Rali Rota da Seda: Sébastien Loeb e Peugeot lideram destacados

Por a 12 Julho 2017 12:44

[soliloquy id=”321574″]

O novo Peugeot 3008 DKR Maxi de Sébastien Loeb (é o único que tem para já o carro novo) parece ser a arma ideal no Rali Rota da Seda, já que no final da quarta etapa o francês lidera com mais de uma hora de avanço para o seu colega de equipa, Cyril Després, e só lá não está um terceiro Peugeot, o de Stéphane Peterhansel, porque o francês teve um violento despiste, capotou e atrasou-se muito, mais de duas horas. Também acontece aos melhores.

Peugeot à parte – ou melhor, Loeb à parte – o equilíbrio é grande, pois Després (Peugeot), Christian Laveille (Baicmotor BJ40L) e Bryce Menzies (Mini all4 Racing) estão separados por 12 minutos o que numa prova destas é muito pouco. A quarta etapa desenrolou-se sob condições apocalípticas, mas o novo Peugeot DKR Maxi voltou a demonstrar que é uma excelente evolução. Sébastien Loeb e Daniel Elena assinaram nova vitória na Especial, com isso alargando a sua margem na frente da Classificação Geral.

Já Stéphane Peterhansel perdeu mais de duas horas depois de ter capotado ao Km 43 da Especial. Após reparações rápidas feitas em conjunto com o seu navegador Jean-Paul Cottret, evitaram-se penalizações adicionais por atraso, atingindo a dupla a linha de chegada dentro do tempo regulamentar.

Quanto a Cyril Despres e David Castera, ficaram presos num buraco na primeira parte da Especial, de onde saíram graças à ajuda de outro concorrente. Perderam, com isso, 48 minutos para Loeb, terminando depois a Etapa a um bom ritmo, e ainda subiram ao segundo lugar da Geral, fruto, claro, do atraso de Peterhansel.

Segundo na estrada à partida da Etapa, Stéphane Peterhansel foi o primeiro a parar ao Km 43, tendo o vencedor do Dakar capotado numa zona assinalada como “Perigo 2” danificando o seu Peugeot DKR. Após 2h13m de reparações, a equipa completou a Especial com um atraso total de 3h01m para o mais rápido. Com isso, Peterhansel e Jean-Paul Cottret ficaram longe de um lugar do pódio que antes ocuparam provisoriamente. Os mecânicos do Team Peugeot Total aguardam agora a chegada ao acampamento do Peugeot DKR n° 106, para uma avaliação dos danos sofridos.

Também Cyril Despres se viu surpreendido pelas condições extremas da estrada na primeira seção da Especial, saindo de pista e ficando preso num buraco ao Km 166. Um dos camiões em prova ajudou-o a voltar ao traçado e, de novo ao ataque, Despres, ajudado por David Castera, terminaria a Especial a um bom ritmo, para ascender ao 2º lugar da Geral.

Mantendo-se longe de problemas, Sébastien Loeb conta agora com 1h07m de vantagem no topo da Classificação Geral provisória. O seu Peugeot DKR Maxi assinou uma terceira vitória em quatro Etapas, resultado de grande satisfação para os engenheiros da Peugeot Sport, que demonstravam a sua confiança no potencial do seu novo carro de competição.

“Correu-nos tudo bem e evitamos fazer erros, mas devo admitir que hoje as condições eram mais difíceis do que as que já encontrei na minha carreira nos rali-raids. Com chuvas torrenciais, não tínhamos aderência nenhuma, sendo impossível dizer se estávamos no trilho certo. A travagem foi particularmente difícil de gerir pois as estradas estavam tão escorregadias que o carro não travava, mas surfava na lama. Apesar disso, acho que encontramos o ritmo certo e o Daniel foi perfeito com a navegação. O Peugeot DKR Maxi dá-me maior confiança neste tipo de pisos. Parece ser mais estável e isso é importante quando as condições são tão extremas como estas”, disse Sébastien Loeb.

Quanto a Cyril Després: “Obviamente que estou dececionado, embora confesse que estou satisfeito com o tempo final. Partimos bem e concordo que o resultado poderia ter sido pior. Tivemos problemas com os travões desde o início da Especial e fomos surpreendidos por este buraco. Agradeço ao concorrente que parou para nos ajudar a colocar o carro de novo na estrada. Sabemos que não há nada seguro nos rali-raids e que cada detalhe conta. Agora, vamos descansar e esperar que amanhã seja melhor.”

Contudo, Stéphane Peterhansel foi o mais azarado de todos: “Infelizmente chegámos muito rápido a um buraco na estrada. Não teve nada a ver com o estado do tempo, pois tivemos o acidente numa zona seca. O carro empinou e capotámos duas ou três vezes. Os danos foram substanciais e substituímos o que pudemos, incluindo a totalidade das suspensões, processo que demorou mais de duas horas. Voltámos depois à estrada com um carro difícil de segurar e sem para-brisas. Não conseguindo ver nada, rolei lentamente para chegar ao final da Especial. Espero que o possamos reparar na assistência para que continuemos a nossa jornada, ajudando os nossos companheiros no Team Peugeot Total. Estamos numa situação mais ou menos idêntica à do ano passado. Gosto muito do Silk Way Rally, mas penso que esta prova não tenha esse sentimento recíproco.”

4ª Etapa
1 LOEB Sébastien (FRA), Peugeot 3008 DKR Maxi
2 ALRAJHI Yazeed (SAU), Mini John Cooper Works Rally
3 AMOS Eugenio (ITA), Ford TRX08LMOD
4 LAVIEILLE Christian (FRA), Baicmotor BJ40L
5 PELICHET Jérôme (FRA), Toyota Hilux

15 DESPRES Cyril (FRA), Peugeot 3008 DKR

35 PETERHANSEL Stéphane (FRA), Peugeot 3008 DKR

Geral após a 4ª Etapa
1 LOEB Sébastien (FRA), Peugeot 3008 DKR Maxi, 08:56:10
2 DESPRES Cyril (FRA), Peugeot 3008 DKR, a 01:07:56
3 LAVIEILLE Christian (FRA), Baicmotor BJ40L, a 01:12:35
4 MENZIES Bryce (USA), Mini John Cooper Works Rally, a 01:19:08
5 HAN Wei (CHN), GEELY SMG BUGGY, a 01:28:23

18 PETERHANSEL Stéphane (FRA), Peugeot 3008 DKR, a 03:04:20

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
últimas CPTT -CAMPEONATO PORTUGAL TODO TERRENO
últimas Autosport