F1: A fé de Arrivabene e os erros de Vettel

Por a 10 Outubro 2018 15:13

67 e 78. São os números que neste momento estão na mente dos responsáveis da Ferrari. 67 é a distância pontual  de Sebastian Vettel ao líder  Lewis Hamilton e 78 são os pontos que separam a Mercedes da Ferrari.

Faltam ainda quatro provas para o final da época mas Lewis Hamilton poderá sagrar-se já campeão em Austin, no Texas, se Vettel ficar abaixo do segundo lugar. As esperanças da Ferrari são muito ténues mas Maurizio Arrivabene não atira a toalha ao chão e quer tentar o tudo por tudo nas últimas corridas:

“É fácil ser pragmático “, disse Arrivabene à Sky Sport.” No sábado tivemos um problema que todos sabem. Fiquei um pouco desapontado, mas vencemos e perdemos juntos. “

“Eu tenho a dizer sobre a corrida, que a equipa e os pilotos reagiram muito bem. Tivemos algumas circunstâncias durante a corrida que nos impediram  de alcançar o pódio. Acho que pelo menos o pódio estava ao alcance e os carros, mesmo danificados, estavam a ir muito bem. Em relação às corridas futuras, eu sei que a situação parece impossível, mas o nosso trabalho às vezes é desafiar o impossível e é isso que vamos fazer,  para as quatro corridas que temos pela frente.”

O filme de 2018 parece uma cópia do de 2017 e até as distâncias pontuais nesta altura têm semelhanças quase inacreditáveis. E no início da época parecia tudo tão bem encaminhado para Vettel. Liderou o campeonato nas três primeiras até que chegou o GP do Azerbaijão e Vettel faz uma tentativa mal calculada de ultrapassagem num dos recomeços da prova após Safety Car, perto do final e perde assim a vaga no pódio. Foi o primeiro erro de Vettel e foi a primeira vez em 2018 que Hamilton liderou o campeonato.

Vettel só voltaria para a frente da classificação no Canadá, para logo na prova seguinte deixar novamente escapar o primeiro posto. Foi no GP da França com um erro na primeira curva, onde não foi capaz de evitar o contacto com Bottas atirando ambos para o fim do pelotão. Na Áustria Vettel aproveitou a falha dos Mercedes para voltar para a frente da tabela onde permaneceu… até ao GP da Alemanha, onde liderou sem qualquer oposição até errar e sair de pista por causa da chuva que começava a cair. Foi nesta corrida que a luta pelo título começou a complicar-se em demasia, mas a distância ainda não era irrecuperável.

Veio o GP da Bélgica onde Vettel conseguiu encurtar a diferença pontual, mas então chegou o GP de Itália e um erro da equipa (não colocar Vettel atrás de Raikkonen na Q3 para aproveitar o cone de ar) e mais uma manobra falhada do alemão na primeira volta, permitiu que Hamilton ficasse com uma vantagem mais confortável. Seguiram-se Singapura e Rússia, em que o carro da Scuderia não esteve ao nível da Mercedes e no Japão o golpe final nas aspirações com o toque em Verstappen.

É curioso notar que a cada vez que Vettel perdeu a liderança, houve um erro a definir o desfecho. Hamilton por seu lado desde o GP da Grã-Bretanha tem sido de uma regularidade impressionante. Tanto Hamilton como Vettel têm apenas uma desistência em 2018 mas o britânico tem sido muito mais regular que o alemão.

É justo apontar o dedo a Vettel? Em parte sim, pois foi por causa de manobras menos calculadas que o campeonato lhe fugiu. E pilotos de topo como Hamilton ou Ricciardo já mostraram por várias vezes como ultrapassar de forma segura e eficaz, algo que o Vettel nem sempre faz, fruto de precipitações. Arrivabene é também claro alvo de críticas  por ser o responsável máximo, pelo que tem de ter uma parte da responsabilidade.

Mas na verdade são estes dois homens as grandes figuras da recuperação da Ferrari nos últimos anos. Arrivabene foi um balão de oxigénio quanto entrou na Ferrari. A sua postura tipicamente latina e a forma emocionada como cantou o hino com o resto do staff da Scuderia nas primeiras vitórias de Vettel eram a prova que o italiano trouxe alma e chama a uma equipa que parecia perdida nas suas próprias complicações. Liderou a equipa neste regresso aos primeiros lugares e teve de enfrentar situações difíceis como a saída de James Allison, o director técnico numa fase em que a Ferrari teve de dar um passo atrás para dar dois à frente (em 2016).

Vettel é também o nome que ficará sempre ligado ao ressurgimento da Ferrari nestes últimos anos. Foram dele as primeiras vitórias em 2015, numa altura em que a equipa precisava acima de tudo de recuperar confiança e o ego. A sua postura e a forma como trabalhou para se inserir e desenvolver o carro foi sem dúvida uma das chaves em todo este processo.

