F1: O processo de investigação do acidente de Romain Grosjean

Por a 3 Dezembro 2020 17:00

Como em qualquer acidente, a FIA investiga de forma rigorosa todos os elementos necessários ao entendimento do que se passou e do que pode ser melhorado.

Outros envolvidos na investigação incluem a organização da F1, a equipa Haas e a GPDA (Associação de Pilotos), da qual Grosjean é diretor.

“Como acontece com todos os acidentes graves, analisaremos todos os aspetos e colaboraremos com todas as partes envolvidas”, disse o diretor de segurança da FIA, Adam Baker. “Com tantos dados disponíveis na F1, isso permite determinar com precisão cada elemento do que ocorreu e esse trabalho já começou. Levamos essa pesquisa muito a sério e seguiremos um processo rigoroso para descobrir exatamente o que aconteceu antes de propor melhorias potenciais.”

Um dos primeiros passos surgiu na segunda-feira, quando o delegado técnico da FIA, Jo Bauer, e o chefe da segurança dos concorrentes, o português Nuno Costa, examinaram detalhadamente os restos do Haas, antes de se encontrarem com os engenheiros da equipa.

A FIA afirmou que “será capaz de recolher dados vídeo, incluindo uma câmera de alta velocidade, de frente para o piloto com velocidade de 400 frames por segundo para revelar o que aconteceu durante o acidente. Os dados do gravador de dados de acidentes de carro também serão recolhidos, que revelará a velocidade e as forças, assim como dos acelerômetros intra-auriculares que são moldados para caber dentro do canal auditivo do piloto para medir o movimento da cabeça na colisão.”

Esses dados são inicialmente inseridos no Banco de Dados Mundial de Acidentes da FIA [WADB], onde as informações sobre incidentes em todas as categorias são recolhidas e partilhadas.

Os dados são então disponibilizados para o Grupo de Estudos de Acidentes Graves da FIA [SASG]. Presidido por Jean Todt, o órgão também inclui presidentes de todas as comissões desportivas da FIA, funcionários-chave do departamento de segurança e desportos, além de médicos, engenheiros, investigadores e funcionários.

A FIA observa que “o SASG trabalha em conjunto com o Grupo de Trabalho de Pesquisa da FIA [RWG], que analisa pesquisas em andamento sobre novos dispositivos de segurança e investigação de acidentes conduzida pela FIA. O RWG é formado por um influente corpo de engenheiros na indústria do desporto motorizado com experiência em todos os níveis do desporto, bem como por especialistas médicos que colaboram em questões de segurança. O trabalho de investigação relacionado com casos de acidentes graves e fatais é considerado pelo RWG antes de ser examinado numa reunião extraordinária da Comissão de Segurança da FIA, presidida por Sir Patrick Head.”

As conclusões definitivas são então apresentadas ao World Motor Sport Council. Os casos também podem ser apresentados à Comissão de pilotos da FIA para comentários e contribuições.

Subscribe
Notify of
1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
jem
jem
1 mês atrás

Muito foi feito, e pela imprevisibilidade da F1 muito há que fazer. Porque não causou danos maiores, sem dúvida que este acidente “foi bem-vindo”. Desde o carro, a(s) pista(s), os comissários e os meios ao dispor, o carro de segurança e os meios ao dispor (pessoas e materiais), mostraram que ainda há muito que fazer. Que não demorem muito a tomarem decisões pois a F1 tem meios humanos e financeiros para ser rápida, também nas decisões.

últimas F1
últimas Autosport
f1
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x