/todooterreno/cntt-campeonato-nacional-todo-terreno/cptt-baja-tt-sharish-gin-quarta-vitoria-de-joao-ferreira/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=cptt-baja-tt-sharish-gin-quarta-vitoria-de-joao-ferreira&utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=cptt-baja-tt-sharish-gin-quarta-vitoria-de-joao-ferreira
CPTT, Baja TT Sharish Gin: quarta vitória de João Ferreira | AutoSport

CPTT, Baja TT Sharish Gin: quarta vitória de João Ferreira

Por a 25 Setembro 2022 15:37

João Ferreira/David Monteiro (Mini JCW Rally) venceram a Baja TT Sharish Gin/Reguengos/Mourão, o quarto triunfo do ano em cinco provas realizadas, e a duas provas do fim, estão cada vez mais perto de juntar o título do CPTT ao Europeu de Bajas, que recentemente venceram.

João Ferreira/David Monteiro (Mini JCW Rally) venceram pela quarta vez em cinco provas do Campeonato de Portugal de Todo o Terreno, aproveitando da melhor forma um conjunto de erros da dupla Tiago Reis/Valter Cardoso (Toyota Hilux), que apesar de ter vencido os três Setores Seletivos que compuseram a Baja TT Sharish Gin/Reguengos/Mourão, perderam a prova devido a um conjunto de penalizações devido a circularem em zonas com limite máximo de 30 km/h a velocidades mais elevadas.
Foram penalizados duas vezes em 60 segundos, outra em 120 segundos pelas três infrações cometidas na SS1 e SS2, pelo que junto resultou em quatro minutos, que lhes ‘roubaram’ o triunfo na prova, depois de terem sido, claramente, quem mais depressa andou nas pistas alentejanas. Foram nada mais nada menos que 75 as penalizações emanadas pelo Diretor de Prova, e isto somente no final do SS2 de três Setores Seletivos. Isto levou a várias mudanças na classificação, a principal, os líderes e cederem o comando da prova.    

Pneus e penalizações

Com este resultado, não só Tiago Reis perde um triunfo que merecia tendo em conta o que andou em Reguengos, como João Ferreira fica ainda mais perto do seu primeiro título no CPTT.
A prova foi muito condicionada ainda pela dureza dos percursos. Sem ter chovido muito, durante vários meses, os pisos ‘endureceram’ e nem as recentes chuvadas do Furacão Danielle ajudaram muito no ‘amolecimento’ da estrada, e com isso o desgaste dos pneus dos carros foi anormalmente alto. 

Um dos mais prejudicados foram precisamente os terceiros classificados, João Ramos/Filipe Palmeiro (Toyota Hilux), que depois de terminarem o SS1 a 9.1s dos líderes, ‘afundaram’se’ no SS2, ao perderem um pouco mais de três minutos com um furo. Concluíram o SS2 a quatro minutos da frente, no terceiro lugar e com poucas hipóteses de chegar ao triunfo, o que se confirmou, terminando a corrida no lugar mais baixo do pódio.

João Dias/João Miranda, com o BRP-Can Am Maverick X3 da Santag Racing Team, voltaram a realizar uma grande exibição, vencendo com facilidade da categoria T3, e mais do que isso, terminando no quarto lugar da geral, mantendo uma boa consistência de resultados, isto depois de dois pódios consecutivos na Baja Oeste e em Loulé. Grande andamento, só batido por carros e duplas completamente de topo. 

Quinto lugar para Francisco Barreto/Carlos Silva (Ford Ranger/Prolama), no que é o regresso da dupla aos bons resultados. Repetiram o quinto posto da Baja TT ACP, e em Reguengos, depois de um furo os atrasar na SS1, onde perderam sete posições face ao prólogo, fizeram uma prova de recuperação a terminaram no top 5.

Edgar Reis/Tiago Neves (Toyota Hilux, Team Transfradelos & XRally Team) foram sextos. tiveram um resultado menos bom no prólogo mas a partir daí foi sempre a subir, terminando com o seu melhor resultado até aqui no CPTT.
Algo semelhante fizeram Miguel Casaca/João Luz (Volkswagen Amarok/PRK Sport Rally Team). 26º no prólogo, e sempre a recuperar nos três setores seletivos. O maior pulo deu-se no SS1, ganhando depois duas posições em cada um dos SS finais.

André Amaral/Nelson Ramos (Ford Ranger) asseguraram em Reguengos o seu melhor resultado do ano, o oitavo, numa prova que não lhes correu bem no primeiro dia, especialmente a SS2, terminando na 13ª posição da geral, mas no SS3 recuperaram, foram sétimos no SS3 e com isso subiram para o oitavo posto, onde terminaram. Foram também penalizados por excesso de velocidade em zonas com limite máximo.

A fechar o top 10 ficaram Alexandre Pinto/Fausto Mota (Bombardier Can Am Maverick X3/Benimoto Racing), vencedores dos T4, e Maria Luís/Manuel Navarro (Mini All 4 Racing/MRacing Portugal), ganhando 18 posições face ao 28º lugar em que estavam no final da SS1. 

Nuno Tordo dominou T8

Nuno Tordo/João Serôdio (Nissan Navara/Oeste Racing Competition) venceu o T8m 11 minutos na frente de Johan Sanders/Luís Bento (Nissan Navara/Oeste Racing Competition) com Cesário Santos/Alexandre Gomes (Nissan Navara), 3m38s mais atrás.
Alexandre Mota/João Gomes (Nissan Navara). Seguiram-se Alexandre Mota/João Gomes (Nissan Navara), Georgino Pedroso/Sérgio Cerveira (Nissan Navara/Prolama Competição) e Daniel Silva/Filipe Martins (Nissan Navara/Team Transfradelos & XRally Team).

