LEMBRA-SE DE ANDREA DE ADAMICH: Piloto Alfa


O nome de Andrea de Adamich pode nada significar para os mais distraídos – apesar deste italiano desempenado e simpático ser o responsável pela N. Technology (equipa que correu durante muito tempo no WTCC com os Alfa Romeo, venceu sete títulos europeus e cinco italianos, assegurou três título do ETCC com Fabrizio Giovanardi, em 2001 e 2002 e Gabriele Tarquini em 2003. Em 2006 deixaram de ter o suporte da Alfa Romeo. André Couto passou pela equipa, onde pilotou um Honda Accord Euro R na Corrida da Guia em 2008, naquela que foi a última corrida do WTCC para a equipa. Fizeram ainda ralis, Formula Master, Superstars e chegaram mesmo a candidatar-se à F1 em 2009, mas retiraram a candidatura antes da decisão).

Apesar do seu filho Gordon ser um dos intervenientes no campeonato italiano de Turismo, também com um Alfa Romeo. Pode parecer estranho esta associação com a marca italiana, mas a verdade é que a carreira de Andrea de Adamich se confunde com o ‘quadrifoglio’.

Quando era ainda estudante de leis, começou a correr… com um Triumph TR3. Tinha 21 anos e, logo no ano seguinte, ligou-se à Alfa Romeo. Foi com esta marca que conseguiu algumas das suas mais singulares vitórias – como no Mundial de Marcas, com o fabuloso T33/3, em 1971. Foi também com um Alfa
Romeo, no caso o GTA da Autodelta, que conquistou o título da Europa de Turismo, em 1966 e 1967. Porém, De Adamich não assinou apenas façanhas com carros de Sport ou Turismo. Desde muito cedo que se notabilizou também nos monolugares – e foram os seus sucessos na F3 e na F2 que chamaram a atenção da Ferrari, com a qual se estreou, em 1967, na F1, numa prova extra-Campeonato, em Jarama.

O resultado catapultou-o para o Mundial, onde fez a sua primeira corrida na África do Sul, no dia de Ano Novo de 1968. Qualificou-se melhor que os seus colegas de equipa, o que foi notável. Na F1, participou em 34 GP, terminando por duas vezes em 4º lugar. A sua carreira terminou um ano depois da carambola na largada do GP da Grã-Bretanha, em 1973, onde partiu as duas pernas, num acidente espectacular, iniciado por Jody Scheckter.