/formula1/f1/gp-do-monaco-f1-os-insolitos-a-primeira-e-unica-de-oliver-panis/
GP do Mónaco F1, os insólitos: a primeira e única de Oliver Panis | AutoSport
 

GP do Mónaco F1, os insólitos: a primeira e única de Oliver Panis


Após um fim-de-semana nebulado, mas sem qualquer ameaça de chuva, aquele Domingo de Maio de 1996 amanheceu com nuvens carregadas e forte ameaça de precipitação, prometendo baralhar ainda mais as contas no habitual bailado dos carros pelas estreitas ruas de Monte Carlo. Pela segunda vez consecutiva, Schumacher fazia a pole-position, evidenciando as categóricas melhoras da Scuderia após vários anos de amargura, seguido de Damon Hill, líder destacado do campeonato, e dos dois Benetton.

No warm-up Panis já foi o mais rápido, mas nada nem ninguém previa uma vitória do simpático francês, já que se tratava de uma sessão de testes e vários pilotos estavam a experimentar set-up de piso molhado, antevendo um eventual aguaceiro antes da partida. De facto, o céu estava decidido a baralhar as contas e uma violenta chuvada caiu pouco antes do início dos procedimentos de partida, motivando mesmo a organização a permitir um segundo warm-up de 15 minutos para os pilotos se adaptarem às traiçoeiras condições de pista. O festival de despistes causou a primeira baixa, já que o Forti de Montermini bateu e, sem carro-reserva, estava encontrada a primeira “baixa” do dia.

Na partida, Hill surpreendeu Schumacher (lago já de si, surpreendente, passe a redundância) para tomar o comando e ser o único sem problemas de visibilidade, enquanto cá mais para trás as coisas complicavam-se logo em St.Devote. Verstappen, o único a largar em slicks confiando que a pista secaria rapidamente, saiu em frente contra os rails de imediato, enquanto Lamy e Fisichella batiam a sair da primeira curva, deixando Giancarlo Minardi à beira de um ataque de nervos. Hill abriu de imediato uma boa vantagem e Schumacher cometeu um dos seus raros erros – ainda mais notório pela sua conhecida mestria à chuva – ao derrapar e bater nos rails em Portier – e Barrichello também ficava de fora nesta primeira volta após uma batida. Deste modo, Hill liderava um pelotão já reduzido a 16 viaturas, seguido de Alesi, Berger, Irvine, Frentzen e Coulthard (ironicamente o escocês competia com um capacete emprestado por Schumacher, já que o seu estava a embaciar anormalmente com as baixas temperaturas do dia).
Irvine estava mais lento que os seus perseguidores, permitindo a Hill e aos Benetton destacarem-se, embora o inglês estivesse no perfeito controle dos acontecimentos, podendo sonhar com uma vitória no Principado, depois das cinco conseguidas pelo seu pai Graham.Mais na retaguarda do pelotão, Katayama, Rosset e Diniz eram vítimas das condições traiçoeiras da pista, mas o segundo candidato a abandonar era Berger, que parava nas boxes à décima volta com problemas irresolúveis na sua caixa de velocidades. Mais cá para trás, o efeito-tampão de Irvine enervava Frentzen que tentou uma manobra demasiado otimista para chegar a terceiro à 18ª volta, partindo a asa da frente, o que o obrigou a uma paragem suplementar e o atirou para as profundezas da classificação. O asfalto estava a secar gradualmente e Hill entrou na volta 28 para meter slicks, tal como Irvine, Coulthard e Panis. Alesi assumia o comando, e Coulthard era o grande perdedor quando deixou o motor ir abaixo nas boxes, caindo para quinto. Alesi liderou duas voltas até efetuar a sua paragem, regressando ao segundo posto.
Com o pelotão reduzido a onze pilotos depois do despiste de Brundle, a volta 35 assistiu a um dos momentos marcantes – na descida para o gancho de Hotelo Loews, Panis forçou a passagem a Irvine por dentro, e o irlandês por pouco não bateu nos rails, deixando o carro ir abaixo. Já se preparava para desistir quando foi empurrado pelos comissários devido à posição perigosa em que se encontrava, e com o declive o Ferrari voltou a pegar e Eddie continuava em prova após uma passagem pelas boxes para verificar o carro e ajustar os cintos de segurança (que tinha começado a tirar para desistir), relegado para o penúltimo lugar e irremediavelmente atrasado. A meio da prova Hill tinha uma enorme vantagem para Alesi, por sua vez com Panis a grande distância, seguido de Coulthard, Herbert e Villeneuve, este último passou todo o fim-de-semana sem conseguir encontrar as afinações ideais no seu Williams.
Porém, a exibição impecável de Hill não utou muito, pois o seu motor Renault quebrou espetacularmente na saída do túnel à 41ª volta, deixando muito óleo na pista, o que por pouco não levou a uma batida de Panis. Isto deixava Alesi completamente isolado no comando e perto de vencer a segunda prova na sua longa e azarada carreira na F1, até que no final da 59ª volta entrou nas boxes queixando-se de problemas de estabilidade. A equipa verificou o Benetton e não encontrou nada de anormal, procedendo a uma troca de pneus, mas duas voltas depois o destino voltava a pregar uma partida ao carismático francês, já que a suspensão estava danificada e não havia nada a fazer a não ser desistir. Isto deixava o surpreendente Ligier-Mugen Honda de Olivier Panis no comando, com Coulthard a ganhar gradualmente tempo, animado pela hipótese de quebrar o jejum da McLaren que se arrastava desde o G.P. da Austrália de 1993. Herbert era terceiro, seguido de Villeneuve, Salo e Häkkinen.
Enganem-se se pensam que as peripécias terminam por aqui… Para começar, Panis tinha optado por não reabastecer por isso tinha que poupar gasolina e, aliado à superioridade técnica do McLaren-Mercedes, via-se na prespetiva de ter que se defender do escocês, que rodava cada vez melhor. Por sua vez, o fim-de-semana miserável de Villeneuve terminava mais cedo quando, na volta 66, encontrou o Forti de Badoer, que rodava com seis voltas de atraso… o italiano não cooperou na dobragem em Mirabeau e o resultado foi a retirada de ambos os monolugares. O limite das duas horas aproximava-se e Panis esperava ansiosamente que a prova não fosse até ao fim, mas até à bandeirada de xadrez os percalços continuaram. Na volta 70, Irvine cometeu um erro no mesmo sítio do seu colega Schumacher, e na tentativa de regressar à pista o mais depressa possível provocava um acidente com Mika Salo, surpreendendo Häkinen que rodava logo atrás… A limpeza da pista seria complicada se não estivessem apenas quatro carros a rodar (!!!!!), e o limite das duas horas levou à antecipação do final da prova para a 75ª volta. Panis aguentou Coulthard para conseguir uma surpreendente vitória, com Johnny Herbert a fechar o pódio. O único piloto além destes ainda a rodar era Frentzen, que nunca se recompôs do incidente com Irvine e entrou na box à entrada da última volta, já que o seu quatro posto estava garantido.
Apesar de ter sido ajudado pelas inúmeras desistências, não se pode tirar mérito à exibição muito consistente de Olivier Panis, que não se intimidou nunca com as condições e ultrapassou problemas com o motor nos treinos para conseguir aquela que viria a ser a sua única vitória na F1, e a última da Ligier – se bem que já sem o seu fundador Guy Ligier “ao leme”. Foi também a primeira vitória de um motor Mugen-Honda e a última de um piloto francês até á data de edição deste artigo.