Nuno Tordo foi o primeiro líder, 19.8s na frente de Georgino Pedroso, com António Rodrigues/António Nunes (Nissan Navara D22) em terceiro na frente de Johan Sanders, este já a 43.9s.

Na SS2, Nuno Tordo alargava a liderança para Cesário Santos, mesmo penalizando por excesso de velocidade numa zona limitada, o que sucedeu a vários concorrentes dos T8, e depois de ter problemas com um furo. Tudo somado, ficava quase com cinco minutos de avanço para Cesário Santos e sete minutos para Johan Sanders.

No SS3, o triunfo foi para Georgino Pedroso, 1m18 a frente de Nuno Tordo que assegurou o triunfo, o que aliado ao abandono de Michael Braun/Ivo Santos (Porsche Cayenne Proto/PRK Sport Rally Team) ao Km 75 do SS3, lhe dá virtualmente o título de T8.

Joel Marrazes vence T2

No T2, o triunfo foi para Joel Marrazes/José Motaco (Nissan Navara) dois minutos e meio na frente de João Franco/Pedro Inácio (Nissan Navara D22/Oeste Racing Competition) com Francisco Dias/Mário Feio (Nissan Pick-Up 2.5) em terceiro a 10m43.7s.

Quarto posto para João Lourenço/José Camilo Martins (Nissan Navara D22) e a fechar o top 5, Fernando Barreiros/Rúben Pedroso (Isuzu D-Max/Prolama Competição).

Desta forma, Joel Marrazes aproxima-se de João Franco no campeonato, mas este continua a ter um bom avanço fruto de dois triunfos e três segundos lugares em cinco provas. Marrazes foi o primeiro líder, 1m06 na frente de Simão Comenda/Luís Dias (Nissan Navara D22) com Fernando Barreiros em terceiro a 1m26.9s. Na SS2, 

Na SS2, grande reviravolta, com João Franco a subir de 5º para primeiro, deixando Marrazes a mais de dois minutos na geral. Contudo, na SS3, Franco perdeu mais de seis minutos e com isso a liderança para Marrazes

No T3 a diferença de João Dias para a concorrência é abismal, Sérgio Vitorino/Daniel Carvalho (BRP-Can Am Maverick X3) ficaram a 47 minutos e no T4, Ricardo Gomes/Luis Santa Bárbara (Adess EV) venceram 3h43m na frente de  Alexandre Pinto/Fausto Mota (Bombardier Can Am Maverick X3/Benimoto Racing)

Na Taça de Portugal, Alexandre Ferreira/Sérgio Silva (Toyota Land Cruiser BJ73) venceram na frente de João Alves/Nuno Fernandes (Nissan Terrano PickUp).

Muitos abandonos

Foram muitas e boas as equipas que ficaram pelo caminho. Acima de todos, Alejandro Martins/José Marques (Mini JCW Rally) que deram um toque e abandonaram na SS2 quando eram terceiros no SS: “Na rotunda do Curval, para me desviar de uma vedação de alumínio que estava entre a rotunda e o passeio, fui para cima de um rail, para não bater. Esta situação não estava no Roadbook, é inaceitável”, disse o piloto.

Alexandre Franco/Rui Franco (Mercedes Benz V230 TD) eram sextos no final do SS1, estavam a andar bem, mas já não passaram daí. 

Luis Recuenco/Sergio Peinado (Mini JCW Rally) eram sextos no final do SS1, 5º no CP2 da SS2, mas ficaram pelo caminho, o mesmo sucedendo a Pedro Carvalho/Desidério Guerreiro (Can-Am Ssv Maverick XRC My21) quintos da geral, 2º do T3 no final da SS2, ficaram de fora, como explicou a equipa: “testamos várias soluções como preparação para a Baja de Andaluzia e decidimos parar porque após análise  a todos os parâmetros do carro alguns  estavam fora do ideal, sendo o mais sensato não arriscar algum eventual dano”

Edgar Condenso/António Serrão (Ford Mo Exr05 Proto) terminaram a SS2 no sétimo lugar, mas a Ford Ranger Proto já apresentava alguns problemas de turbo, acabando por ficar pelo caminho.

Nuno Matos/Ricardo Claro (Opel Mokka Proto) tiveram uma prova agridoce, já que uma pedra danificou o sistema de travagem do carro, pelo que terminaram muito atrasados.

TEMPOS ONLINE – CLIQUE AQUI

Caro leitor, esta é uma mensagem importante.
Infelizmente o Autosport não pode continuar a disponibilizar os seus artigos gratuitamente.
Já não é viável ter uma equipa de jornalistas profissionais sem que possamos vender o produto do nosso trabalho.
Tal como os jornais e revistas são pagos, também os conteúdos editoriais digitais terão que ser pagos.
Por favor subscreva o Autosport Exclusivo e ajude-nos a manter esta máquina em andamento!
São apenas 2€ por mês, subscreva agora AQUI
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Caro leitor, esta é uma mensagem importante.
Infelizmente o Autosport não pode continuar a disponibilizar os seus artigos gratuitamente.
Já não é viável ter uma equipa de jornalistas profissionais sem que possamos vender o produto do nosso trabalho.
Tal como os jornais e revistas são pagos, também os conteúdos editoriais digitais terão que ser pagos.
Por favor subscreva o Autosport Exclusivo e ajude-nos a manter esta máquina em andamento!
São apenas 2€ por mês, subscreva agora AQUI
últimas Newsletter
últimas Autosport
newsletter