinando, talvez definitivamente, a sua carreira se fizer pior que Gasly? É uma aposta arriscada que tem tudo para dar… errado! Gasly ficou chamuscado depois da Red Bull ter tido a necessidade de responder á saída de Daniel Ricciardo, quando devia ter estado no “forno” Toro Rosso mais uma temporada. Sairá Alexander Albon esturricado depois desta promoção recorde?

Se Alexander Albon der uma boa resposta, Helmut Marko será elogiado por todos, mas a Red Bull sabe perfeitamente que está no fio da navalha. Ao manter Gasly perto, Helmut Marko mantém uma opção em aberto na esperança que o francês não irá implodir como sucedeu ao, agora, colega de equipa, Daniil Kvyat. Mas se isso suceder e Albon falhar, a Red Bull tem um problema muito complicado para resolver. Veremos a partir de setembro.

14
Deixe um comentário

Please Login to comment
  Subscribe  
Notify of
831ABO
Membro
831ABO

tl;dr

JahRastaFari
Membro
JahRastaFari

Talvez eu ainda esteja ensonado, mas a dada altura perdi-me no labirinto do texto… Em relação à ida do Albon para a Red Bull, acho que a equipa tem mais a ganhar do que a perder. Perderia sim, se tivesse continuado o pobre do Gasly, completamente arrasado psicológicamente. É que o Gasly quando foi promovido estava cheio de peito e talvez tivesse a ilusão de poder dar luta ao Max, mas perante a pressão dos resultados e a equipa toda no lado oposto da garagem, depressa se sentiu perdido e abandonado. O Albon parece-me mais humilde, tranquilo e psicologicamente, muito… Ler mais »

RedDevil
Membro
RedDevil

???
Chega-se à conclusão que se o Albon não resultar na RB… a RB e TR só têm 1 piloto para 2020… e vão ter 3 carros sem pilotos… é isso que querem dizer?
Sim… com certeza, não há pilotos interessados em integrar a RB…lol…

Neste caso. podem sempre recorrer ao pessoal que está em greve… aproveitam a requisição civil e ficam com os carros todos ocupados… e encartados para os reabastecimentos…

Kaos
Membro
Kaos

Toto Wolff não quis o Russell porque tinha receio de queimar o piloto, estes da Red Bull é sempre a abrir…

JahRastaFari
Membro
JahRastaFari

O problema do Toto não é queimar ou deixar de queimar pilotos. O problema dele é, como manter pilotos (talentosos e com garra) na esfera da Mercedes, sem incomodar em demasia o Hamilton e sem desequilibrar a harmonia existente na equipa.

Koluirty
Membro
Koluirty

o Toto nao o quis porque não precisa dele, tem a dupla perfeita e falta de concorrencia, o parzinho dele chega para o Verstappen e os Ferraris não incomodam, para que trocar ? o Russell acumula experiencia longe dos holofotes, vai dando uma ajuda à Williams e aprendendo o que é mau num carro, no dia que um dos 2 da equipa saia estara prontinho para ser a estrela da companhia, sem espinhas…

Koluirty
Membro
Koluirty

Cada tiro cada melro, este é o 3o artigo sobre o assunto, o pessoal que escreve estas coisas devia parar de ver telenovelas, santa paciencia. O objectivo claro da Red bul é dar o maximo de oportunidades aos 3 pilotos de serem o parceiro do Verstappen para o ano e estando o Gasly em depressão, o logico era tira-lo da linha da frente para o recuperar e avançar com o despreocupado Albon que tem mostrado velocidade, ritmo, consistencia e paz de espirito nqtural de quem ja não contava chegar à F1 e de repente tem um assento num dos carros… Ler mais »

Cágado1
Membro
Cágado1

Mais um artigo a dizer o que já foi dito pelo AS? Entendam-se e não escrevam todos sobre o mesmo. Ainda por cima este tem erros – logo no início, que não estive para o ler todo – Juri Vips na F2 e em 2.º lugar!?…

831ABO
Membro
831ABO

Eu tenho a impressão que o autor do texto tem uma conta e usa-a para dar pontos negativos aos comentários de que não gosta. O seu comentário faz todo o sentido e é certeiro, mas tinha 1 ponto negativo quando o li, o que é incompreensível. (Entretanto, já o tirei 🙂 )

rudicaraciola
Membro
rudicaraciola

Texto muito bem pensado e escrito. Já estou a ver o Albon a cheirar a frango assado na segunda metade da época..

zebigssapo-pt
Membro
zebigssapo-pt

O grupo Red Bull tem como “sócio” o detentor da patente da bebida um tailandês, Chaleo Yoovidhy.
Sempre a Red Bull teve um piloto ligado à região asiatica asia Australia Nova Zelândia pela ligaçao à tailandia e por aquele mercado ser provavelmente o mais importante de bebida. Foi Weber, Ricciardo. o ano passado tentaram Hartley e agora Albon que por “acaso” se diz tailandês. Não se põe o possivel talento de Albon mas os valores comerciais contam e contam muito, provavel haver um acordo para ter sempre um piloto daquela região.

Lkuski
Membro
Lkuski

Pois tambem penso o mesmo ja tinha escrito isto! O Alex Albon é mesmo tailandes como toda a sua familia corria com licença inglesa por isso era condiderado inglês! Para alem das boas exibições o aspecto comercial e poque não afectivo tambem contam!

Eu_não_sou_o_frenando_afondo
Membro
Eu_não_sou_o_frenando_afondo

“Se Alexander Albon der uma boa resposta, Helmut Marko será elogiado por todos” Nope, porque pelas declarações quem decidiu fazer a mudança foi a RB. Helmut continuava a dizer que não iam mudar. Acho que ainda hoje telefonou ao Gasly a dizer que esteja descansado que vai continuar na RB até ao final do ano.

josemj
Membro
josemj

O Albon estreou este na na F1 sem nem ao menos ter feito um teste antes, nos anos anteriores, como a maioria dos novatos que trabalha como piloto reserva. Mesmo assim, logo de cara já andou no mesmo nível que o “experiente” Kvyat. Ao longo da temporada foi muito superior ao russo em desempenho. Como a maioria só olha para os pontos, muitos consideram o desempenho do Kvyat melhor. Quem pensa assim também deve defender que o Kubica faz uma temporada melhor que o Russel, afinal o polonês tem 1 ponto e Russel nenhum ! A corrida de Albon na… Ler mais »

últimas Destaque Homepage
últimas Autosport