PosPilotoChassiMotoreVolta Pts
19Olivier PANISLigierMugen Honda75 2h 00m 45.629s  ( 124.014 km/h )10
28David COULTHARDMcLarenMercedes75 2h 00m 50.457s  ( +04.828s )6
314Johnny HERBERTSauberFord Cosworth75 2h 01m 23.132s  ( +37.503s )4
415Heinz-Harald FRENTZENSauberFord Cosworth74 Regresso nos poços3
519Mika SALOTyrrellYamaha70 Colisão2
67Mika HAKKINENMcLarenMercedes70 Colisão1
72Eddie IRVINEFerrariFerrari68 Colisão
ab6Jacques VILLENEUVEWilliamsRenault66 Colisão
ab3Jean ALESIBenettonRenault60 Suspensão
ab22Luca BADOERFortiFord Cosworth60 Colisão
ab5Damon HILLWilliamsRenault40 Motor
ab12Martin BRUNDLEJordanPeugeot30 Acidente
ab4Gerhard BERGERBenettonRenault9 Caixa de velocidades
ab10Pedro DINIZLigierMugen Honda5 Rotação
ab16Ricardo ROSSETFootworkHart3 Acidente
ab18Ukyo KATAYAMATyrrellYamaha2 Acidente
ab1Michael SCHUMACHERFerrariFerrari0 Acidente
ab11Rubens BARRICHELLOJordanPeugeot0 Acidente
ab17Jos VERSTAPPENFootworkHart0 Acidente
ab20Pedro LAMYMinardiFord Cosworth0 Colisão
ab21Giancarlo FISICHELLAMinardiFord Cosworth0 Colisão
       
np23Andrea MONTERMINIFortiFord Cosworth  Acidente