» Textos: Jorge Cardoso

» Fotos: Arquivo Autosport

 

Gigi Galli: “Preciso de pelo menos 10 horas para falar do Rali de Portugal. Vamos sentar-nos…”


Gigi Galli está em condições de comparar o Rali de Portugal nos respetivos anfiteatros Norte e Sul. Em 1999 e 2000, ambas em Mitsubishi de Grupo N, conheceu a serra da Cabreira e do Açor, em 2007 a serra de Tavira e as planícies alentejanas. Se lhe perguntássemos, se prefere o salto de Fafe ou o de Ourique, provavelmente responderia: a fundo! Galli é uma pessoa especial. Gosta das coisas simples da vida, como por exemplo conversar – “Portugal? Preciso de pelo menos 10 horas para falar do Rali de Portugal. Vamos sentar-nos…”
Se para Biasion as papilas gustativas são responsáveis por algumas das melhores recordações do nosso país, para Galli são de base auditiva as principais protagonistas – “ainda hoje, fecho os olhos e oiço aquela multidão no estádio a aplaudir e a gritar o meu nome. Foi arrepiante”. A iniciativa da bandeira das quinas, presa na parte de trás do Citroen Xsara WRC, durante a super-especial do Estádio do Algarve no Rali de Portugal de 2007, impôs-se-lhe da forma como vive, com espontaneidade – “Não foi nada pensado, impôs-se de repente. A caminho do estádio passámos por uma loja que tinha bandeiras à venda na porta.
Parei o carro, comprei a bandeira, prendi-a e seguimos”. Galli não tem a real perceção do quanto é apreciado pelos adeptos portugueses. Quando lhe dizemos que cada vídeo, colocado no site do Autosport, das suas longas derrapagens controladas ou do salto “artístico” de Ourique, conduz sempre a muitas visualizações e comentários de admiração e saudade, sorri e mantém a simplicidade das coisas boas – “A sério? Os ralis são um espetáculo, e como tal, devemos divertir-mo-nos e agradar a quem nos vê. Por vezes pergunto-me porque não é sempre assim”.