F1: Que futuro para a língua portuguesa?

Por a 12 Fevereiro 2018 16:35

Infelizmente a F1 nunca foi uma competição que recebesse os portugueses de braços abertos. Não por falta de talento pois felizmente nesse capítulo temos para dar e vender, mas o tamanho do nosso país, aliado ao tamanhos dos “bolsos” dos nossos pilotos foram grandes entraves à subida mais que merecida de alguns dos nossos compatriotas. Mas tínhamos sempre a possibilidade de ver pilotos brasileiros em pista, o que no fundo servia de pequena compensação. O Brasil sempre foi um país muito ligado à F1 e deu-nos alguns dos melhores pilotos de sempre da modalidade. Infelizmente a crise também-lhes bateu à porta e este ano não terão um piloto em pista.

É preciso recuar 48 anos para que voltar a encontrar uma situação assim. 48 anos de presença brasileira no Grande Circo agora interrompida, com a saída de Felipe Massa. Desde 1970 que o Brasil é representado na F1, e alguns dos maiores talentos que pudemos ver em pista falam a língua de Camões, com sotaque. São 3 campeões mundiais, mais precisamente um bicampeão e dois tricampeões. Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna dispensam apresentação onde quer que se pronuncie os seus nomes.

A experiência brasileira na classe rainha começou em  1951, o segundo ano do Campeonato de Fórmula 1. Francisco Sacco Landi foi o piloto pioneiro, mas na sua primeira experiência no campeonato do mundo só completou 1 volta no GP de Itália, tendo pilotado um Ferrari antes de o trocar por um Maserati e manteve-se na F1 até 53.

Fittipaldi foi o grande impulsionador da paixão brasileira pela F1, sendo  o primeiro responsável por colocar o país na lista de vencedores. Estávamos em 1970, no GP dos EUA. Dois anos depois o primeiro título pela mão do mesmo homem. O Brasil começou a exportar grandes talentos que se destacaram para além de Fittipaldi. O fogoso Piquet  mostrou a chama latina em pista e Ayrton Senna trouxe uma dimensão ainda maior à paixão brasileira (e portuguesa) pela F1.

O Brasil ocupa o 3º lugar na lista de países com mais vitórias na F1, com 101, atrás da Alemanha (173) e da Grã-Bretanha (266). É também o 3º país com mais poles (126) e o 4º com mais pódios (293). O Brasil tem 8 títulos mundiais.

A crise vive-se também fora da pista, com os rumores a não realização do GP do Brasil  a surgirem com mais frequência. Mas Interlagos é daquelas pistas que deveria ser obrigatória manter pela história e pela envolvência do  público.

Qual o futuro do Brasil na F1? Para já é uma incógnita e os jovens talentos que começam a despontar estão ainda longe da F1 (Sérgio Sette Câmara, Pietro Fittipaldi,  Enzo Fittipaldi, Matheus Leist, Pedro Piquet) e Nasr já mudou o seu foco para os protótipos.  Mas faz falta o caráter, a postura e o talento típico do piloto brasileiro.

 

A língua portuguesa sem representação no grid da F1 em 2018

Visualizou de 4 artigos abertos

O AutoSport limitou a 4, o número de artigos
que poderá ler sem fazer login
Para continuar a ler livremente
os artigos AutoSport,
por favor faça login aqui
Caso não esteja ainda registado,
faça agora aqui o seu
registo gratuito
  • Não é possível alterar o nome de utilizador.

    7
    Deixe um comentário

    Please Login to comment
    4 Comment threads
    3 Thread replies
    2 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    4 Comment authors
    João PereirarodríguezbrmPedro Coelhoso23101706 Recent comment authors
      Subscribe  
    Notify of
    so23101706
    Membro
    so23101706

    O Matheus Leist (campeão britânico de F3 em 2016) já rumou à IndyCar series e provavelmente vai fazer carreira nos States. Quanto aos outros todos, sinceramente não vi nada de entusiasmante. Penso que o Sette Câmara deixou de ser apoiado pela Red Bull.
    Quanto a portugueses, não acredito que o Henrique Chaves Jr. chegue à F1 e, fora ele, não estou a ver ninguém a singrar nos karts ou nas fórmulas secundárias.

    rodríguezbrm
    Membro
    rodríguezbrm

    Inevitavelmente a ausencia de brasileiros espelha a situação económica e social do país no presente. Contudo, o Pietro Fittipaldi está na antecâmara da F1, acabou de vencer o WS Formula V8 3.5, que deu alguns pilotos à F.1 ( sim, houve algumas mudanças), tem uma boa estrutura de apoio, a Escuderia Telmex, que só por não ser europeia é que é ignorada por quase todos, mas um dos maiores problemas é que actualmente há menos lugares na F.1, pelo que vai agora para a Indy, sem renegar o sonho de chegar à F1. Sobre os portugueses, é ver a diferença… Ler mais »

    ernie
    Membro
    ernie

    Caro Rodriguez, permita-me discordar um pouco da sua opinião (acho que assim é que se constroem boas conversas). Quanto ao Pietro Fittipaldi, não creio que esteja na antecâmara da F1. Como muito bem refere, ele já tem 7 provas (creio) garantidas este ano na Indycar incluindo as Indy 500 com a Dale Coyne, tendo já testado o carro #19 ainda com o spec 2017, mas isto leva-me a crer, que ele já está a entrar no plano B ainda antes de tentar o plano A, até porque não tem qualquer ligação com a F1, nem como piloto de testes. Quanto… Ler mais »

    rodríguezbrm
    Membro
    rodríguezbrm

    Os meus agradecimentos pelo seu texto e opinião em relação a estas questões. Este neto do Emerson não causou furor, mas tendo em conta o nível em que foi fixada a fasquia da qualidade de pilotagem da F.1 sucessivamente pelo Ericsson e pelo Stroll, não me parece que deslustre pelo que já mostrou desde que veio para Inglaterra vindo doutro Continente. E pelo que sei, mas não consigo fazer a prova, ele só não foi parar agora à Sauber ,como o Pérez e o Nasr antes , por causa da operação Alfa Romeo do Marchionne. Mas, ainda vai a tempo… Ler mais »

    ernie
    Membro
    ernie

    Por acaso, até estava convencido que o gaiato Pietro Fittipaldi era um filho do último casamento e não neto, embora tenha idade para isso. Quanto a Don Marchionne, já todos percebemos a sua maneira de estar, faz lembrar um pouco Don Vito Corleonne (I will make him a proposition he can not refuse) eheh! A superlicença, vale o que vale, e em relação a 2017, mantenho o que disse. O apoio de Carlos Slim, também já não deve valer assim tanto em termos de F1, porque hoje em dia, como há décadas que já não há Rodriguez, o México aguenta-se… Ler mais »

    ernie
    Membro
    ernie

    Oh senhor Mendes! Se considerarmos o português usado aqui no site pelos profissionais, com todas as más traduções, erros ortográficos, e trapalhadas, acho que o futuro do português é mais brasilês do que nunca, nem nos tempos do nosso D. Pedro IV, que abandonou o País para se tornar D. Pedro I do Brasil, cuja estátua se encontra no Rossio de Lisboa, a qual por mero acaso até é uma estátua feita para Maximiliano I do México (que por acaso era um Habsburgo e não mexicano), e que dadas as semelhanças físicas entre esses dois Imperadores (que creio até serem… Ler mais »

    mindgamesracing
    Membro
    mindgamesracing

    Para além da crise no Brasil falta Eclestone, que teria negociado Nars ou Massa mais um ano até os outros poderem chegar.

    últimas VELOCIDADE
    últimas Autosport
    AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/motosport.png