LEMBRA-SE DE GULF MIRAGE: Produtos de um génio

Nascido numa vila perto de Birmingham, o engenheiro John Wyer obtém o seu primeiro grande sucesso em 1959, vencendo as 24 Horas de Le Mans e o Campeonato do Mundo de Sport como “team manager” da Aston Martin. Depois de trabalhar na Ford entre 1963 e 1967, Wyer forma a JWAutomotive, juntamente com John Willment.

O seu primeiro carro é o Mirage M1, uma versão aligeirada do Ford GT40, construído com o apoio da petrolífera Gulf, mas apesar do triunfo nos 1000 km de Spa, Wyer pára o desenvolvimento do seu próprio carro para se concentrar no GT40, agora com o estatuto de equipa de fábrica, vencendo Le Mans em duas ocasiões. Ainda assim, Wyer teve tempo para idealizar a variante M2, equipada com motor BRM, que faz algumas visitas ao Mundial de Sport com pouco sucesso.

Em 1970 e 1971, Wyer e a Gulf trocam a Ford pelo 917 da Porsche conquistando várias vitórias no Mundial de Sport, mas falham a mais importante, Le Mans.

Novas regras de homologação acabam com a carreira do 917, pelo que o nome Mirage é ressuscitado. Protótipo de “cockpit” aberto e asa traseira, motorizado por um Cosworth DFV, o M6 é estreado em 1972 e vence pela primeira vez no ano seguinte, em Spa, com Derek Bell e Mike Hailwood. Mais algumas pontuações regulares e a marca Mirage classifica-se no quarto lugar final do Mundial, atrás apenas das grandes Matra, Ferrari e Porsche.

A Gulf aumenta o investimento em 1974, e os carros são rebaptizados “Gulf Mirage”. O GR7, evolução do M6, é consistente e termina quatro vezes no pódio mas sem nunca bater o invencível Matra, apesar dos esforços de Bell, Hailwood, Vern Schuppan, Reine Wisell e David Hobbs. Mesmo assim, a Gulf Mirage é segunda no campeonato. Em 1975, devido a um diferendo entre o ACO e a FIA sobre consumos regulamentares, a Gulf participa apenas em Le Mans, onde o novo Gulf Mirage GR8 justificou o estatuto de favorito.

A equipa opta por reduzir as rotações do motor, assegurando uma melhor fiabilidade, que permite a vitória fácil de Derek Bell e Jacky Ickx, enquanto Jean-Pierre Jaussaud e Vern Schuppan terminaram em terceiro. No final da época, Wyer retira-se oficialmente da competição automóvel e vende a estrutura da Gulf Racing à Grand Touring Cars, do milionário americano Harley Cluxton, que resolveu concentrar-se apenas nas 24 Horas de Le Mans. O Mirage M9-Renault foi segundo na prova francesa em 1978, mas sem John Wyer, as prestações da equipa vão decaindo e o último corrida de um Mirage é em 1982.