Fórmula 1: Halo ajudou a salvar Charles Leclerc

Por a 6 Dezembro 2018 10:24

A FIA já tem os dados finais do inquérito ao acidente em que se viu envolvido Charles Leclerc na partida do GP da Bélgica de F1 realizado em agosto último, e de acordo com o que foi divulgado pelo Motorsport.com, a FIA concluiu que o pneu do McLaren de Fernando Alonso não bateria no capacete de Charles Leclerc, mas este pode ter sido poupado a ferimentos graves, ou pior, já que uma peça pertencente à asa dianteira do monolugar do espanhol, bateria no capacete, se não tem sido travada pelo Halo.

A peça que muitos continuam a preferir referir pelo facto de ser inestética – e é mesmo – provou ser útil, funcionando exatamente como é esperado.

Na sequência de meses de análise das imagens vídeos captadas pelas câmaras de alta velocidade da FIA, estas sugerem que o Halo teve um papel importante em deixar o piloto mais longe de se magoar.

O relatório feito pelo FIA Global Institute, revela que o Halo absorveu bastante bem o impacto do McLaren. O sistema de proteção do cockpit manteve-se intacto apesar de um impacto de 58 kiloNewton, qualquer coisa como 5.914.35 kg, sendo que a Sauber conseguiu retirar a peça sem dificuldades do monolugar.

Caso o carro não tivesse Halo, o pneu não bateria na cabeça do piloto, mas se fosse na direção do fazer, estaria lá o Halo. Já a peça foi desviada por este.

Segundo o Diretor de Segurança da FIA, Adam Baker: “Pelo vídeo que vimos, acreditamos que a roda não bateria no capacete de Leclerc, mas também pensamos que uma peça da asa do carro teria batido visor do capacete. No entanto é difícil prever a severidade do impacto”

Fica por dizer que o impacto no Halo por parte do McLaren de Alonso foi de 58kN, que são apenas 46% do valor imposto pela FIA para o Halo suportar, que são 125kN. Sem o Halo, e com a roda a bater no capacete, a velocidade de impacto seria potencialmente fatal para o piloto.

Para além disso, a energia de uma roda ao impactar no capacete de um piloto depende de muita coisa, mas se isso sucedesse com a massa total do carro (roda e respetiva suspensão presas ao carro, portanto o impacto era feito com o peso de conjunto do carro) isso significaria, à velocidade em que os dois carros embateram (30 Km/h de diferença, medidos pela FIA), aproximadamente 30kJ, o que com a diferença de velocidade (30 Km/h) corresponderiam a 840 kg.

Esta energia teria consequências muito graves no piloto se acertasse em cheio, sendo que o Halo não conseguiria absorver toda essa energia sem deformação significativa, e talvez, partisse. Tal como já referimos, a investigação da Sauber confirmou que a estrutura do Halo, e as suas ligações ao chassis não foram danificadas devido ao impacto da roda.

Portanto, isto significa que seria necessário um acidente bem mais grave para que o Halo cedesse e pudesse com isso comprometer o piloto. Neste caso, mesmo que o impacto fosse mais ‘certeiro’, Leclerc nada teria sofrido.

É feio, mas cumpre bem a sua função, e nada mais importa para lá disso…

Visualizou de 4 artigos abertos

O AutoSport limitou a 4, o número de artigos
que poderá ler sem fazer login
Para continuar a ler livremente
os artigos AutoSport,
por favor faça login aqui
Caso não esteja ainda registado,
faça agora aqui o seu
registo gratuito
  • Não é possível alterar o nome de utilizador.

    6
    Deixe um comentário

    Please Login to comment
    3 Comment threads
    3 Thread replies
    6 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    6 Comment authors
    PityPe25091759João Bernardojoaopereira1696Pedro Pinto Recent comment authors
      Subscribe  
    Notify of
    can-am
    Membro
    can-am

    Os relatórios são sempre feitos à vontade do dono. Já alguem viu um relatório contrariar quem o paga.O Halo é muito forte sim, mas é no lobby que o apoia.

    Gilles_27_71
    Membro
    Gilles_27_71

    …o halo só seria eficaz no acidente do Tom, em kyalami 77,é o único a meu ver, onde teria maior percentagem de eficácia, de resto não vejo nada de especial, aliás nem no acidente do massa na Hungria, teria efeito.

    pe25091759
    Membro
    pe25091759

    Jules Bianchi?

    Pity
    Membro
    Pity

    Não, o Jules Bianchi sofreu uma lesão em que o cérebro chocalhou, digamos assim, pelo que com halo, ou sem halo, o resultado seria o mesmo. Já Henry Surtees, na F2 ou Justin Wilson na Indy, poderiam ter sido salvos, caso já existisse o halo.

    jo22101626
    Membro
    jo22101626

    Sou completamente a favor do Halo, e acredito que os pilotos também. Não é o elemento mais bonito é verdade, mas também já faz parte, já estou habituado a vê-lo nos carros, mas tudo o que seja para aumentar a segurança dos carros sou completamente a favor, toda a gente que diz que não serve para nada e é feio se fosse piloto talvez pensasse de forma diferente. Como o povo diz mais vale prevenir do que remediar.

    obernardo93
    Membro
    obernardo93

    então e uma um tipo de junção do halo com o a proteção usada na indy que não me lembro do nome? não seria algo mais eficaz? sabendo que iria ser quase fechado mas se queremos segurança, ou criei um mega airbag que cubra aquela zona

    últimas FÓRMULA 1
    últimas Autosport
    AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/motosport.png