Lewis Hamilton: Do susto de 2008 ao penta de 2018


Recentemente, Lewis Hamilton chegou facilmente ao seu quinto título de Campeão de Fórmula 1, mas o primeiro, que assegurou há precisamente 10 anos,  foi bem mais complicado. Recorde o que escrevemos na altura: 

À chegada a São Paulo Lewis Hamilton tinha tudo a seu favor. Sete pontos de vantagem sobre Felipe Massa, com um carro muito competitivo pareciam mais do que suficientes para lhe dar o título. Quarto na grelha, com uma corrida muito conservadora Hamilton viu o título começar escapar-lhe a cinco voltas do final quando seguiu todos os seus principais adversários para as boxes para montar pneus intermédios. Só que a Toyota optou por manter os seus dois pilotos na pista e Glock superou-o, atirando-o para a sexta posição.

Só o considerável aumento da intensidade da chuva lhe permitiu alcançar e superar o alemão na última travagem do Mundial, dando-lhe o título pela menor margem possível. Dai que as suas emoções fossem evidentes no final da corrida: «Tinha o coração na boca e parecia que ia explodir. Não sei como pude manter a calma nas últimas voltas, não sei mesmo como o fiz. Tive mesmo muita sorte!» Pouco depois, já ligeiramente mais tranquilo, o novo Campeão do Mundo falou de forma breve aos jornalistas, parecendo incrédulo com o que acabara de lhe acontecer:

«Acho que ainda não realizei bem o que se passou. Esta foi a corrida mais intensa da minha vida e o meu coração ainda está a bater de forma muito intensa. Tenho de agradecer à McLaren por me dar um carro fantástico e à minha família por ter vindo toda até aqui. Também quero agradecer a toda a gente que me apoiou desde que comecei a correr e espero que este resultado os recompense pelos seus esforços. Não sei mesmo como não perdi a cabeça nas últimas duas voltas e acabei por ter sorte na última volta, só que o que conta é o resultado final e esse foi o que eu consegui. Mas foi uma corrida tão intensa que foi seguramente a mais dura de toda a minha vida.»

Com o coração na boca
Explicando as suas dificuldades nas últimas voltas da corrida, Hamilton disse que, «os meus pneus intermédios perderam rapidamente aderência, começando a perder muitos pedaços de borracha e tudo o que eu podia fazer era tentar manter-me na pista. Não havia maneira de manter o Vettel atrás de mim e quando ele me passou fiquei com o coração na boca. Por sorte acabei por ter a oportunidade de ultrapassar o Glock mesmo na entrada da última curva e garantir o resultado que eu mais desejava.
Este é um resultado extraordinário para mim e para a equipa, mas também tenho de dar os parabéns ao Felipe Massa e à Ferrari, que fizeram uma bela corrida e um campeonato muito competitivo. Hoje durante 90 por cento do tempo tive a corrida sob controlo mas nos últimos momentos o título ia-me fugindo das mãos. Foi um final de corrida muito duro, muito difícil, o mais difícil de toda a minha carreira. Toda esta temporada e este ano foi bastante difícil, mas nada se compara com o que passei nas últimas três voltas da corrida, que foram as mais duras da minha vida. Incrivelmente duras! Não podia atacar mais, porque os pneus não tinham aderência, mas felizmente consegui passei o Timo na última curva e quando o consegui sabia que tinha garantido o título. Foi um sentimento fantástico que nem sei descrever em palavras.»