GP do Canadá F1: Notas AutoSport (parte I)

Por a 12 Junho 2018 16:58

A F1 passou pelo Canadá, com o circuito Gilles Villeneuve a ser o palco da sétima ronda do campeonato. Villeneuve ficou na história da F1 pelo talento e coragem  dentro e fora de pista. Sempre com vontade de ser o mais rápido, independentemente das consequências, marcou uma era do desporto automóvel. A corrida deste ano não foi à imagem do intrépido canadiano, com uma toada morna e um piloto que dominou as operações de início a fim.

 

Ferrari – Vettel perfeito, no regresso à liderança do campeonato

A Ferrari chegou ao Canadá com uma ligeira vantagem para a concorrência. A Mercedes não trocou de motor para esta ronda e a já antiga unidade, que rola desde Melbourne, poderia ter alguma influência no desfecho final da prova. Os Red Bull dependiam das melhorias que a Renault introduzisse  e por isso eram uma incógnita. Vettel foi o mais forte na qualificação que foi muito renhida (Bottas ficou apenas a 0.093 seg.), mas na corrida Vettel fez o costume quando fica com o primeiro lugar… geriu de forma perfeita os acontecimentos e apresentou um ritmo mais forte que os restantes. Nunca chegou a ser incomodado pela concorrência e foi o justo vencedor do GP. Raikkonen, por seu lado, parecia estar a fazer uma corrida sólida mas no final acabou por ficar longe do seu colega de equipa. O finlandês tem estado bem este ano e está provavelmente na melhor forma desde que regressou à Ferrari, embora nas últimas corridas não tenha estado ao mesmo nível. Acabou em sexto, tentando uma estratégia algo diferente, mas a paragem nas boxes não correu da melhor forma e não conseguiu passar Hamilton. A partir daí não teve mais argumentos para incomodar o campeão britânico. Ficou no ar a ideia que poderia ter dado um pouco mais.

 

Sebastian Vettel – Nota 10

Kimi Raikkonen – Nota 7

Ferrari – Nota  9

 

 

Mercedes – Bottas em bom plano e Hamilton demasiado quente

Foi um bom fim de semana para Bottas. Na qualificação foi por pouco que não ficava com a pole e na corrida conseguiu colocar um bom ritmo, embora não tenha conseguido chegar ao Ferrari de Vettel. Foi o melhor piloto da Mercedes no Canadá, o que tendo em conta a concorrência no outro lado da box, não é feito que se deva ignorar. A Mercedes não se deu bem com os ares do Canadá, mas Bottas continua a subir ao pódio com regularidade. Hamilton foi quinto, com problemas no primeiro stint. O carro sobreaqueceu, o que levou a alguns cortes na potência. A equipa tem um sistema inteligente que permite abrir entradas de ar para arrefecimento (alteração feita na paragem antecipada do #44), o que resolveu o problema mas não ajudou ao nível da aerodinâmica. Mais uma vez não foi o Hamilton de outros tempos, sem chama e sem andamento.

 

Valtteri Bottas – Nota 9

Lewis Hamilton – Nota 7

Mercedes – Nota 8

 

Red Bull – Verstappen sem erros e com moral renovada

A equipa sabia da importância que teria um fim de semana sem erros para o jovem holandês. Verstappen estava a começar a acusar a pressão, mas este fim de semana chegou na altura certa.  Ficou a pouco mais de 0.2 seg. da pole e na corrida, não foi muito incomodado. Na largada tentou passar por Bottas, mas soube medir o esforço e não entrou em exageros. Um pódio saboroso e muito positivo para um jovem que estava a precisar de uma exibição assim. Riccardo foi discreto e não se deu muito por ele, embora tenha sido mais rápido que Hamilton e tenha conseguido passar o britânico nas boxes. Não foi daquelas corridas que gostamos de ver por parte do Sr. Sorrisos mas ainda assim bons pontos para a equipa e para si.

 

Max Verstappen – Nota 9

Daniel Ricciardo – Nota 8

Red Bull – Nota 9

 

Renault – O melhor fim de semana desde o regresso à competição

P7 e P8 pode não parecer nada de espantoso mas foi no geral provavelmente o melhor resultado desde o regresso da Renault à competição como construtor.  Ocon ainda tentou estragar a festa mas uma paragem mal executada da Force India abriu as portas aos homens de amarelo e preto.  A consistência de Hulkenberg continua a dar jeito à Renault e o alemão não deixa os seus créditos por mãos alheias. É um dos melhores e continua a prová-lo com a regularidade com que marca pontos. Sainz também beneficiou do azar de Ocon mas não se chegou o suficiente a Hulkenberg para provocar problemas à sua equipa. Mas um bom resultado de uma boa dupla.

Nico Hulkenberg – Nota 8

Carlos Sainz – Nota 7

Renault – Nota 8

 

Force India  – Podiam ter sido mais felizes

Mostraram andamento para mais.  Perez, ficou fora da luta pelos pontos depois do toque com Sainz que o obrigou a regressar as boxes mais cedo, enquanto Ocon não teve a sorte do lado dele com a paragem mais lenta nas boxes  também o fez cair para o nono. Perez não reagiu muito bem ao toque e talvez tenha perdido ligeiramente o foco. A Force não costuma desperdiçar oportunidades, mas no Canadá não tiveram a sorte do seu lado e conseguiram menos pontos do que teoricamente deveriam ter conseguido.

Esteban Ocon – Nota 8

Sergio Perez – Nota 6

Force India – Nota 7

 

 

 

Continua

Avaliação do desempenho dos pilotos no GP do Canadá

Visualizou de 4 artigos abertos

O AutoSport limitou a 4, o número de artigos
que poderá ler sem fazer login
Para continuar a ler livremente
os artigos AutoSport,
por favor faça login aqui
Caso não esteja ainda registado,
faça agora aqui o seu
registo gratuito
  • Não é possível alterar o nome de utilizador.

    1
    Deixe um comentário

    Please Login to comment
    1 Comment threads
    0 Thread replies
    1 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    1 Comment authors
    Luís Luís Recent comment authors
      Subscribe  
    Notify of
    rodbrm
    Membro
    rodbrm

    Atenção que os Renaults foram muito lentos nas boxes: Carlos Sainz.24.416 Nico Hulkenberg 24.521, Esteban Ocon 25.353 ( ver em racefans.net). Foi graças ao ritmo antes e depois da ida às boxes, que o ultrapassaram.

    últimas FÓRMULA 1
    últimas Autosport
    AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/motosport.png