/formula1/f1/motor-de-combustao-nao-esta-condenado-hidrogenio-celula-de-combustivel/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=motor-de-combustao-nao-esta-condenado-hidrogenio-celula-de-combustivel&utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=motor-de-combustao-nao-esta-condenado-hidrogenio-celula-de-combustivel
Motor de combustão não está condenado: “hidrogénio, célula de combustível…” | AutoSport

Motor de combustão não está condenado: “hidrogénio, célula de combustível…”

Por a 12 Abril 2021 17:38

Se formos ouvir ou ler muito do que se tem escrito quanto ao futuro da indústria e por inerência do desporto automóvel, muitos acham que o motor de combustão está condenado, mas a verdade é que não é assim. E há muitos exemplos disso.
Uma coisa é certa: tem de se caminhar para a neutralidade carbónica, a F1 vai fazê-lo até 2030, mas a forma como se vai chegar lá é que pode variar.
Pat Symonds, numa recente conferência da Associação da Indústria do Desporto Automóvel (MIA) sobre desporto automóvel, citado pela Agência Reuters foi claro: “Embora muitas pessoas possam pensar que o motor de combustão interna está morto, eu diria que está longe de estar morto. Os combustíveis sustentáveis são o nosso grande impulso na F1 e é algo que penso que também teremos de fazer ‘descer’ para outras fórmulas”, disse.
A Fórmula 1 vai sofrer uma grande transformação: o mesmo motor, mas combustíveis sintéticos, o melhor que a tecnologia conseguir até 2025.
Isso já está pensado para o próximo ano com os regulamentos a preverem uma espécie de ‘arranque’ dessa medida com 5.75% biofuel e 10% de etanol.
A ideia passa por ter um protótipo de motor até junho do próximo ano, tendo os construtores cerca de dois anos para desenvolver os novos motores de modo a serem utilizados em 2025.
Não é nada provável que a Fórmula 1 se possa tornar elétrica, a Fórmula E tem exclusividade até 2039, e há correntes de opinião que se distanciam da tecnologia das baterias, alegando que não é a solução para todas as formas de desporto automóvel, mesmo a longo prazo.
Neste contexto, os motores de combustão, possivelmente a dois tempos, utilizando combustíveis não-fósseis, podem ser o caminho, até porque os motores de combustão existentes em circulação não desaparecem da noite para o dia: “Temos muita história e tradição baseada na combustão interna e essa não vai desaparecer da noite para o dia. Nem queremos que desapareça”, disse Iain Wight, diretor de desenvolvimento comercial da Williams Advanced Engineering.
Já o antigo chefe de motores da Audi Sport, Ulrich Baretzky, vê os motores de combustão de hidrogénio como um caminho para a Fórmula 1, bem como para Le Mans: “Em 2025 veremos (ainda) motores de combustão (em Le Mans), porque a densidade energética (do combustível) é imbatível neste momento com qualquer tecnologia que conhecemos hoje. Cinco anos depois, espero que vejamos uma mistura entre hidrogénio, combustão e célula de combustível”.
O CEO da Williams F1, Jost Capito, diz que será necessário um enorme esforço para melhorar o custo e o desempenho dos biocombustíveis, e desenvolver uma produção de hidrogénio mais eficiente, mas o desporto automóvel está à altura do desafio: “Existem tecnologias que vão em várias direções, mas todas visam o mesmo objetivo, ser neutras em termos de CO2. Para mim, este é um momento realmente emocionante”, disse Capito.

Subscribe
Notify of
3 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
sr-dr-hhister
sr-dr-hhister
1 mês atrás

Para mim hidrogénio é a solução para tudo, inclusive alopecia.

F1 Forever
F1 Forever
1 mês atrás

E combustão interna de Hidrogénio é tecnologicamente relevante? Para além de aumentar o risco, parece que as marcas (Toyota) estão interessados é na célula de combustível. Apostem na captura de CO2 e conversão em octano sintético por hidrogenação.

https://www.youtube.com/watch?v=XxjNhLZCae0

F1 Forever
F1 Forever
Reply to  F1 Forever
1 mês atrás

…interessadas…

últimas FÓRMULA 1
últimas Autosport
formula1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x