2017 e 2018 foram anos complicados para a equipa. Mostraram capacidade para vencer, mas perderam por culpa própria. Claro que os fãs querem o título que escapa há 10 anos e à boa maneira latina, há vontade de que algumas cabeças rolem. Arrivabene já foi falado para a Juventus e mesmo Vettel está sob pressão por parte dos media. Mas, pessoalmente, acho que esta dupla merecia mais uma hipótese em 2019 para tentar o título. A forma como puxaram a Scuderia para cima merece isso. Cometeram-se erros que custaram muitos pontos, mas quem teve capacidade de voltar colocar a equipa no trilho do sucesso, tem também capacidade para afinar os pormenores que faltam para enfrentar a poderosa máquina da Mercedes.

Para este ano, apesar da postura de Arrivabene, a entrega do título é quase uma mera formalidade. Mas a Ferrari conseguiu uma boa base para os próximos dois anos. Basta melhorar a componente desportiva (a estratégia em corrida é uma prioridade) e minimizar os erros que este ano foram a raiz do insucesso. E Vettel tem de se reencontrar. Tem de voltar a ser o Vettel líder de 2015 e 2016, tem de trabalhar para evitar os erros desnecessários. Vettel é um excelente piloto que sabe planear tudo e trabalhar de forma inteligente. Falta-lhe a arte do improviso em pista mas tem as ferramentas necessárias para levar a Scuderia ao título. Este ano por demérito próprio e por mérito da Mercedes e de Hamilton (que mostraram um espírito de equipa muito forte e uma capacidade de trabalho fenomenal) terá provavelmente de se contentar com o “vice”.

Arrivabene não atira a toalha ao chão mas as evidências são claras

Visualizou de 4 artigos abertos

O AutoSport limitou a 4, o número de artigos
que poderá ler sem fazer login
Para continuar a ler livremente
os artigos AutoSport,
por favor faça login aqui
Caso não esteja ainda registado,
faça agora aqui o seu
registo gratuito
  • Não é possível alterar o nome de utilizador.

    24
    Deixe um comentário

    Please Login to comment
    14 Comment threads
    10 Thread replies
    14 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    14 Comment authors
    SoaresJosé LealMVMpedro-prates44gmail-comJabba Recent comment authors
      Subscribe  
    Notify of
    cjqcosta
    Membro
    cjqcosta

    Este jovem não tem jeito nenhum para “polícia bom e polícia mau”…
    Com a mesma velocidade que elogia tudo e todos, martela todo aquele pessoal por incompetência.
    Aliás fica-lhe mal. Parece mais um que gosta muito do que vê ao espelho…
    Abraço a todos

    pedro_speed
    Membro
    pedro_speed

    É verdade que Vettel é um grande piloto e deu nova alma à Ferrari, quando chegou à equipa em 2015, vencendo 3 corridas e fazendo esquecer a temporada difícil de 2014. Mas também não é menos verdade, que o ano passado e este ano cometeu muitos erros e hipotecou os 2 campeonatos. Esta temporada já vai com 17 corridas e em 5 delas (praticamente 1/3) cometeu erros crassos, que lhe custaram muitos pontos: Azerbaijão, França, Alemanha, Itália e agora no Japão. Sendo o da Alemanha o mais ridículo, ainda por cima frente ao seu público. Sendo que ainda faltam 4… Ler mais »

    sr-dr-hhister
    Membro
    sr-dr-hhister

    E só contou os erros em corridas, pois nos treinos, qualificações e até em demonstrações publicitárias ele os cometeu.

    no-team
    Membro
    no-team

    Os erros que o Vettel tem cometido são também muito forçados pelo Hamilton que o leva ao limite, isso tem sido um aspecto que tem sido ignorado nesta discussão.

    pedro_speed
    Membro
    pedro_speed

    Tem razão, o Hamilton leva o Vettel ao limite na pista, mas também nos “mind games” … Quando se luta ao mais alto nível, são pormenores que contam muito. Espero que o Vettel aprenda a lição e se apresente no próximo ano mais forte e determinado, pois é um piloto fora de série. Inclusive, o Hamilton precisa de um Vettel forte. Ele sempre gostou de um boa luta. Em 2016 descurou um pouco o colega de equipa e por isso perdeu. Mas como aprendeu bem a lição, apresentou-se em 2017 muito forte e foi o que se viu. Agora cabe… Ler mais »

    2fast4u
    Membro
    2fast4u

    O no-team toca num ponto muito importante.
    É muito fácil fazer as críticas todas, mas estar na posição que eles ocupam é que é realmente difícil.
    As pessoas esquecem-se da margem absurda que a Mercedes tinha para a concorrência. No ano passado a Ferrari deu um claro passo em frente e neste ano aproximaram-se muito. Mais ninguém o fez. A Renault por exemplo parece ter estagnado.
    A Ferrari foi testada ao limite, e todos os intervenientes saem desta época mais experientes.
    É óbvio que o objetivo é ganhar mas estão claramente no caminho certo, e não é hora de por isso em causa.

    pedro_speed
    Membro
    pedro_speed

    Concordo inteiramente. Aliás, espero um Vettel e uma Ferrari mais fortes e experientes no próximo ano.

    MVM
    Membro
    MVM

    Um artigo equilibrado e bem escrito, o que é sempre de louvar. Ainda bem que o AS tem o FM.

    jgleal1
    Membro
    jgleal1

    Olha olha desapareceu o José Abreu e apareceu este.

    últimas FÓRMULA 1
    últimas Autosport
    AutoSport https://www.autosport.pt/wp-content/themes/maxmag/images/motosport.png