Lembra-se de Yuji Ide: Superlicença cassada ao 4º Grande Prémio


Yuji Ide foi um míssil que passou pela Fórmula 1 tal a velocidade com que chegou… e se foi embora. Foi rápido, mas não em pista. Lembra-se dele? Não, é claro, nem nós, antes de iniciarmos um trabalho com os pilotos de ocasião na F1. Depois de uma carreira sem um único título, chegou á F1 em 2006, graças ao seu compatriota Aguri Suzuki, que o contratou para essa temporada. Ide fez o que pode: a sua melhor qualificação foi o 21º lugar, em 22 pilotos, no GP do Abu Dhabi.

Chegou ao fim apenas no da Austrália, em que foi 13º e último, a três voltas de Fernando Alonso. Então, no GP de San Marino, a sua carreira chegou ao fim: na corrida, ‘atropelou’ o Midland MF1 de Christijan Albers logo na largada, provocando uma série espetacular de perigosos capotanços deste, que terminaram de rodas para o ar e a FIA, alarmada, decidiu cancelar de imediato a sua super licença, não fosse suceder algo de mais grave. Recordamos o que o AutoSport escreveu na altura: “Yuji Ide não voltará a competir neste Mundial de Fórmula 1, depois da Federação Internacional ter suspendido a sua super-licença até ao final do ano. Uma medida sem precedentes e que surpreendeu quase toda a gente, pois no passado diversos pilotos mostraram-se mais lentos e potencialmente perigosos que o japonês – Inoue, Tuero e Deletraz, só para dar três exemplos – e até Channock Nissany teve super-licença para ser terceiro piloto da Minardi no GP da Hungria de 2005, quando andava sete a oito segundos por volta (!!!) mais lento que os seus companheiros de equipa.

Mas a FIA decidiu ser extremamente rigorosa com Ide, deixando-o numa situação muito complicada para continuar a correr, pois a sua imagem ficou claramente denegrida com esta decisão e até no Japão poderá ser complicado encontrar uma equipa de F. Nippon ou Super GT que o queira. O bem de outros O mal de uns é o bem de outros e Franck Montagny teve, assim, a oportunidade de fazer mais Grande Prémios com a Super Aguri. Feliz, o francês admitiu que “a minha vida mudou por completo em pouco mais de uma semana, pois passei do sofá lá de casa para o habitáculo dum F1.” Quanto ao futuro, Montagny sabe que cederá o seu lugar ao piloto que aparecer com a mala de dólares mais pesada, para competir a partir da Grã-Bretanha…

Yuji Ide fez quatro Grandes Prémios na F1, mas Franck Montagny não fez muitos mais, sete para sermos precisos…