LEMBRA-SE DE: QUANDO A ASO TENTOU IMPEDIR AFRICA RACE DE PARTIR


Foi precisamente há 10 anos que o Africa Race arrancou pela primeira vez, aproveitando o espaço que a ASO e o ‘seu’ Dakar, deixou livre depois de anular o Lisboa-Dakar de 2008. Os franceses da Amaury Sport Organization tudo fizeram para que a prova não fosse em frente, mas não tiveram sucesso, pois ela arrancou e ainda hoje se realiza. Há rumores que para o ano o Dakar vai voltar ao lado de cá do Atlântico, mas para já ainda é cedo para saber mais. Recorde o que escrevemos na altura:

A Menos de uma semana da sua partida oficial, o Africa Race tem sido notícia pelas piores razões, chegando a ser decretada a sua interdição, no passado dia 5 de Dezembro, por decisão do Tribunal de Grande Instância de Nanterre, na sequência de uma acção interposta pela Amaury Sport Organization. Considerou então o tribunal francês que a prova organizada por iniciativa de Hubert Auriol era «contrária aos direitos estabelecidos pela ASO no âmbito do Rali Paris-Dakar (TSO ex-Thierry Sabine Organization) », decidindo, por isso, pelo seu cancelamento.

Apesar das informações serem escassas, não havendo, inclusivamente, qualquer esclarecimento a este respeito no site oficial do Africa Race, o AutoSport conseguiu apurar junto de fonte ligada à Organização (a XRPM) que na base desta decisão estaria um documento assinado pelo próprio Hubert Auriol, na altura em que abandonou a TSO, em que este se comprometia a não organizar qualquer competição que concorresse directamente com o Dakar, como seria agora o caso do Africa Race, projecto em que se empenhou pessoalmente após a decisão da ASO em abandonar o continente africano rumo à América do Sul.

Hubert Auriol sai, Africa Race continua
Sem perder tempo e determinado em levar a sua corrida por diante, Hubert Auriol anunciou na última semana que se retira da organização do Africa Race: «A decisão do Tribunal reporta-se a uma única pessoa, pelo que saio para não comprometer o desenrolar da corrida», declarou o antigo director e triplo vencedor do Dakar. Assim, e a acreditar que o diferendo judicial estará mesmo resolvido, a primeira edição do Africa Race prosseguirá tal e qual estava definida anteriormente, iniciando-se esta quinta e sexta-feira com as verificações administrativas e técnicas, em Marselha, para no sábado ter lugar o Prólogo que definirá a ordem de partida para a primeira etapa marroquina, agendada para o dia 30 de Dezembro, logo após o desembarque da caravana em Nador.

No total, 11 dias de corrida em pleno deserto africano e mais de quatro mil quilómetros de especiais, intercalados por uma jornada de repouso em Agadir.
Delineado por René Metge e José-Maria Servia, o percurso recriará, inevitavelmente, a espinha dorsal do antigo Dakar, percorrendo as pistas de Marrocos, da Mauritânia e do Senegal, estando a chegada agendada para a sua emblemática capital, a 10 de Janeiro próximo.

Jean-Louis Schlesser, nos automóveis, e o Team de Rooy, nos camiões, são as figuras de proa de um pelotão que junta profissionais e amadores e, segundo a última previsão da Organização, deverá rondar os 120 participantes… mesmo se tarda ainda em ser divulgada a lista definitiva.